Chi­na evi­ta men­ci­o­nar pla­no pa­ra atrair cé­re­bros

Valor Econômico - - INTERNACIONAL - Yu­an Yang e Ni­an Liu

A Chi­na tem pe­di­do às au­to­ri­da­des do país que dei­xem de men­ci­o­nar o pro­gra­ma de seu pre­miê pa­ra re­cru­tar ta­len­tos na área de tec­no­lo­gia no ex­te­ri­or, após as cres­cen­tes des­con­fi­an­ças da par­te dos EUA em re­la­ção ao pla­no.

No fim do ano pas­sa­do, o go­ver­no de­ter­mi­nou que os fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos e os re­cru­ta­do­res pa­ra as For­ças Ar­ma­das não men­ci­o­nas­sem pe­lo no­me o Pro­gra­ma dos Mil Ta­len­tos, sob o qual mi­lha­res de ci­en­tis­tas e es­pe­ci­a­lis­tas fo­ram atraí­dos pa­ra a Chi­na com bol­sas de pes­qui­sa exu­be­ran­tes.

O pla­no, que co­me­çou em 2008 com o ob­je­ti­vo de ele­var o pa­drão de pes­qui­sa da Chi­na e que foi pro­vi­den­ci­al pa­ra re­pa­tri­ar um gran­de nú­me­ro de ci­en­tis­tas chi­ne­ses que ti­nham si­do cri­a­dos ou que es­tu­da­ram no ex­te­ri­or, ain­da es­tá em vi­gor, se­gun­do uma sé­rie de can­di­da­tos re­cen­tes e de fun­ci­o­ná­ri­os pú­bli­cos. A úl­ti­ma ro­da­da de ins­cri­ções ocor­reu em de­zem­bro.

Mas foi lan­ça­da uma or­dem pa­ra aba­far o pro­gra­ma de­pois que in­ves­ti­ga­do­res dos EUA vol­ta­ram sua aten­ção pa­ra os ci­en­tis­tas que to­ma­ram par­te de­le, prin­ci­pal­men­te pa­ra os que ti­nham tra­ba­lha­do an­te­ri­or­men­te nos EUA ou que ti­nham vol­ta­do pa­ra os EUA após pas­sar cer­to tem­po na Chi­na.

Em de­zem­bro, Bill Pri­es­tap, di­re­tor-as­sis­ten­te da di­vi­são de con­train­te­li­gên­cia do FBI, a po­lí­cia fe­de­ral dos EUA, ad­ver­tiu uma co­mis­são do Se­na­do de que “o re­cru­ta­men­to de ta­len­tos” e os pro­gra­mas de ‘aqui­si­ção de cé­re­bros’ da Chi­na... tam­bém es­ti­mu­lam o rou­bo de pro­pri­e­da­de in­te­lec­tu­al de ins­ti­tui­ções ame­ri­ca­nas”.

Em se­tem­bro, a Uni­ver­si­da­de Tec­no­ló­gi­ca do Te­xas ad­ver­tiu em car­ta o cor­po do­cen­te de que o Con­gres­so dos EUA en­ca­ra o pro­gra­ma dos Mil Ta­len­tos co­mo “par­te de uma es­tra­té­gia mais am­pla des­ti­na­da a de­sen­vol­ver su­pe­ri­o­ri­da­de tec­no­ló­gi­ca” e que o De­par­ta­men­to de Es­ta­do e o Con­gres­so ame­ri­ca­no acre­di­tam que ele­men­tos do pla­no es­tão “es­trei­ta­men­te li­ga­dos ao apa­ra­to mi­li­tar chi­nês”.

A car­ta con­ti­nua com a ad­ver­tên­cia de que os con­tem­pla­dos com o pro­gra­ma dos Mil Ta­len­tos po­dem ser im­pe­di­dos de re­ce­ber bol­sas do De­par­ta­men­to de De­fe­sa e, no fu­tu­ro, tal­vez sub­ven­ções de pes­qui­sa fe­de­rais ame­ri­ca­nas, o que cons­ti­tui um de­ses­tí­mu­lo sig­ni­fi­ca­ti­vo pa­ra pes­qui­sa­do­res.

Han Li­feng, exe­cu­ti­vo-che­fe de uma agên­cia que tra­ba­lhou com cer­ca de 30 es­pe­ci­a­lis­tas do Mil Ta­len­tos, ob­ser­vou a mu­dan­ça de hu­mor. “A con­cor­rên­cia tec­no­ló­gi­ca en­tre EUA e Chi­na é acir­ra­da atu­al­men­te. Os EUA opõem obs­tá­cu­los a ci­en­tis­tas que que­rem vol­tar, por is­so a Chi­na dei­xou de men­ci­o­nar o no­me Pla­no dos Mil Ta­len­tos em documentos ou reu­niões.”

Um aca­dê­mi­co de uma uni­ver­si­da­de chi­ne­sa de pon­ta foi ori­en­ta­do a ti­rar as bol­sas con­ce­di­das pe­lo Mil Ta­len­tos dos si­tes de al­guns mem­bros do cor­po do­cen­te, a fim de “pro­te­gê-los da des­con­fi­an­ça”.

