Mu­dan­ças no con­se­lho da Pe­tro­bras aten­dem pla­nos da área econô­mi­ca

Con­se­lhei­ros es­ta­ri­am so­fren­do pres­são da no­va di­re­ção pa­ra dei­xa­rem os car­gos

Valor Econômico - - EMPRESAS - An­dré Ra­ma­lho (Co­la­bo­rou Fer­nan­do Tor­res, de São Pau­lo)

Além das mu­dan­ças pro­mo­vi­das na di­re­to­ria-exe­cu­ti­va da Pe­tro­bras, o no­vo pre­si­den­te da es­ta­tal, Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co, quer al­te­rar a com­po­si­ção do con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, o que re­pre­sen­ta um de­sa­fio pa­ra o mo­de­lo de go­ver­nan­ça cri­a­do após in­ves­ti­ga­ções da Ope­ra­ção La­va-Ja­to. No dia 2 de ja­nei­ro, an­tes mes­mo da tro­ca de co­man­do na es­ta­tal, dois con­se­lhei­ros — o en­tão pre­si­den­te do co­le­gi­a­do, Luiz Nel­son Car­va­lho, e Fran­cis­co Pe­tros — re­nun­ci­a­ram aos car­gos, ain­da no meio dos seus man­da­tos

Cas­tel­lo Bran­co, se­gun­do apu­rou o Va­lor, es­ta­ria pres­si­o­nan­do pe­la saí­da de mais dois in­te­gran­tes do con­se­lho: Se­gen Es­te­fen e Dur­val So­le­da­de San­tos. Em­bo­ra in­di­ca­dos pe­la União, am­bos são con­si­de­ra­dos mem­bros in­de­pen­den­tes do con­tro­la­dor e têm man­da­to vi­gen­te até o fim de abril de 2020. Uma al­ter­na­ti­va ca­so os dois não re­nun­ci­em se­ria a con­vo­ca­ção de uma as­sem­bleia ge­ral ex­tra­or­di­ná­ria de aci­o­nis­tas pe­la União pa­ra des­ti­tuí-los. “Se o go­ver­no é li­be­ral, por­que não dei­xar o man­da­to ter­mi­nar e as­sim se­guir o mo­de­lo de go­ver­nan­ça?”, ques­ti­o­na uma fon­te.

A saí­da de Es­te­fen e So­le­da­de abri­ria ca­mi­nho pa­ra o go­ver­no Bol­so­na­ro in­di­car qua­tro va­gas no con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Pe­tro­bras — ao to­do, o co­le­gi­a­do da es­ta­tal po­de ter até onze mem­bros. Ca­be­rá ao no­vo con­se­lho opi­nar so­bre o pa­ga­men­to à es­ta­tal de re­cur­sos re­fe­ren­tes à cha­ma­da “ces­são one­ro­sa”. Is­so po­de­ria cri­ar um con­fli­to de in­te­res­ses.

Con­for­me o Va­lor in­for­mou na edi­ção de ter­ça-fei­ra, pro­je­ções en­tre­gues à equi­pe de tran­si­ção nas úl­ti­mas se­ma­nas de 2018 mos­tram que a União de­ve­rá pa­gar em tor­no de US$ 14 bi­lhões à Pe­tro­bras, o que po­de­ria com­pro­me­ter os pla­nos da equi­pe econô­mi­ca de ze­rar o dé­fi­cit pri­má­rio nes­te ano. Além do pa­ga­men­to da União, a Pe­tro­bras po­de­ria re­ce­ber cer­ca de US$ 10 bi­lhões adi­ci­o­nais das em­pre­sas ven­ce­do­ras do me­ga­lei­lão de ex­ce­den­tes da ces­são one­ro­sa.

