Par­ti­dos ini­ci­am guer­ra por so­bre­vi­vên­cia pós 2018

Com re­gras rí­gi­das, de­ba­te so­bre fe­de­ra­ções vol­ta à pau­ta

Valor Econômico - - POLÍTICA - Ma­lu Del­ga­do

A par­tir de fe­ve­rei­ro três par­ti­dos dei­xam de exis­tir no sis­te­ma po­lí­ti­co, for­ça­dos a bus­car al­ter­na­ti­vas de so­bre­vi­vên­cia pe­la cláu­su­la de de­sem­pe­nho im­pos­ta na re­for­ma elei­to­ral de 2017 e que afe­tou pe­lo me­nos no­ve le­gen­das após o plei­to de 2018. O Tri­bu­nal Su­pe­ri­or Elei­to­ral (TSE) de­ve pu­bli­car nes­ta se­ma­na por­ta­ria es­cla­re­cen­do quem te­rá di­rei­to aos re­cur­sos do fun­do par­ti­dá­rio, de­ta­lhan­do tam­bém o mar­co le­gal pa­ra fu­sões e in­cor­po­ra­ções.

Além da “cláu­su­la de barreira”, que pas­sou a vi­go­rar na elei­ção de 2018 e de­ter­mi­nou li­mi­tes de vo­ta­ção pa­ra que os par­ti­dos te­nham di­rei­to a re­ce­ber di­nhei­ro pú­bli­co, o ri­gor au­men­ta­rá no plei­to de 2020, quan­do as co­li­ga­ções pro­por­ci­o­nais es­ta­rão ve­ta­das.

To­das as re­gras no­vas fo­ram apro­va­das pe­lo Con­gres­so em 2017 com o ob­je­ti­vo de re­du­zir o nú­me­ro de le­gen­das no país — há 35 si­glas re­gis­tra­das ofi­ci­al­men­te no TSE e ou­tros 75 par­ti­dos “em for­ma­ção”. Com o ce­ná­rio na­da ani­ma­dor, par­ti­dos pe­que­nos e le­gen­das mé­di­as vol­tam a se ar­ti­cu­lar pa­ra apro­var no­va re­for­ma elei­to­ral nes­te ano que per­mi­ta a união das le­gen­das em fe­de­ra­ções. Es­sa pos­si­bi­li­da­de es­ta­va pre­vis­ta na emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal, cha­ma­da de mi­nir­re­for­ma elei­to­ral, de 2017. A Câ­ma­ra, po­rém, re­ti­rou as fe­de­ra­ções do tex­to.

“No Bra­sil, em to­do ano ím­par, ou se­ja, de­pois de elei­ção na­ci­o­nal ou lo­cal, se re­a­li­za uma mi­nir­re­for­ma elei­to­ral”, ates­ta o lí­der do PC do B na Câ­ma­ra, de­pu­ta­do Or­lan­do Sil­va, que pre­si­de a le­gen­da em São Pau­lo. Se­gun­do Sil­va, mui­tos par­ti­dos vol­ta­rão a se in­te­res­sar pe­lo de­ba­te so­bre fe­de­ra­ções, já que em 2020 não ha­ve­rá co­li­ga­ções. “E is­so ser­vi­rá ao en­xu­ga­men­to do sis­te­ma par­ti­dá­rio.”

Há três pe­di­dos de in­cor­po­ra­ção pro­to­co­la­dos no TSE es­pe­ran­do por jul­ga­men­to, o que de­ve ocor­rer lo­go no iní­cio de fe­ve­rei­ro. O PPL (Par­ti­do Pá­tria Li­vre) se uniu ao PC do B (Par­ti­do Co­mu­nis­ta do Bra­sil). O PRP (Par­ti­do Re­pu­bli­ca­no Pro­gres­sis­ta) se in­cor­po­rou ao Pa­tri (Pa­tri­o­ta), par­ti­do que só fi­cou co­nhe­ci­do pe­la can­di­da­tu­ra do Ca­bo Da­ci­o­lo à Pre­si­dên­cia, e o PHS (Par­ti­do Hu­ma­nis­ta da So­li­da­ri­e­da­de) bus­cou abri­go no Par­ti­do Po­de­mos (Po­de). Ne­nhum de­les so­bre­vi­ve­ria sem as in­cor­po­ra­ções.

Com uma re­for­ma elei­to­ral fei­ta de afo­ga­di­lho em ou­tu­bro de 2017 — no li­mi­te do pra­zo pa­ra que as re­gras va­les­sem na elei­ção de 2018, o que pro­vo­cou uma vo­ta­ção re­cor­de de 30 mi­nu­tos da emen­da cons­ti­tu­ci­o­nal no Se­na­do, por exem­plo — há ain­da mui­tas dú­vi­das e hi­a­tos le­gais, co­mo é o ca­so da Re­de Sus­ten­ta­bi­li­da­de, si­gla cri­a­da por Ma­ri­na Sil­va.

