Após pri­são, Polô­nia ava­lia proi­bir ma­te­ri­al da Hu­awei

Go­ver­no po­lo­nês quer que Otan ado­te po­si­ção con­jun­ta

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Da­ni­el Mi­cha­els (Com a Blo­om­berg)

A Polô­nia es­tá se unin­do aos EUA pa­ra pres­si­o­nar os seus ali­a­dos da Otan a co­or­de­nar es­for­ços pa­ra en­fren­tar os desafios de se­gu­ran­ça da Chi­na, após a pri­são de dois ho­mens na sex­ta-fei­ra acu­sa­dos de es­pi­o­nar pa­ra Pe­quim. O incidente en­vol­ve a em­pre­sa chi­ne­sa Hu­awei e de­ve am­pli­ar a pre­o­cu­pa­ção quan­to ao uso de equi­pa­men­tos chi­ne­ses no Oci­den­te.

O mi­nis­tro do In­te­ri­or da Polô­nia, Jo­a­chim Brud­zins­ki, eco­ou o pe­di­do de ali­a­dos dos EUA pa­ra ex­cluir a Hu­awei e ou­tros fa­bri­can­tes chi­ne­ses de hard­ware de seus sis­te­mas de te­le­co­mu­ni­ca­ções.

Washing­ton ba­niu efe­ti­va­men­te equi­pa­men­tos chi­ne­ses das prin­ci­pais re­des de te­le­co­mu­ni­ca­ções dos EUA e es­tá pres­si­o­nan­do os ali­a­dos a fa­zer o mes­mo, dis­se­ram au­to­ri­da­des ame­ri­ca­nas. A Polô­nia se ali­ou in­ti­ma­men­te às po­si­ções de se­gu­ran­ça dos EUA em uma sé­rie de ques­tões e es­tá en­tre os de­fen­so­res mais ar­den­tes de Washing­ton den­tro da Or­ga­ni­za­ção do Tra­ta­do do Atlân­ti­co Nor­te (Otan, a ali­an­ça mi­li­tar oci­den­tal).

A Agên­cia de Se­gu­ran­ça In­ter­na da Polô­nia de­te­ve na sex­ta-fei­ra um di­re­tor chi­nês da Hu­awei no país e um ci­da­dão lo­cal que tra­ba­lhou no ser­vi­ço de in­te­li­gên­cia po­lo­nês, acu­sa­dos de es­pi­o­na­gem.

Au­to­ri­da­des po­lo­ne­sas dis­se­ram que a pró­pria Hu­awei não foi acu­sa­da de ne­nhum de­li­to. A em­pre­sa in­for­mou no sá­ba­do que de­mi­tiu o fun­ci­o­ná­rio, Wang Wei­jing, seu di­re­tor de ven­das na Polô­nia, e que as ações de­le "não têm re­la­ção com a em­pre­sa" e que seus pro­du­tos são se­gu­ros.

A pri­são po­de ter um “im­pac­to mui­to sig­ni­fi­ca­ti­vo” nos ne­gó­ci­os da Hu­awei, já que a Eu­ro­pa é uma fon­te im­por­tan­te de re­cei­tas pa­ra a em­pre­sa, dis­se Brock Sil­vers, di­re­tor-ge­ren­te da Kaiyu­an Ca­pi­tal. "In­de­pen­den­te­men­te de co­mo as acu­sa­ções con­tra Wang se­jam re­sol­vi­das, pa­re­ce pro­vá­vel que o im­por­tan­te ne­gó­cio da Hu­awei na Eu­ro­pa vai so­frer em 2019”.

A di­re­to­ra fi­nan­cei­ra da Hu­awei, fi­lha do fun­da­dor da em­pre­sa, foi de­ti­da em de­zem­bro, no Ca­na­dá, a pe­di­do dos EUA, on­de é acu­sa­da de vi­o­lar san­ções ame­ri­ca­nas ao Irã.

Ain­da as­sim, o ca­so ele­vou a an­si­e­da­de exis­ten­tes na Eu­ro­pa em re­la­ção aos equi­pa­men­tos de em­pre­sas glo­bais da Chi­na. Mui­tos go­ver­nos eu­ro­peus es­tão ava­li­an­do o uso de equi­pa­men­tos chi­ne­ses de re­de. Além dis­so, a União Eu­ro­peia (UE) re­for­çou as re­gras so­bre in­ves­ti­men­tos es­tran­gei­ros em uma ten­ta­ti­va de blo­que­ar aqui­si­ções chi­ne­sas de tec­no­lo­gi­as eu­ro­pei­as crí­ti­cas e au­to­ri­da­des da UE aler­ta­ram pa­ra o ris­co das gi­gan­tes da tec­no­lo­gia chi­ne­sas.

O co­mis­sá­rio de tec­no­lo­gia da UE, An­ders An­sip, dis­se em de­zem­bro: "Acho que te­mos que nos pre­o­cu­par com es­sas em­pre­sas". A Hu­awei dis­se em res­pos­ta: "Re­jei­ta­mos ca­te­go­ri­ca­men­te qual­quer ale­ga­ção de que po­de­mos re­pre­sen­tar uma ame­a­ça à se­gu­ran­ça".

O mi­nis­tro po­lo­nês Brud­zins­ki le­vou es­se re­ceio pa­ra uma no­va área no sá­ba­do, di­zen­do à emis­so­ra RMF FM: "Tam­bém há pre­o­cu­pa­ção so­bre a Hu­awei na Otan. Se­ria mais sen­sa­to ter uma po­si­ção con­jun­ta en­tre os mem­bros da UE e os mem­bros da Otan".

