Pre­vi­dên­cia puxa o PIB e po­ten­ci­a­li­za ju­ro bai­xo

Valor Econômico - - BRASIL - An­ge­la Bit­ten­court

Há dois anos a in­fla­ção es­tá abai­xo da me­ta no Bra­sil, e is­so sig­ni­fi­ca uma boa e uma má no­tí­cia. A boa no­tí­cia é que a ta­xa bá­si­ca da eco­no­mia bra­si­lei­ra, Se­lic, po­de­rá fi­car es­ta­ci­o­na­da por mui­to mais tem­po. A má no­tí­cia é que, mes­mo com a Se­lic inal­te­ra­da há dez me­ses em 6,50%, a re­a­ção da ati­vi­da­de é len­ta.

Um avan­ço con­sis­ten­te das re­for­mas es­tru­tu­ran­tes — a co­me­çar pe­la Pre­vi­dên­cia — se­rá uma ala­van­ca pa­ra os in­ves­ti­men­tos e ta­xas mais con­sis­ten­tes de cres­ci­men­to, já fa­vo­re­ci­do pe­la ta­xa de ju­ro em sua mí­ni­ma his­tó­ri­ca. Em con­tra­pon­to, re­for­mas frus­tra­das ou aquém do es­pe­ra­do con­tra­tam ao me­nos du­as con­sequên­ci­as ne­ga­ti­vas: a ma­nu­ten­ção de in­ves­ti­men­tos em ba­nho-ma­ria e mai­or pres­são no câm­bio por­que in­ves­tir no Bra­sil se­rá mais arriscado. Dó­lar mais al­to ge­ra in­fla­ção e con­vi­da o Ban­co Cen­tral (BC) a au­men­tar o ju­ro, o que não acon­te­ce des­de ju­lho de 2015.

O dó­lar ron­da R$ 3,70 e es­sa ta­xa não re­fle­te um des­fe­cho po­si­ti­vo do ajus­te fis­cal. E tam­pou­co even­tu­al fi­as­co do dis­cur­so re­for­mis­ta do go­ver­no Bol­so­na­ro. Con­fir­ma­da a re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria, o dó­lar ten­de a re­cu­ar a R$ 3,50 ou me­nos. Um dis­cur­so ofi­ci­al frus­tra­do po­de­rá, sim, pu­xar o dó­lar a R$ 3,90 ou a R$ 4,00. E, nes­se ce­ná­rio, o câm­bio con­ta­mi­na a in­fla­ção e abre ca­mi­nho pa­ra o au­men­to do ju­ro — um ti­ro cur­to, mas fatal con­tra um cres­ci­men­to ar­ras­ta­do.

“A eco­no­mia bra­si­lei­ra man­tém um cír­cu­lo vir­tu­o­so des­de 2017, e o com­bus­tí­vel des­te ci­clo é o ju­ro bai­xo, ho­je o úni­co es­tí­mu­lo que o Bra­sil tem pa­ra cres­cer. Se es­se es­tí­mu­lo for re­ti­ra­do ha­ve­rá um gran­de pre­juí­zo pa­ra a re­cu­pe­ra­ção da ati­vi­da­de. Não acre­di­ta­mos que is­so acon­te­ce­rá. Es­pe­ra­mos a ma­nu­ten­ção da Se­lic em 6,50% em 2019 in­tei­ro e acre­di­ta­mos que o mer­ca­do es­tá mi­gran­do pa­ra es­se ce­ná­rio. Ajus­te do ju­ro? Só em 2020”, afir­ma Le­o­nar­do Por­to, eco­no­mis­ta che­fe do Ci­ti no Bra­sil.

Em en­tre­vis­ta à co­lu­na, Por­to lem­bra que, em se­tem­bro e ou­tu­bro do ano pas­sa­do, pe­río­do de mai­or desvalorização cam­bi­al, o Co­mi­tê de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria (Co­pom) si­na­li­zou au­men­to da ta­xa Se­lic, a des­pei­to da ele­va­da oci­o­si­da­de da eco­no­mia. A si­na­li­za­ção do Co­mi­tê não se con­fir­mou, a Se­lic fi­cou inal­te­ra­da. Con­tu­do, fi­cou pa­ten­te a pre­o­cu­pa­ção que o câm­bio des­per­ta. O eco­no­mis­ta lem­bra que o dó­lar é uma va­riá­vel cu­ja evo­lu­ção não de­pen­de ape­nas das con­di­ções do­més­ti­cas. “O dó­lar so­fre in­fluên­cia ex­ter­na e [seu com­por­ta­men­to] não de­pen­de de ações iso­la­das da mai­o­ria dos ban­cos cen­trais.”

Ho­je, mais que em qual­quer epi­só­dio re­cen­te, as re­la­ções econô­mi­cas e po­lí­ti­cas dos EUA, so­bre­tu­do com a Chi­na, têm im­pac­to cris­ta­li­no na for­ma­ção glo­bal da ta­xa de câm­bio a que to­dos os paí­ses es­tão ex­pos­tos. Ape­sar des­sa in­con­tro­lá­vel in­fluên­cia ex­ter­na, diz o eco­no­mis­ta, no Bra­sil há ho­je um an­tí­do­to dis­po­ní­vel pa­ra li­mi­tar o con­tá­gio negativo do dó­lar: a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia.

