Re­to­ma­da len­ta e oci­o­si­da­de li­mi­tam per­cep­ção do ajus­te fis­cal, diz es­tu­do

Valor Econômico - - BRASIL - Es­te­vão Tai­ar

A len­ta re­cu­pe­ra­ção e a am­pla oci­o­si­da­de da eco­no­mia li­mi­tam a per­cep­ção do ajus­te fis­cal co­lo­ca­do em prá­ti­ca des­de 2016. É o que apon­ta o re­sul­ta­do pri­má­rio es­tru­tu­ral, que pro­cu­ra mos­trar a si­tu­a­ção das con­tas pú­bli­cas quan­do são des­con­ta­dos o ci­clo econô­mi­co e as des­pe­sas e re­cei­tas ex­tra­or­di­ná­ri­as. Em 2018, o in­di­ca­dor de­ve ter me­lho­ra­do pe­lo se­gun­do ano se­gui­do, o que não acon­te­cia des­de o bi­ê­nio 2000-2001. Ain­da as­sim, a ten­dên­cia é que ele com­ple­te o quin­to ano con­se­cu­ti­vo com dé­fi­cit.

“O re­sul­ta­do es­tru­tu­ral é uma ma­nei­ra de mo­ni­to­rar me­lhor a evo­lu­ção das con­tas pú­bli­cas”, diz Bráu­lio Bor­ges, pes­qui­sa­do­ras­so­ci­a­do do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Eco­no­mia da Fun­da­ção Ge­tu­lio Var­gas (Ibre/FGV) e eco­no­mis­ta-sê­ni­or da LCA Consultores. “O re­sul­ta­do re­cor­ren­te po­de apre­sen­tar evo­lu­ção de um ano pa­ra o ou­tro por sor­te. Um ci­clo in­ter­na­ci­o­nal fa­vo­rá­vel le­va­ria, por exem­plo, a um cres­ci­men­to mais for­te da eco­no­mia bra­si­lei­ra, me­lho­ran­do a ar­re­ca­da­ção e o re­sul­ta­do re­cor­ren­te sem ne­nhum es­for­ço do go­ver­no.”

Nos cál­cu­los de Bor­ges, o dé­fi­cit es­tru­tu­ral fi­cou em 0,3% do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) no acu­mu­la­do de 12 me­ses até se­tem­bro do ano pas­sa­do. “Di­fi­cil­men­te o nú­me­ro do fim de 2018 se­rá mui­to di­fe­ren­te”, diz. A úl­ti­ma vez em que o in­di­ca­dor esteve em ní­vel se­me­lhan­te foi em 2015, ano em que ter­mi­nou em 0,2% do PIB, nas es­ti­ma­ti­vas de­le.

Lo­go em 2016, hou­ve a apro­va­ção do te­to de gas­tos, que, ape­sar de ser um dos prin­ci­pais fa­to­res res­pon­sá­veis pe­la evo­lu­ção re­cen­te do re­sul­ta­do es­tru­tu­ral, cau­sou uma pi­o­ra das con­tas pú­bli­cas na­que­le ano es­pe­cí­fi­co. “O go­ver­no ‘in­flou’ os gas­tos de 2016 pa­ra que o te­to não fos­se tão di­fí­cil cum­prir nos anos se­guin­tes”, diz Bor­ges.

Des­de en­tão, os nú­me­ros fis­cais vêm me­lho­ran­do. O dé­fi­cit es­tru­tu­ral, por exem­plo, pas­sou de 1,3% do PIB em 2016 pa­ra 0,7% em 2017 até atin­gir os 0,3% de se­tem­bro do ano pas­sa­do. Em­bo­ra con­si­de­re pou­co fac­tí­vel que o te­to se­ja cum­pri­do nos pró­xi­mos anos em seu for­ma­to atu­al, Bor­ges cal­cu­la que o me­ca­nis­mo se­ria su­fi­ci­en­te pa­ra le­var o re­sul­ta­do es­tru­tu­ral do atu­al 0,3% de dé­fi­cit pa­ra um su­pe­rá­vit de 3,5% do PIB em 2026. Um re­sul­ta­do po­si­ti­vo en­tre 1,5% e 2% do PIB já bas­ta­ria pa­ra es­ta­bi­li­zar o cres­ci­men­to da dí­vi­da, de acor­do com ele. “O te­to é mais do que su­fi­ci­en­te pa­ra res­tau­rar a nos­sa sol­vên­cia”, afir­ma.

Ain­da do la­do das des­pe­sas, Bor­ges des­ta­ca o cor­te de gas­tos dis­cri­ci­o­ná­ri­os e o pen­te-fi­no fei­to em pro­gra­mas so­ci­ais co­mo res­pon­sá­veis por es­se avan­ço. Mas tam­bém hou­ve ajus­te de re­cei­tas, co­mo a al­ta do PIS/Cofins so­bre a ga­so­li­na e de im­pos­tos es­ta­du­ais — por se­rem fru­tos de ele­va­ções per­ma­nen­tes, es­ses va­lo­res en­tram na con­ta do re­sul­ta­do es­tru­tu­ral.

