Mui­ta in­for­ma­ção ou pou­ca so­bre as em­pre­sas?

Valor Econômico - - FINANÇAS - Pa­la­vra do ges­tor Fer­nan­do Lei­tão

Exis­te um mo­vi­men­to, pe­que­no ain­da, nos EUA, on­de al­guns di­ri­gen­tes de em­pre­sas aber­tas já en­tra­ram com su­ges­tão jun­to à SEC (Se­cu­ri­ti­es and Ex­chan­ge Com­mis­si­on), a CVM ame­ri­ca­na, pa­ra que as in­for­ma­ções pe­rió­di­cas apre­sen­ta­das pe­las em­pre­sas aber­tas com ações negociadas em bol­sas pos­sam ser di­vul­ga­das em períodos mais es­pa­ça­dos. Ho­je, lá, as­sim co­mo cá, as em­pre­sas di­vul­gam seus re­sul­ta­dos em períodos tri­mes­trais, por­tan­to, quatro vezes por ano. O pedido su­ge­re que se­jam apre­sen­ta­dos os ba­lan­ços se­mes­trais e anu­ais.

A ale­ga­ção des­ses di­ri­gen­tes é que o gran­de flu­xo de in­for­ma­ções num cur­to es­pa­ço de tem­po aca­ba in­du­zin­do o in­ves­ti­dor a pen­sar mais no cur­to pra­zo, ao in­vés do olhar de lon­go pra­zo, que é a es­sên­cia do investimento em ações. Es­ses di­ri­gen­tes, que já con­tam com o apoio do pre­si­den­te Do­nald Trump, que se ma­ni­fes­tou fa­vo­rá­vel ao flu­xo menor de in­for­ma­ções, di­zem que quan­to mais vo­lu­mo­so o flu­xo de in­for­ma­ções por par­te das em­pre­sas, mai­or é a ân­sia por no­tí­ci­as mais atu­a­li­za­das. E es­sa ân­sia aca­ba, con­se­quen­te­men­te, in­du­zin­do o in­ves­ti­dor a olhar pa­ra o dia a dia do no­ti­ciá­rio, com o ob­je­ti­vo de ob­ter res­pos­tas mais ime­di­a­tas so­bre in­ves­ti­men­tos.

Ou­tra ale­ga­ção des­ses di­ri­gen­tes diz res­pei­to às pro­je­ções de re­sul­ta­dos re­a­li­za­das pe­los inú­me­ros ana­lis­tas fi­nan­cei­ros dos bancos, que aca­bam por trans­fe­rir par­te da responsabilidade das pro­je­ções — prin­ci­pal­men­te se as ex­pec­ta­ti­vas não se con­fir­ma­rem — pa­ra as em­pre­sas. Se­gun­do es­ses exe­cu­ti­vos, o flu­xo se­mes­tral ao in­vés de tri­mes­tral ate­nu­a­ria a se­de por in­for­ma­ções fres­cas.

Re­cen­te­men­te, a Ap­ple de­ci­diu não in­for­mar mais o nu­me­ro de uni­da­des ven­di­das dos iPho­nes, iPads e com­pu­ta­do­res Mac. Su­as ações ti­ve­ram uma que­da his­tó­ri­ca no dia se­guin­te, ape­sar de a em­pre­sa ale­gar que aque­les da­dos eram ir­re­le­van­tes pa­ra a análise de lon­go pra­zo de sua per­for­man­ce. O di­re­tor fi­nan­cei­ro dis­se à épo­ca: “o nú­me­ro de uni­da­des ven­di­das em 90 di­as não é ne­ces­sa­ri­a­men­te re­pre­sen­ta­ti­vo da so­li­dez sub­ja­cen­te de nos­sa em­pre­sa”.

A op­ção das em­pre­sas por não di­vul­gar os re­sul­ta­dos tri­mes­trais já exis­te no Rei­no Uni­do des­de 2014, mas a gran­de mai­o­ria das com­pa­nhi­as con­ti­nua a for­ne­cer seus re­sul­ta­dos tri­mes­trais pa­ra to­da a co­mu­ni­da­de fi­nan­cei­ra.

Na ou­tra pon­ta, es­tão os gran­des con­su­mi­do­res des­ta en­xur­ra­da de in­for­ma­ções, que são os bancos co­mer­ci­ais e de investimento, com seus de­par­ta­men­tos de análise, que pro­du­zem, di­a­ri­a­men­te, re­la­tó­ri­os pa­ra to­do o mer­ca­do fi­nan­cei­ro e de in­ves­ti­do­res. Es­ses mes­mos bancos se­rão cer­ta­men­te o gran­de em­pe­ci­lho pa­ra a efe­ti­va­ção des­sa me­di­da, já que são eles, co­mo bancos cre­do­res, os mai­o­res in­te­res­sa­dos em olhar de per­to to­dos os nú­me­ros das em­pre­sas. Afi­nal de con­tas, elas de­vem bi­lhões a eles.

Se a re­gra for im­ple­men­ta­da, to­dos es­ses bancos fi­ca­rão ca­ren­tes de in­for­ma­ções mais re­cen­tes. Não po­de­mos ne­gar que no mer­ca­do fi­nan­cei­ro atu­al, seis me­ses é uma eter­ni­da­de, pois mui­ta coi­sa po­der mu­dar nes­se pra­zo, sem que os bancos cre­do­res se de­em con­ta a tem­po.

Sou de uma épo­ca que as in­for­ma­ções eram di­fí­ceis e es­cas­sas, tí­nha­mos que ir cor­ren­do até a Co­mis­são de Va­lo­res Mo­bi­liá­ri­os (CVM), no Rio de Ja­nei­ro, pa­ra ti­rar có­pi­as dos ba­lan­ços, recém-che­ga­dos, a par­tir de uma úni­ca ver­são original. E nes­sa mes­ma épo­ca, qu­an­do a internet ain­da não ti­nha che­ga­do, as pou­cas in­for­ma­ções das em­pre­sas abri­am es­pa­ços pa­ra es­pe­cu­la­ções e bo­a­tos. Pen­so que com um flu­xo menor de in­for­ma­ções, mai­or se­rão as con­jec­tu­ras e in­ven­ções. On­de não exis­te in­for­ma­ção rei­na a in­ven­ção de ver­da­des.

E se o ex­ces­so de in­for­ma­ções nos in­co­mo­da, basta não ler to­das. É me­lhor mui­ta in­for­ma­ção do que pou­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.