IPO da BB Se­gu­ri­da­de afe­tou ren­ta­bi­li­da­de do Ban­co do Bra­sil

No­vo co­man­do da ins­ti­tui­ção, que fa­la em ven­der ati­vos, de­ve con­si­de­rar ques­tão

Valor Econômico - - FINANÇAS - Ta­li­ta Mo­rei­ra (Colaboraram Flá­via Fur­lan e Fer­nan­do Tor­res)

Quan­do o Ban­co do Bra­sil (BB) abriu o ca­pi­tal da BB Se­gu­ri­da­de, ha­via a cren­ça no mercado de que a ope­ra­ção aju­da­ria a des­tra­var um va­lor que es­ta­va ocul­to na ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra. A te­se vi­gen­te en­tre exe­cu­ti­vos da ca­sa e ban­quei­ros de in­ves­ti­men­to era que a so­ma das par­tes era mai­or que o to­do. A ope­ra­ção, re­a­li­za­da em 2013, é até ho­je ci­ta­da co­mo um dos IPOs de mai­or su­ces­so da bol­sa bra­si­lei­ra. A ofer­ta de ações mo­vi­men­tou R$ 11,5 bi­lhões e foi de­ci­si­va pa­ra ate­nu­ar os pro­ble­mas de ca­pi­tal que o BB en­fren­ta­ria nos anos se­guin­tes. No en­tan­to, pe­na­li­zou a ren­ta­bi­li­da­de do ban­co.

Le­van­ta­men­to fei­to pe­lo Va­lor in­di­ca que o re­tor­no so­bre o pa­trimô­nio lí­qui­do (ROAE, na si­gla em in­glês) do BB nos no­ve pri­mei­ros me­ses de 2018 te­ria si­do de 14,6%, e não de 13,4%, se fos­se con­ta­bi­li­za­da den­tro de ca­sa a to­ta­li­da­de do re­sul­ta­do da BB Se­gu­ri­da­de, com­pa­nhia que reú­ne os ati­vos da área de se­gu­ros, ca­pi­ta­li­za­ção e pre­vi­dên­cia do ban­co ex­plo­ra­dos em par­ce­ria com só­ci­os pri­va­dos. O re­tor­no da em­pre­sa foi de 39,4%.

Es­sa é uma ques­tão com a qual a no­va di­re­to­ria do ban­co, en­ca­be­ça­da por Rubem Novaes, irá se de­pa­rar ao dis­cu­tir quais ati­vos po­dem ser ven­di­dos ou le­va­dos a mercado. O exe­cu­ti­vo já dis­se que não vai se des­fa­zer das “joi­as da coroa” — co­mo mei­os de pa­ga­men­tos, cré­di­to a fa­mí­li­as e pe­que­nas em­pre­sas e ad­mi­nis­tra­ção de fun­dos —, mas in­di­cou que po­de fa­zer par­ce­ri­as. Uma das pos­si­bi­li­da­des na me­sa é a aber­tu­ra do ca­pi­tal da ges­to­ra de re­cur­sos BB DTVM.

No ca­so da BB Se­gu­ri­da­de, o dinheiro em­bol­sa­do com a ven­da de ações aju­dou o Ban­co do Bra­sil a me­lho­rar seus ín­di­ces de ca­pi­tal, pre­ju­di­ca­dos pe­la po­lí­ti­ca de ju­ros ar­ti­fi­ci­al­men­te baixos pra­ti­ca­da nos go­ver­nos Lu­la e Dil­ma. Ca­pi­tal não é um pro­ble­ma pa­ra o BB ho­je, mas o ba­lan­ço da ins­ti­tui­ção ain­da tem R$ 8,1 bi­lhões em ins­tru­men­tos hí­bri­dos. Ca­so es­ses re­cur­sos te­nham de ser de­vol­vi­dos pa­ra o Te­sou­ro, ven­der ati­vos se­rá ne­ces­sá­rio pa­ra pre­en­cher es­se es­pa­ço.

Fa­zer IPO ou atrair só­ci­os pri­va­dos po­de aju­dar a me­lho­rar o re­sul­ta­do de de­ter­mi­na­das áre­as de ne­gó­ci­os e vai em li­nha com a pro­pos­ta do go­ver­no de re­du­zir o ta­ma­nho do Es­ta­do, diz Eduardo Cin­tra, ana­lis­ta da Pa­cí­fi­co Ges­tão de Re­cur­sos. “Mas po­de bo­tar pa­ra fo­ra do ban­co uma fon­te im­por­tan­te de re­tor­no”, pon­de­ra.

Re­a­li­za­da no go­ver­no Dil­ma, a ven­da de par­te da BB Se­gu­ri­da­de foi la­men­ta­da, em mais de uma oca­sião, por Pau­lo Caf­fa­rel­li, que pre­si­diu o ban­co de maio de 2016 até o fim do ano pas­sa­do. “A gen­te sen­te fal­ta da re­cei­ta re­cor­ren­te da BB Se­gu­ri­da­de. O Bra­des­co, por exem­plo, tem 100% da sua ope­ra­ção de se­gu­ri­da­de”, dis­se o exe­cu­ti­vo à im­pren­sa nu­ma das ve­zes.