Di­an­te do es­for­ço pa­ra ajus­tar as con­tas do go­ver­no, a equi­pe econô­mi­ca co­man­da­da por Pau­lo Gu­e­des bus­ca re­du­zir ao má­xi­mo o mon­tan­te a ser pa­go à es­ta­tal. A área econô­mi­ca ti­nha ou­tros ce­ná­ri­os, co­mo uma dí­vi­da com a Pe­tro­bras de pou­co mais de US$ 5 bi­lhões e ou­tro de US$ 2,7 bi­lhões.

Se­gun­do uma fon­te, a Pe­tro­bras es­tá na zo­na de in­fluên­cia de Gu­e­des. Cas­tel­lo Bran­co, no­vo pre­si­den­te da pe­tro­lei­ra, foi in­di­ca­do pe­lo mi­nis­tro da Eco­no­mia. Além de Gu­e­des, o mi­nis­tro das Mi­nas e Ener­gia, Ben­to Cos­ta Li­ma Lei­te, tam­bém apoi­a­ria os pla­nos de al­te­rar o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção. Du­ran­te o pe­río­do de tran­si­ção do go­ver­no, o no­vo mi­nis­tro de Mi­nas e Ener­gia des­pa­cha­va na es­ta­tal.

To­do es­se pro­ces­so se­rá um tes­te pa­ra as es­tru­tu­ras de go­ver­nan­ça cri­a­das du­ran­te a ges­tão de Nel­son Car­va­lho à fren­te do con­se­lho da es­ta­tal. En­tre elas es­tão, por exem­plo, um co­mi­tê es­ta­tu­tá­rio de re­mu­ne­ra­ção, in­di­ca­ção e su­ces­são, que fa­rá um exa­me pré­vio, an­tes do con­se­lho, dos no­mes in­di­ca­dos por Cas­tel­lo Bran­co pa­ra a di­re­to­ria. Es­se mes­mo co­mi­tê, for­ma­do por Ana Lúcia Zam­bel­li, Se­gen Es­te­fen e Ta­les Bron­za­to (Pe­tros tam­bém era mem­bro), tem en­tre su­as fun­ções a de pro­por no­mes de con­se­lhei­ros pa­ra va­gas tem­po­rá­ri­as que sur­jam no in­ter­va­lo en­tre as as­sem­blei­as, co­mo ocor­re nes­te mo­men­to.

Já um ou­tro co­mi­tê, tam­bém es­ta­tu­tá­rio, mas de mi­no­ri­tá­ri­os, tem o pa­pel de ava­li­ar tran­sa­ções en­tre a Pe­tro­bras e o go­ver­no, seu con­tro­la­dor, en­tre as quais a prin­ci­pal é a re­vi­são do mul­ti­bi­li­o­ná­rio con­tra­to de ces­são one­ro­sa. Mar­ce­lo Mes­qui­ta, da Le­blon Equi­ti­es, pre­si­de o ór­gão, que é in­te­gra­do ain­da por So­nia Vil­la­lo­bos. Fran­cis­co Pe­tros era o ter­cei­ro mem­bro do co­mi­tê, mas o pos­to ago­ra es­tá va­go.

Em­bo­ra os co­mi­tês de as­ses­so­ra­men­to te­nham po­der de opi­nar, é o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, com­ple­to, que da­rá a pa­la­vra fi­nal tan­to pa­ra a for­ma­ção da di­re­to­ria co­mo pa­ra a re­vi­são da ces­são one­ro­sa.

Pro­cu­ra­dos, os con­se­lhei­ros e a Pe­tro­bras não de­ram re­tor­no.

LEO PI­NHEI­RO/VA­LOR

Dois con­se­lhei­ros da Pe­tro­bras já re­nun­ci­a­ram aos car­gos e ou­tros dois es­ta­ri­am sen­do pres­si­o­na­dos a fa­zer o mes­mo

DI­VUL­GA­ÇÃO

Ou­tra mu­dan­ça acon­te­ce na ge­rên­cia de RH, que se­rá as­su­mi­da por Car­los Cos­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.