Já a “re­to­ma­da ati­pi­ca­men­te len­ta” da ati­vi­da­de pou­co tem con­tri­buí­do pa­ra ocu­par a oci­o­si­da­de da eco­no­mia dei­xa­da pe­la re­ces­são, o que afe­ta ne­ga­ti­va­men­te o re­sul­ta­do pri­má­rio re­cor­ren­te, ain­da que ele tam­bém te­nha me­lho­ra­do nos úl­ti­mos dois anos. O in­di­ca­dor, que ex­clui re­cei­tas e des­pe­sas ex­tra­or­di­ná­ri­as, mas não o ci­clo econô­mi­co, pas­sou de 2,5% do PIB no fim de 2016 pa­ra 1,3% em se­tem­bro do ano pas­sa­do. Bor­ges cal­cu­la que a ati­vi­da­de es­tá ro­dan­do cer­ca de 6 pon­tos per­cen­tu­ais (p.p.) abai­xo do seu po­ten­ci­al, o que sub­trai 2 p.p. em ar­re­ca­da­ção do re­sul­ta­do re­cor­ren­te de 2,3% do PIB no acu­mu­la­do até se­tem­bro. Ou se­ja: se a ati­vi­da­de es­ti­ves­se fun­ci­o­nan­do em seu ple­no po­ten­ci­al, o dé­fi­cit re­cor­ren­te es­ta­ria em 0,3% do PIB — jus­ta­men­te a pre­vi­são pa­ra o re­sul­ta­do es­tru­tu­ral.

As­sim, o re­tor­no da eco­no­mia ao seu po­ten­ci­al já se­ria res­pon­sá­vel por apro­xi­ma­da­men­te me­ta­de do ajus­te ne­ces­sá­rio, de 4 p.p. a 5 p.p. do PIB, pa­ra in­ter­rom­per o ci­clo de al­ta da dí­vi­da pú­bli­ca. “Não dá pa­ra ig­no­rar es­sa par­te con­jun­tu­ral da con­so­li­da­ção fis­cal”, diz, afir­man­do que du­as ma­nei­ras de “ace­le­rar” o ajus­te se­ri­am jus­ta­men­te um cres­ci­men­to mais rá­pi­do da eco­no­mia ou o au­men­to da car­ga tri­bu­tá­ria. “No cur­to pra­zo, é o que dá pa­ra fa­zer. Re­for­mas es­tru­tu­rais têm ma­tu­ra­ção de mé­dio e lon­go pra­zo. O gros­so da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia, por exem­plo, apa­re­ce de cin­co anos em di­an­te”, diz.

Di­re­tor da Ins­ti­tui­ção Fis­cal In­de­pen­den­te (IFI), Ro­dri­go Orair con­cor­da que es­tá ha­ven­do um ajus­te es­tru­tu­ral des­de 2016, mas afir­ma que es­se mo­vi­men­to é “mui­to gra­du­al”. “A res­tri­ção fis­cal tem si­do im­pos­ta pe­la me­ta de re­sul­ta­do pri­má­rio”, diz, re­for­çan­do a te­se de que ha­via “uma gor­du­ra pa­ra quei­mar” nos úl­ti­mos anos an­tes de os gas­tos al­can­ça­rem o te­to. Pa­ra ele, o me­ca­nis­mo in­ver­teu a or­dem dos ajus­tes fis­cais nor­mal­men­te im­plan­ta­dos no Bra­sil, “ra­di­cais no cur­to pra­zo e frou­xos no mé­dio pra­zo”. A es­ti­ma­ti­va da IFI é que a mar­gem de cor­te de des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as pa­ra o cum­pri­men­to do te­to aca­be no ano que vem. “A par­tir de ago­ra, ele pas­sa a ser um me­ca­nis­mo for­te de res­tri­ção fis­cal”, diz.

A equi­pe econô­mi­ca do Itaú Unibanco cal­cu­la que, mes­mo com a apro­va­ção da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e sem re­a­jus­te re­al do sa­lá­rio mí­ni­mo (cu­ja re­gra de cál­cu­lo aca­bou nes­te ano), se­rá ne­ces­sá­rio um cor­te de R$ 20 bi­lhões em des­pe­sas pa­ra que o te­to se­ja cum­pri­do em 2019.

“Es­se mon­tan­te di­fi­cil­men­te se­rá atin­gi­do so­men­te por no­vos cor­tes de gas­tos dis­cri­ci­o­ná­ri­os, que já es­tão em pa­ta­ma­res his­to­ri­ca­men­te com­pri­mi­dos”, diz a ins­ti­tui­ção fi­nan­cei­ra em re­la­tó­rio.

A fim de que o te­to se­ja man­ti­do, o ban­co su­ge­re me­di­das co­mo re­for­ma do se­gu­ro-de­sem­pre­go e do abo­no sa­la­ri­al, a ma­nu­ten­ção em ter­mos no­mi­nais dos sa­lá­ri­os do fun­ci­o­na­lis­mo, a re­o­ne­ra­ção da fo­lha de pa­ga­men­tos de di­ver­sos se­to­res e um cor­te de R$ 10 bi­lhões de des­pe­sas dis­cri­ci­o­ná­ri­as, que vol­ta­ri­am ao pa­ta­mar de 2009.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.