“A Pre­vi­dên­cia é o gas­to mais ele­va­do das con­tas pú­bli­cas bra­si­lei­ras que es­tão em uma tra­je­tó­ria in­sus­ten­tá­vel. Es­tá cla­ro que o go­ver­no Bol­so­na­ro vai en­de­re­çar o pro­ble­ma fis­cal ao Con­gres­so. Mas o Con­gres­so rejeita, há pe­lo me­nos uma dé­ca­da, pro­pos­tas de ajus­te fis­cal. So­me-se a is­so o or­ça­men­to en­ges­sa­do da União e não é di­fí­cil com­pre­en­der por que, sem a re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria, uma me­lho­ria nas con­tas pú­bli­cas não acon­te­ce”, diz o eco­no­mis­ta.

Até pe­la re­sis­tên­cia par­la­men­tar, acres­cen­ta Le­o­nar­do Por­to, a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia po­de ser con­di­ção ne­ces­sá­ria, mas tal­vez in­su­fi­ci­en­te pa­ra a con­so­li­da­ção fis­cal ca­paz de im­pul­si­o­nar um ci­clo de cres­ci­men­to econô­mi­co. O Ci­ti pro­je­ta ex­pan­são do PIB de 3% a 3,5% nos pró­xi­mos anos em um con­tex­to de ajus­te fis­cal a ser pau­ta­do pe­la re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria.

Ele ava­lia que res­pos­tas a três ques­tões aju­dam a mo­ni­to­rar o an­da­men­to des­sa re­for­ma: “Há dis­po­si­ção, de fa­to, de o go­ver­no Bol­so­na­ro re­a­li­zar a re­for­ma? O pre­si­den­te e o mi­nis­tro Pau­lo Gu­e­des te­rão ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca pa­ra ne­go­ci­ar a re­for­ma com o Con­gres­so? Em que pon­to de sua lis­ta de pri­o­ri­da­des, o Con­gres­so co­lo­ca­rá a re­for­ma da Pre­vi­dên­cia?”

O eco­no­mis­ta es­tá con­ven­ci­do de que, se de iní­cio ha­via dú­vi­da no mer­ca­do fi­nan­cei­ro quan­to a pos­si­bi­li­da­de de Jair Bol­so­na­ro, en­tão can­di­da­to à Pre­si­dên­cia, re­jei­tar as idei­as de Pau­lo Gu­e­des, des­de a elei­ção es­sa dú­vi­da não pro­ce­de. Quan­to à ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca do pre­si­den­te e do mi­nis­tro ne­go­ci­a­rem com o Con­gres­so as con­di­ções da re­for­ma, Por­to acre­di­ta que a res­pos­ta es­ta­rá cla­ra em pou­co tem­po.

Pa­ra ele, tam­bém em se­ma­nas, fi­ca­rá evi­den­te se os no­vos pre­si­den­tes da Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos e do Se­na­do são afi­na­dos ou não com o go­ver­no Bol­so­na­ro. As me­sas di­re­to­ras das du­as ca­sas se­rão de­fi­ni­das em 2 de fe­ve­rei­ro.

Pa­ra o eco­no­mis­ta do Ci­ti, mais im­por­tan­te que o no­me do de­pu­ta­do e do se­na­dor que co­man­da­rão Câ­ma­ra e Se­na­do se­rá o apoio que eles te­rão do pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca. “Es­pe­ci­al­men­te, o can­di­da­to ao co­man­do da Câ­ma­ra me­re­ce aten­ção por­que é lá que a pro­pos­ta da re­for­ma pre­vi­den­ciá­ria ca­mi­nha pri­mei­ro”, aler­ta o eco­no­mis­ta que vê o en­ca­mi­nha­men­to ao Con­gres­so e a apre­sen­ta­ção de­ta­lha­da do pro­je­to do go­ver­no ca­paz de “fa­zer pre­ço” de ati­vos no mer­ca­do fi­nan­cei­ro.

“Nes­te mo­men­to, a ha­bi­li­da­de po­lí­ti­ca do go­ver­no es­ta­rá sen­do tes­ta­da. E os prin­ci­pais pon­tos a acom­pa­nhar são ida­de mí­ni­ma pro­pos­ta pa­ra aposentadoria, exis­tên­cia ou não de au­men­to de alí­quo­ta de con­tri­bui­ção pre­vi­den­ciá­ria; in­clu­são ou não de mi­li­ta­res na pro­pos­ta; e a re­gra de tran­si­ção”, pon­de­ra Le­o­nar­do Por­to, pa­ra quem é pre­ci­so tam­bém con­si­de­rar quem se­rá o ne­go­ci­a­dor do go­ver­no jun­to ao Con­gres­so. Se­rá o mi­nis­tro Onyx Lo­ren­zo­ni ou não? Quem se­rá o lí­der do go­ver­no na Câ­ma­ra e quem se­rá o lí­der do go­ver­no no Se­na­do?”

O eco­no­mis­ta che­fe do Ci­ti cha­ma aten­ção pa­ra um ba­lan­ço de me­di­das já im­ple­men­ta­das e ou­tras su­ge­ri­das pe­lo Te­sou­ro no Pa­no­ra­ma Fis­cal de en­cer­ra­men­to de 2018 por con­si­de­rá-las de “efei­to ime­di­a­to”. E des­ta­cou du­as: cor­re­ção do sa­lá­rio mí­ni­mo ape­nas pe­la in­fla­ção e res­tri­ção ao abo­no sa­la­ri­al.

Fo­co no co­man­do da Câ­ma­ra e Se­na­do e lí­de­res do go­ver­no

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.