Sal­to do dó­lar ele­va pres­são so­bre es­tra­té­gia do BC

Valor Econômico - - FINANÇAS - Lu­cas Hi­ra­ta

Di­as de so­la­van­cos do dó­lar, co­mo na dis­pa­ra­da de on­tem, ten­dem a le­van­tar dú­vi­das so­bre o que o Banco Central fa­rá pa­ra acal­mar os in­ves­ti­do­res. A ofer­ta de no­vos swaps cam­bi­ais se­ria uma op­ção pa­ra for­ne­cer “proteção” aos in­ves­ti­do­res, ali­vi­an­do a pres­são no mer­ca­do co­mo já acon­te­ceu nes­te ano. Des­ta vez, en­tre­tan­to, o que se espera é a con­ti­nui­da­de das ven­das de dó­la­res no mer­ca­do à vis­ta, em ope­ra­ções com com­pro­mis­so de re­com­pra, os cha­ma­dos lei­lões de li­nha.

Pe­lo me­nos por ora, o prin­ci­pal mo­ti­vo de dis­tor­ção não es­tá no mer­ca­do fu­tu­ro que se­ria o mais afe­ta­do pe­los swaps cam­bi­ais. Es­ses ins­tru­men­tos tam­bém ten­dem a ser usa­dos — mui­tas vezes sem gran­de avi­so pré­vio — qu­an­do o câm­bio bra­si­lei­ro des­co­la dos de­mais emer­gen­tes ou num am­bi­en­te de pou­ca ofer­ta de mo­e­da (um sal­to no “va­zio”, no jar­gão do mer­ca­do). Não é o ca­so dos úl­ti­mos di­as. Du­ran­te boa par­te da ses­são de on­tem, o re­al en­ca­be­çou os pi­o­res de­sem­pe­nhos do dia nu­ma lista de 33 di­vi­sas glo­bais. No en­tan­to, o dia foi mar­ca­do pe­la bus­ca glo­bal por se­gu­ran­ça, re­sul­tan­do em dó­lar for­te em qua­se to­do o mun­do. As ex­ce­ções mais cla­ras ao lon­go do dia fo­ram o ie­ne ja­po­nês e o fran­co suí­ço, que tam­bém são con­si­de­ra­dos “portos-se­gu­ros”.

Além dis­so, os in­ves­ti­do­res es­tran­gei­ros já pa­re­cem bem pro­te­gi­dos. No mer­ca­do de de­ri­va­ti­vos, os não re­si­den­tes car­re­gam mais de US$ 41 bi­lhões em po­si­ções com­pra­das na mo­e­da ame­ri­ca­na (que ga­nham na al­ta da di­vi­sa con­tra o re­al), de acor­do com da­dos da B3. Es­se é um no­vo re­cor­de, que foi atin­gi­do num mo­vi­men­to gra­du­al de com­pras de dó­lar fu­tu­ro e cu­pom cam­bi­al (ju­ro em dó­lar) nos úl­ti­mos me­ses. Em meio a uma pi­o­ra da per­cep­ção de ris­co em to­do o mun­do, es­sa pos­tu­ra mais de­fen­si­va dos es­tran­gei­ros tem con­tri­buí­do pa­ra a es­ca­la­da da mo­e­da des­de o fim da eleição.

Por ou­tro la­do, os es­pe­ci­a­lis­tas apon­tam que os sal­tos re­cen­tes do dó­lar con­tra o re­al são in­ten­si­fi­ca­dos por aqui de­vi­do a fa­to­res mais téc­ni­cos, co­mo o pe­río­do de flu­xo de saí­da no mer­ca­do à vis­ta. Num si­nal de que a li­qui­dez ain­da es­tá fra­ca, a taxa do ca­sa­do — uma es­pé­cie de cu­pom cam­bi­al (ju­ro em dó­lar) de cur­tís­si­mo pra­zo e que re­fle­te con­di­ções de li­qui­dez no mer­ca­do à vis­ta — fe­chou on­tem em ní­vel ele­va­do, de 4,55%, de­pois de fi­car bem per­to de 3% du­ran­te boa par­te de ou­tu­bro. Es­se sal­to si­na­li­za o au­men­to do cus­to do dó­lar no mer­ca­do in­ter­no, re­sul­ta­do de uma menor ofer­ta de di­vi­sas por aqui.