A Otan am­pli­ou su­as de­fe­sas ci­ber­né­ti­cas e os pre­pa­ra­ti­vos pa­ra a guer­ra ci­ber­né­ti­ca na úl­ti­ma dé­ca­da. Em no­vem­bro, or­ga­ni­zou a Cy­ber Co­a­li­ti­on 2018, uma si­mu­la­ção de guer­ra ci­ber­né­ti­ca que des­cre­veu co­mo um dos mai­o­res exer­cí­ci­os ci­ber­né­ti­cos de to­dos os tem­pos. A Otan não tem su­as pró­pri­as ar­mas ci­ber­né­ti­cas, mas nu­ma cú­pu­la em ju­lho os lí­de­res con­cor­da­ram em es­ta­be­le­cer um no­vo Cen­tro de Ope­ra­ções do Ci­be­res­pa­ço e a ali­an­ça po­de apro­vei­tar as ca­pa­ci­da­des de seus 28 mem­bros.

Mui­tos paí­ses da Otan es­tão ava­li­an­do proi­bir equi­pa­men­tos da Hu­awei ou agir a res­pei­to. A Fran­ça proi­biu si­len­ci­o­sa­men­te mui­tos equi­pa­men­tos da Hu­awei de su­as re­des e es­tá ori­en­tan­do as ope­ra­do­ras a não usar equi­pa­men­tos da em­pre­sa na re­de 5G em pla­ne­ja­men­to, dis­se­ram pes­so­as fa­mi­li­a­ri­za­das com as ações do go­ver­no.

Rei­no Uni­do e Ca­na­dá dis­se­ram que es­tão re­ven­do su­as ca­dei­as de for­ne­ci­men­to de te­le­co­mu­ni­ca­ções. O Rei­no Uni­do não dis­se ex­pli­ci­ta­men­te que sua re­vi­são vi­sa a Hu­awei, mas os exe­cu­ti­vos do se­tor di­zem que is­so é ób­vio. O Rei­no Uni­do quer con­cluir sua re­vi­são nos pró­xi­mos me­ses. Au­to­ri­da­des bri­tâ­ni­cas te­mem par­ti­cu­lar­men­te que os softwa­res da Hu­awei ana­li­sa­dos em la­bo­ra­tó­ri­os es­pe­ci­ais não cor­res­pon­da aos softwa­res re­al­men­te ins­ta­la­dos nos equi­pa­men­tos usa­dos ??em re­des sem fio e de in­ter­net bri­tâ­ni­cas.

A pres­são mai­or po­de atin­gir a Ale­ma­nha, que nos úl­ti­mos me­ses tem es­ta­do cé­ti­ca em re­la­ção às ad­ver­tên­ci­as dos EUA pa­ra fis­ca­li­zar a Hu­awei. Berlim so­li­ci­tou provas es­pe­cí­fi­cas pa­ra subs­tan­ci­ar o re­ceio de que a Hu­awei po­de­ria usar seus equi­pa­men­tos pa­ra es­pi­o­na­gem, o que os EUA não for­ne­ce­ram, dis­se­ram pes­so­as a par do as­sun­to. O es­cri­tó­rio fe­de­ral de se­gu­ran­ça da in­for­ma­ção da Ale­ma­nha exi­giu am­pla su­per­vi­são de equi­pa­men­tos de to­dos os for­ne­ce­do­res, in­cluin­do da Hu­awei e seus ri­vais glo­bais. A Hu­awei é uma for­ne­ce­do­ra sig­ni­fi­ca­ti­va de equi­pa­men­tos ele­trô­ni­cos e de in­fra-es­tru­tu­ra de con­su­mo na Ale­ma­nha.

A Deuts­che Telekom, ope­ra­do­ra ale­mã de te­le­co­mu­ni­ca­ções e que usa pro­du­tos da Hu­awei, afir­mou em de­zem­bro que iria re­ver sua es­tra­té­gia de aqui­si­ção de equi­pa­men­tos por cau­sa da "dis­cus­são glo­bal so­bre a se­gu­ran­ça dos ele­men­tos de re­de dos fa­bri­can­tes chi­ne­ses".

O pre­si­den­te da As­sem­bleia Na­ci­o­nal da Ve­ne­zu­e­la, Ju­an Gu­ai­dó, foi de­ti­do por uma ho­ra on­tem, di­as de­pois de se di­zer pron­to pa­ra as­su­mir o go­ver­no. O car­ro em que vi­a­ja­va foi abor­da­do na pe­ri­fe­ria de Caracas. Gu­ai­dó foi in­ter­ro­ga­do e li­be­ra­do em se­gui­da. Na fo­to, ele mos­tra si­nais de al­ge­mas. A As­sem­bleia, com mai­o­ria da opo­si­ção, é o Le­gis­la­ti­vo da Ve­ne­zu­e­la, mas foi es­can­te­a­da por Ma­du­ro. A opo­si­ção, as­sim co­mo a mai­o­ria dos paí­ses da re­gião, não re­co­nhe­ce Ma­du­ro, que aca­bou de as­su­mir um se­gun­do man­da­to. O go­ver­no dis­se que afas­tou os agen­tes de se­gu­ran­ça en­vol­vi­dos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.