A in­cor­po­ra­ção do Re­de pe­lo PPS era da­da co­mo cer­ta ao fi­nal do ano pas­sa­do, mas hou­ve for­te re­sis­tên­cia da mi­li­tân­cia e a de­ci­são foi adi­a­da pa­ra o fi­nal de mar­ço, quan­do o par­ti­do re­a­li­za­rá seu con­gres­so na­ci­o­nal. O ca­so do Re­de é pe­cu­li­ar, por­que o par­ti­do le­gal­men­te não po­de fa­zer nem fu­são (en­trar em ou­tra si­gla e dei­xar de exis­tir for­mal­men­te) nem in­cor­po­ra­ção (ser in­te­gran­te de uma or­ga­ni­za­ção po­lí­ti­ca jun­to com ou­tras le­gen­das, com mu­dan­ça de no­me e de es­ta­tu­to). So­men­te par­ti­dos que exis­tem há mais de cin­co anos po­dem op­tar pe­las mu­dan­ças e o Re­de só tem três anos de exis­tên­cia.

“Va­mos aguar­dar e ver co­mo a Re­de vai se po­si­ci­o­nar”, dis­se o pre­si­den­te na­ci­o­nal do PPS, Ro­ber­to Frei­re. O PPS fa­rá, de qual­quer ma­nei­ra, uma re­fun­da­ção, diz ele, in­cor­po­ran­do in­te­gran­tes de mo­vi­men­tos so­ci­ais, co­mo o Acre­di­to e o Renova Bra­sil.

Par­te des­te mo­vi­men­to já es­tá ocor­ren­do. Em Ser­gi­pe, 22 po­lí­ti­cos do Re­de se an­te­ci­pa­ram e se fi­li­a­ram ao PPS em no­vem­bro, co­mo o se­na­dor elei­to Ales­san­dro Vi­ei­ra, que vai es­tre­ar o pri­mei­ro man­da­to. O no­vo PPS de­ve ser cha­mar Par­ti­do Ci­da­da­nia. “Es­ta­mos tra­ba­lhan­do e pre­pa­ran­do mu­dan­ças. Te­mos to­do o in­te­res­se que a Re­de pos­sa se in­te­grar a es­se pro­ces­so de re­for­mu­la­ção po­lí­ti­ca”, de­fen­de Frei­re.

“En­ten­do que não po­de­ría­mos fi­car aguar­dan­do a in­de­fi­ni­ção de pes­so­as que nem se­quer fa­zem par­te do Par­la­men­to”, ex­pli­cou Ales­san­dro Vi­ei­ra. Além das res­tri­ções pa­ra re­pas­se do fun­do, a Câ­ma­ra de­ter­mi­nou ain­da que os par­ti­dos que não al­can­ça­ram a cláu­su­la de barreira não te­rão li­de­ran­ça e nem lu­gar nas co­mis­sões te­má­ti­cas, o que li­mi­ta mui­to a atu­a­ção par­la­men­tar. “São res­tri­ções mui­to se­ve­ras, e o PPS abriu as por­tas pa­ra a re­no­va­ção, com no­va go­ver­nan­ça”, jus­ti­fi­cou Vi­ei­ra, que veio do mo­vi­men­to Acre­di­to e Renova Bra­sil.

O Re­de es­tá fa­zen­do uma pro­fun­da re­fle­xão so­bre seu fu­tu­ro, diz a por­ta-voz na­ci­o­nal da le­gen­da, Laís Gar­cia. “Nin­guém vai pa­rir um fi­lho pen­san­do que pou­co tem­po de­pois ele vai dei­xar de exis­tir”, com­pa­ra. Ela ar­gu­men­ta que o diá­lo­go com o PPS é cons­tan­te, mas não se tra­ta de uma de­ci­são sim­ples. En­quan­to não de­ci­de co­mo fi­ca­rá a re­la­ção com o PPS, o Re­de quer ga­ran­tir a re­pre­sen­ta­ção par­la­men­tar no Con­gres­so, e já aci­o­nou o Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF).

“Ima­gi­na­ram nos en­fra­que­cer com a cláu­su­la de barreira e nos for­ta­le­ce­ram”, re­vi­da Wal­ter Sor­ren­ti­no, vi­ce-pre­si­den­te na­ci­o­nal do PC do B, si­gla que re­ce­beu o PPL. Jun­tos, te­rão 10 de­pu­ta­dos fe­de­rais. “A le­gis­la­ção é mui­to cru­el com os par­ti­dos pe­que­nos. Cri­ar fe­de­ra­ções se­ria mais jus­to, per­mi­ti­ria que os par­ti­dos es­trei­tas­sem o re­la­ci­o­na­men­to com o tem­po”, de­fen­de Mi­guel Man­so, pre­si­den­te do PPL (que dei­xa­rá de exis­tir) em São Pau­lo. Em mar­ço, PC do B e PPL fa­rão um con­gres­so pa­ra de­fi­nir a no­va di­re­ção, que te­rá 170 in­te­gran­tes.

DIVULGAÇÃO

Elei­to se­na­dor pe­lo Re­de, Ales­san­dro Vi­ei­ra op­tou por se fi­li­ar lo­go ao PPS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.