Ou­tros têm aler­ta­do que a pre­o­cu­pa­ção do go­ver­no ame­ri­ca­no po­de se trans­for­mar num ata­que ra­ci­al ge­né­ri­co con­tra aca­dê­mi­cos chi­ne­ses, na sequên­cia de uma pro­pos­ta da Ca­sa Bran­ca, que du­rou pou­co, na sus­pen­são de vis­tos pa­ra es­tu­dan­tes chi­ne­ses.

“Os EUA es­tão ten­tan­do su­pri­mir a Chi­na de to­dos os la­dos, o Pla­no dos Mil Ta­len­tos não é o pro­ble­ma”, dis­se Rao Yi, pro­fes­sor de neu­ro­bi­o­lo­gia da Uni­ver­si­da­de de Pe­quim, que de­sis­tiu da ci­da­da­nia ame­ri­ca­na, de­pois de 22 anos vi­ven­do no país, pa­ra po­der vol­tar à Chi­na. Rao con­tou que te­ve pe­di­dos de vis­to pa­ra os EUA re­jei­ta­dos vá­ri­as ve­zes.

No Par­que de Ino­va­ções de Shenzhen, uma guia tu­rís­ti­ca pu­lou o slo­gan dos Mil Ta­len­tos que es­ta­va pintado em um mu­ro. “Nós não men­ci­o­na­mos mais o pla­no pe­lo no­me”, ex­pli­cou ela.

O pro­gra­ma na­ci­o­nal dos Mil Ta­len­tos é com­pos­to de vá­ri­os esquemas di­fe­ren­tes e já re­cru­tou cer­ca de 6 mil ci­en­tis­tas. Um dos mai­o­res se­to­res vi­sa aca­dê­mi­cos com ofer­tas de em­pre­go de uma uni­ver­si­da­de chi­ne­sa, se­ja pa­ra le­ci­o­nar em tem­po in­te­gral, se­ja pa­ra va­gas mais cur­tas de ve­rão.

Nor­mal­men­te, os aca­dê­mi­cos re­ce­bem cer­ca de 1 mi­lhão de yu­ans (US$ 146.670) na “cri­a­ção” de uma bol­sa pes­so­al e de­pois até 5 mi­lhões de yu­ans adi­ci­o­nais pa­ra uma bol­sa de pes­qui­sas. Es­pe­ci­a­lis­tas po­dem re­ce­ber ain­da mais de go­ver­nos lo­cais e de com­ple­men­tos às bol­sas. De acor­do com a mí­dia chi­ne­sa, al­guns pes­qui­sa­do­res “ex­cep­ci­o­nais” fo­ram pre­mi­a­dos com até 100 mi­lhões de yu­ans.

O pla­no aju­da as uni­ver­si­da­des chi­ne­sas a com­pe­tir com su­as con­tra­par­tes in­ter­na­ci­o­nais, que têm mais re­cur­sos, e te­ve um pa­pel im­por­tan­te em re­ver­ter par­te da fu­ga de cé­re­bros de fa­mí­li­as ta­len­to­sas que dei­xa­ram a Chi­na pa­ra bus­car for­tu­na em ou­tros lu­ga­res.

“Acre­di­to que es­te pro­gra­ma fez mui­to pa­ra atrair chi­ne­ses ta­len­to­sos do ex­te­ri­or, que de ou­tra for­ma con­ti­nu­a­ri­am no ex­te­ri­or. Acho que, na ver­da­de, es­se é seu prin­ci­pal ob­je­ti­vo, re­cons­truir o sis­te­ma com ta­len­to que é na­tu­ral do país. Não ve­jo na­da de er­ra­do nis­so”, dis­se um aca­dê­mi­co es­tran­gei­ro que quis man­ter o ano­ni­ma­to.

Tim Byr­nes, pro­fes­sor-as­sis­ten­te de fí­si­ca do cam­pus de Xan­gai da Uni­ver­si­da­de de No­va York e re­cru­ta­do pe­lo pla­no dos Mil Ta­len­tos, afir­mou que o go­ver­no chi­nês não in­ter­fe­riu em sua pes­qui­sa nem in­ves­ti­gou di­re­ta­men­te o que ele es­ta­va fa­zen­do. “Eu não ti­ve que fa­zer re­la­tó­ri­os da mi­nha pes­qui­sa pa­ra o Mil Ta­len­tos e não ve­jo ne­nhum pla­no de que te­nha de fa­zê-lo.”

O sis­te­ma po­de ser bas­tan­te opa­co: Han ad­mi­te que o pro­ces­so de ins­cri­ção po­de ser bu­ro­crá­ti­co e exi­gir “co­ne­xões” ou “ca­nais es­pe­ci­ais” pa­ra ter cer­te­za de que se­ja bem-su­ce­di­do.

Co­mo re­sul­ta­do, em­bo­ra “a in­ten­ção se­ja boa”, mui­tos dos es­pe­ci­a­lis­tas re­cru­ta­dos não são ne­ces­sa­ri­a­men­te de al­to ní­vel, dis­se um pro­fes­sor, que se ins­cre­veu re­cen­te­men­te no Mil Ta­len­tos. “Al­guns de­les es­tão co­lhen­do be­ne­fí­ci­os da con­fu­são”, acres­cen­tou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.