Fa­to­res sa­zo­nais, co­mo re­mes­sas de lu­cros e di­vi­den­dos de em­pre­sas bra­si­lei­ras ao ex­te­ri­or, já re­sul­ta­ram nu­ma for­te saí­da de re­cur­sos do país em no­vem­bro. O flu­xo ne­ga­ti­vo, de acor­do com ges­to­res, não pa­re­ce ter che­ga­do ao fim. Pa­ra um pro­fis­si­o­nal, são em di­as ne­ga­ti­vos que es­sa es­cas­sez fi­ca mais evi­den­te. Na má­xi­ma de on­tem, o dó­lar ba­teu o mai­or ní­vel em dois me­ses, aos R$ 3,9429, qu­an­do su­bia qua­se 2%. De­pois, o mo­vi­men­to se aco­mo­dou com si­nais de um pro­ces­so mais ame­no de al­ta de juros nos EUA. A mo­e­da fe­chou em R$ 3,8745, em le­ve al­ta de 0,17%.

Di­an­te da fal­ta de li­qui­dez no sis­te­ma, a lei­tu­ra no mer­ca­do nes­te mo­men­to é a que o Banco Central ten­de­ria a atu­ar no­va­men­te com os cha­ma­dos lei­lões de li­nha. Nas úl­ti­mas se­ma­nas, o mer­ca­do ab­sor­veu US$ 5,25 bi­lhões nos lei­lões de li­nha, sen­do US$ 4 bi­lhões em re­cur­sos no­vos e US$ 1,25 bi­lhão de ro­la­gem de uma ope­ra­ção que já es­ta­va no es­to­que. “Ain­da es­ta­mos ven­do a his­tó­ria de ex­te­ri­or ruim jun­to com for­tes saí­das sa­zo­nais”, diz um ex­pe­ri­en­te ges­tor. “Não acho que o BC vai fa­zer uso de swap, mas deve con­ti­nu­ar ofer­tan­do li­nhas”.

O si­nal de alerta no mer­ca­do on­tem ocor­reu na es­tei­ra da pri­são de uma exe­cu­ti­va da em­pre­sa chi­ne­sa de tec­no­lo­gia Hu­awei, re­a­cen­den­do a tensão en­tre Es­ta­dos Uni­dos e Chi­na, que tem ar­ras­ta­do uma guer­ra co­mer­ci­al nos úl­ti­mos me­ses. Meng Wanzhou foi pre­sa no sá­ba­do, em Van­cou­ver, no Ca­na­dá, após um pedido de ex­tra­di­ção de au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas. A Hu­awei é acu­sa­da de vi­o­lar as san­ções con­tra o Irã, o que le­vou à de­man­da dos EUA.

O pa­no de fun­do do­més­ti­co tam­bém não con­tri­bui mui­to pa­ra ame­ni­zar a pres­são. Pa­ra al­guns pro­fis­si­o­nais, o pre­si­den­te elei­to Jair Bol­so­na­ro tem si­na­li­za­do que há di­fi­cul­da­des em avan­çar com a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia. O mer­ca­do ain­da mos­tra to­le­rân­cia com as de­cla­ra­ções — mui­tas vezes de­sen­con­tra­das — no nú­cleo do go­ver­no elei­to, mas as fa­las não agra­dam. Sen­do as­sim, os ati­vos lo­cais aca­bam fi­can­do um pou­co mais ex­pos­tos aos so­la­van­cos lá de fo­ra. “O re­al bra­si­lei­ro es­tá en­tre as mai­o­res bai­xas, in­clu­si­ve por­que do pon­to de vis­ta in­ter­no pre­va­le­cem in­cer­te­zas li­ga­das ao en­ca­mi­nha­men­to da agen­da fis­cal, mas o fa­to ge­ra­dor da de­pre­ci­a­ção é fun­da­men­tal­men­te ex­ter­no”, apon­ta o eco­no­mis­ta Silvio Cam­pos, da Ten­dên­ci­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.