Na ges­tão de Caf­fa­rel­li, o fo­co vol­tou-se pa­ra a ven­da de ati­vos não es­tra­té­gi­cos — que aca­bou não acon­te­cen­do — e pa­ra mu­dan­ça nos mo­de­los de cré­di­to. Com o ob­je­ti­vo de me­lho­rar a ren­ta­bi­li­da­de do ban­co, as me­di­das ti­ve­ram co­mo pon­to cen­tral ele­var as ta­xas co­bra­das nas ope­ra­ções de cré­di­to pa­ra pa­ta­ma­res com­pa­tí­veis com a mé­dia do mercado. Em­bo­ra te­nha me­lho­ra­do nos úl­ti­mos dois anos, o BB ain­da tra­ba­lha com re­tor­no mui­to aquém da fai­xa de 19% a 22% os­ten­ta­da por Bra­des­co, San­tan­der e Itaú. Em seu dis­cur­so de pos­se, Novaes dis­se que o ob­je­ti­vo é “su­pe­rar” a ren­ta­bi­li­da­de os­ten­ta­da pe­los pa­res pri­va­dos.

Com um mo­de­lo ver­ti­ca­li­za­do no país, os gran­des ban­cos concentram den­tro de ca­sa su­as ope­ra­ções de se­gu­ros, car­tões e ges­tão de re­cur­sos. Es­sas ati­vi­da­des, em ge­ral, são mais ren­tá­veis que o cré­di­to, além de ate­nu­a­rem o im­pac­to de fre­a­das brus­cas na eco­no­mia. O Itaú, por exem­plo, re­por­tou que as ope­ra­ções de cré­di­to ge­ra­ram re­tor­no de 15% de ja­nei­ro a se­tem­bro do ano pas­sa­do, en­quan­to a ren­ta­bi­li­da­de dos ne­gó­ci­os de se­gu­ri­da­de e ser­vi­ços foi de 37%.

“O BB ho­je é o ban­co mais de­pen­den­te de re­sul­ta­do de cré­di­to”, afir­ma Car­los Dal­to­zo, che­fe de aná­li­se de ren­da va­riá­vel da Ele­ven Fi­nan­ci­al Re­se­ar­ch.

Pa­ra um ex-exe­cu­ti­vo do BB, a ofer­ta da BB Se­gu­ri­da­de cum­priu seu pa­pel ao mos­trar que ha­via va­lor ocul­to den­tro do ban­co, cu­jas ações eram ne­go­ci­a­das — e ain­da são — com des­con­to em re­la­ção às dos pa­res pri­va­dos. A pre­mis­sa, se­gun­do es­sa fon­te, era que a aber­tu­ra de ca­pi­tal da­ria à BB Se­gu­ri­da­de mai­or fle­xi­bi­li­da­de e que o cres­ci­men­to de­cor­ren­te mais que com­pen­sa­ria a renúncia de re­cei­tas do ban­co. Po­rém, is­so ain­da não acon­te­ceu. Em­bo­ra te­nha re­sul­ta­dos cres­cen­tes, a com­pa­nhia ain­da não ge­ra pa­ra o con­tro­la­dor um re­tor­no su­pe­ri­or ao que ele te­ria se fos­se o úni­co do­no.

Is­so não quer di­zer que te­nha si­do mau ne­gó­cio. “O cres­ci­men­to ace­le­ra­do da BB Se­gu­ri­da­de nos pri­mei­ros anos mui­to pro­va­vel­men­te não te­ria acon­te­ci­do se ela fos­se de­par­ta­men­to do BB”, diz Dal­to­zo.

A par­ti­ci­pa­ção de mercado da BB Se­gu­ri­da­de, que era de 23,8% em 2013, che­gou a 28,6% em 2016, re­cu­an­do pa­ra 22,3% no úl­ti­mo ter­cei­ro tri­mes­tre. De acor­do com o ana­lis­ta, a em­pre­sa te­ve di­fi­cul­da­des ao ex­plo­rar a ba­se da pi­râ­mi­de.

Pa­ra o ex-mi­nis­tro da Fa­zen­da Maíl­son da Nóbrega, que es­cre­veu no fim do ano pas­sa­do so­bre a ven­da de ati­vos do BB, es­se é um te­ma que de­ve ser vis­to com mui­ta cau­te­la. “Não é tão sim­ples [ven­der par­tes do ban­co]. Não se tra­ta de de­fen­der o BB, mas é pre­ci­so ter ló­gi­ca.”

Pro­cu­ra­do pe­lo Va­lor, o BB não se ma­ni­fes­tou até o fe­cha­men­to des­ta edi­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.