So­bre re­gu­la­men­tos, car­gos e sim­bo­lis­mos

Valor Econômico - - POLÍTICA - Bruno Ca­raz­za

Por trás das en­fa­do­nhas nor­mas que re­gem a Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca po­de­mos ma­pe­ar a re­dis­tri­bui­ção de po­der em Bra­sí­lia e cons­ta­tar, em nú­me­ros, que a ari­dez do Pla­nal­to Cen­tral de­si­dra­ta dis­cur­sos de cam­pa­nha.

Até o mo­men­to já fo­ram pu­bli­ca­das no Diá­rio Ofi­ci­al os no­vos re­gi­men­tos de qua­se to­dos os mi­nis­té­ri­os, com ex­ce­ção de Saú­de, De­fe­sa e Ad­vo­ca­cia-Ge­ral da União. A equi­pe de tran­si­ção pro­mo­veu uma re­du­ção de 11% no nú­me­ro de car­gos. Pa­re­ce bom, mas o quan­ti­ta­ti­vo re­ma­nes­cen­te con­ti­nua ele­va­do: os mi­nis­tros de Bol­so­na­ro ain­da dis­põem de 22.297 fun­ções e car­gos de con­fi­an­ça pa­ra ocu­par.

Es­ses cor­tes con­cen­tra­ram-se nos pa­ta­ma­res mais bai­xos da hi­e­rar­quia, ge­ral­men­te ocu­pa­dos por ser­vi­do­res con­cur­sa­dos atu­an­do co­mo che­fes. Nos ní­veis mais al­tos, co­mo se­cre­tá­ri­os e di­re­to­res, hou­ve uma ele­va­ção de mais de 20% – ou se­ja, os mi­nis­té­ri­os fo­ram re­du­zi­dos, mas o al­to es­ca­lão, de li­vre no­me­a­ção, foi am­pli­a­do.

No fim das con­tas, a eco­no­mia fei­ta pe­la equi­pe de Bol­so­na­ro é ir­ri­só­ria: no má­xi­mo R$ 1,7 mi­lhão men­sal, de­mons­tran­do que o pro­pa­la­do en­xu­ga­men­to da má­qui­na pú­bli­ca ain­da não saiu do pla­no das pos­ta­gens em re­des so­ci­ais.

Ana­li­san­do a dis­tri­bui­ção dos car­gos en­tre os mi­nis­té­ri­os, des­ta­ca-se o po­der de Pau­lo Gu­e­des. Mes­mo de­pois de, num gesto de aus­te­ri­da­de, ter eli­mi­na­do qua­se 3.000 car­gos nos ór­gãos que her­dou de Te­mer, o su­per­mi­nis­tro da Eco­no­mia ain­da no­me­a­rá 1/3 de to­dos os car­gos em co­mis­são exis­ten­tes na Esplanada – sem fa­lar que sob a sua ba­tu­ta ain­da es­tão al­gu­mas das car­rei­ras mais for­tes da Ad­mi­nis­tra­ção Fe­de­ral.

Mas há ou­tras nu­an­ces no per­de e ga­nha de car­gos (ver grá­fi­co). Den­tro do Pa­lá­cio do Pla­nal­to, a Se­cre­ta­ria de Go­ver­no do ge­ne­ral San­tos Cruz ex­pan­diu seu efe­ti­vo em 71%, fa­go­ci­tan­do áre­as im­por­tan­tes co­mo o Pro­gra­ma de Par­ce­ri­as de In­ves­ti­men­tos e a Co­mu­ni­ca­ção So­ci­al do go­ver­no. Co­mo con­sequên­cia, a Ca­sa Ci­vil de Onyx Lo­ren­zo­ni e a Se­cre­ta­ria-Ge­ral da Pre­si­dên­cia de Gustavo Be­bi­an­no en­co­lhe­ram em, res­pec­ti­va­men­te, 36,7% e 53,4%. Na mé­tri­ca dos car­gos co­mis­si­o­na­dos, na “co­zi­nha” do pre­si­den­te os mi­li­ta­res te­rão mais vez e voz.

Ou­tra im­por­tan­te cons­ta­ta­ção é a ex­pan­são do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra (31,8% a mais de car­gos), fren­te ao en­co­lhi­men­to de 22% no Meio Am­bi­en­te. De um la­do, hou­ve a po­lê­mi­ca de­ci­são de atri­buir à Agri­cul­tu­ra a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­los as­sun­tos fun­diá­ri­os, in­cluin­do ter­ras in­dí­ge­nas e qui­lom­bo­las. O Meio Am­bi­en­te, por sua vez, per­deu a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­la po­lí­ti­ca de re­cur­sos hí­dri­cos pa­ra a pas­ta do De­sen­vol­vi­men­to Re­gi­o­nal.

No cam­po da sim­bo­lo­gia dos no­mes de se­cre­ta­ri­as e de­mais ór­gãos, dois fa­tos são dig­nos de no­ta. A pri­mei­ra é a for­ma co­mo Pau­lo Gu­e­des or­ga­ni­zou seu mi­nis­té­rio. Em vez de sim­ples­men­te re­a­gru­par os ór­gãos pre­e­xis­ten­tes da Fa­zen­da, do Pla­ne­ja­men­to, da In­dús­tria e Co­mér­cio e do Tra­ba­lho, a no­men­cla­tu­ra das no­vas se­cre­ta­ri­as in­di­ca uma in­ten­ção de re­for­mu­lar o Es­ta­do: Pre­vi­dên­cia e Tra­ba­lho; Pro­du­ti­vi­da­de, Em­pre­go e Com­pe­ti­ti­vi­da­de; De­ses­ta­ti­za­ção e De­sin­ves­ti­men­to; Des­bu­ro­cra­ti­za­ção, Ges­tão e Go­ver­no Di­gi­tal; Co­mér­cio Ex­te­ri­or, en­tre ou­tras.

Por ou­tro la­do, em vá­ri­os mi­nis­té­ri­os aflo­ra uma vi­são con­ser­va­do­ra de mun­do, co­mo na cri­a­ção, pe­la mi­nis­tra Da­ma­res Alves, de uma Se­cre­ta­ria Na­ci­o­nal da Fa­mí­lia pa­ra, en­tre ou­tras atri­bui­ções, com­ba­ter “a dis­cri­mi­na­ção à fa­mí­lia”. Na Edu­ca­ção, Vé­lez Ro­drí­guez ino­vou com a Sub­se­cre­ta­ria de Fo­men­to às Es­co­las Cí­vi­co-Mi­li­ta­res. Já sob o chan­ce­ler Er­nes­to Araú­jo exis­te ago­ra uma Se­cre­ta­ria de As­sun­tos de So­be­ra­nia Na­ci­o­nal e Ci­da­da­nia. E no Meio Am­bi­en­te ex­cluiu-se a ex­pres­são “Mu­dan­ça do Cli­ma” do no­me de uma das se­cre­ta­ri­as.

Sa­be­mos que, na prá­ti­ca, a má­qui­na es­ta­tal fun­ci­o­na de mo­do bem di­fe­ren­te do pres­cri­to nas nor­mas e re­gu­la­men­tos. Mas a dis­tri­bui­ção do po­der de no­me­ar e o sim­bo­lis­mo das de­no­mi­na­ções dos car­gos são im­por­tan­tes si­na­li­za­ções so­bre co­mo se por­ta­rá es­te no­vo go­ver­no.

O per­de e ga­nha de po­der e vi­sões de mun­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.