Co­mu­ni­da­des in­dí­ge­nas têm pla­nos de ges­tão

Os Kaya­pó co­mer­ci­a­li­zam o cu­ma­ru pa­ra fa­bri­can­tes de cos­mé­ti­cos. Por Je­fer­son Stra­at­mann e Mar­cio San­til­li

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Opre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro fa­la mui­to dos ín­di­os, mas de ín­di­os que ele ima­gi­na vi­ve­rem em re­ser­vas que são re­do­mas e se as­se­me­lham a zo­o­ló­gi­cos. E acha que in­du­zi-los a se as­so­ci­ar a fren­tes econô­mi­cas pre­da­tó­ri­as se­ria um me­lhor ca­mi­nho. Ele bem que po­de­ria vi­si­tar al­dei­as, co­nhe­cer pro­je­tos econô­mi­cos que es­tão ge­ran­do bons re­sul­ta­dos mes­mo na au­sên­cia de Es­ta­do. Po­de­ria, as­sim, aces­sar in­for­ma­ções que não es­tão dis­po­ní­veis na sua re­do­ma de po­lí­ti­co e que, in­fe­liz­men­te, os seus as­ses­so­res ain­da não fo­ram ca­pa­zes de lhe for­ne­cer.

Pa­ra co­me­çar, exis­tem 721 ter­ras in­dí­ge­nas no Bra­sil e 486 con­cluí­ram a sua de­mar­ca­ção. Em boa par­te de­las, as co­mu­ni­da­des já cons­truí­ram ou es­tão cons­truin­do pla­nos de ges­tão am­bi­en­tal, que de­fi­nem for­mas sus­ten­tá­veis de uso dos re­cur­sos des­ses ter­ri­tó­ri­os. Ne­las, os po­vos in­dí­ge­nas re­a­li­zam su­as ati­vi­da­des econô­mi­cas tra­di­ci­o­nais de sub­sis­tên­cia – ca­ça, pes­ca, co­le­ta, agri­cul­tu­ra, fa­bri­ca­ção de ador­nos e uten­sí­li­os – e de­sen­vol­vem pro­du­tos pa­ra co­mer­ci­a­li­za­ção que vi­sam a ge­ra­ção de ex­ce­den­tes pa­ra aces­sar bens de con­su­mo e ser­vi­ços.

Exis­te uma enor­me di­ver­si­da­de de for­mas de re­la­ção en­tre in­dí­ge­nas e o mer­ca­do. His­to­ri­ca­men­te, es­ses po­vos de­sen­vol­ve­ram uma eco­no­mia de sub­sis­tên­cia e man­ti­ve­ram re­la­ções de tro­ca re­gu­la­res en­tre si e com as pri­mei­ras fren­tes de co­lo­ni­za­ção. No en­tan­to, as re­la­ções com o mer­ca­do re­cen­te­men­te se de­sen­vol­vem de ma­nei­ras di­fe­ren­tes, con­si­de­ran­do as con­di­ções de con­ta­to e as opor­tu­ni­da­des re­gi­o­nais.

É fá­cil en­con­trar pro­du­tos in­dí­ge­nas, por exem­plo, em qual­quer fei­ra po­pu­lar da Amazô­nia. Even­tu­al­men­te, tam­bém em ou­tras re­giões do Bra­sil. Mas o que tem fi­ca­do cla­ro é que, com uma si­tu­a­ção es­tá­vel nos ter­ri­tó­ri­os e a cons­tru­ção de par­ce­ri­as e re­la­ções de mer­ca­do jus­tas e trans­pa­ren­tes com as co­mu­ni­da­des, co­me­ça a se de­sen­vol­ver uma no­va eco­no­mia da flo­res­ta que exal­ta – com or­gu­lho – a bi­o­di­ver­si­da­de do país. Quan­do is­so acon­te­ce, as eco­no­mi­as in­dí­ge­nas se re­la­ci­o­nam de for­ma po­si­ti­va com o mer­ca­do lo­cal, na­ci­o­nal e in­ter­na­ci­o­nal. São vá­ri­os os exem­plos.

O Mel dos Ín­di­os do Xin­gu foi o pri­mei­ro pro­du­to indígena de ori­gem ani­mal com cer­ti­fi­ca­ção or­gâ­ni­ca e re­gis­tro no Sis­te­ma de Ins­pe­ção Fe­de­ral (SIF). A qu­a­li­da­de do pro­du­to e a for­ça so­ci­al da ini­ci­a­ti­va con­quis­tou o mer­ca­do do su­des­te do país em uma par­ce­ria com o Gru­po Pão de Açú­car. Em 2018, o Óleo de Pe­qui do Po­vo Ki­sêd­jê tam­bém pas­sou a ser co­mer­ci­a­li­za­do pe­lo gru­po e foi es­co­lhi­do pa­ra re­pre­sen­tar o Bra­sil na fei­ra Ter­ra Ma­dre do mo­vi­men­to Slow Fo­od em Tu­rim, na Itá­lia.

Ou­tros pro­du­tos in­dí­ge­nas com al­to va­lor agre­ga­do, co­mo a Pi­men­ta Ba­niwa e o Co­gu­me­lo Ya­no­ma­mi, de­sen­vol­vi­dos a par­tir do co­nhe­ci­men­to tra­di­ci­o­nal indígena, são re­co­nhe­ci­dos no mun­do da gas­tro­no­mia e co­mer­ci­a­li­za­dos pa­ra em­pre­sas na­ci­o­nais e in­ter­na­ci­o­nais. A pi­men­ta do po­vo Ba­niwa, com su­as 78 va­ri­e­da­des de­si­dra­ta­das e pi­la­das com sal, tem si­do uti­li­za­da pa­ra fa­bri­ca­ção de cho­co­la­tes (Na'kau), mo­lhos (Soul Bra­sil) e cer­ve­jas (Hop­fully Brewing, na Ir­lan­da).

A lis­ta se­gue. Os ín­di­os Wai Wai, Xi­krin, Ku­ru­aya e Xi­paya co­mer­ci­a­li­zam su­as sa­fras de to­ne­la­das de cas­ta­nha pa­ra a fa­bri­can­te de pães Wick­bold. A bor­ra­cha pro­du­zi­da pe­los Xi­paya é uti­li­za­da pe­la em­pre­sa Mer­cur em seus pro­du­tos aca­ba­dos. Os ín­di­os Kaya­pó e Pa­na­rá co­mer­ci­a­li­zam o cu­ma­ru, uma se­men­te amazô­ni­ca, pa­ra as em­pre­sas Lush e Fir­me­ni­ch fa­bri­ca­rem per­fu­mes e cos­mé­ti­cos.

Os ín­di­os Sa­te­ré Mawé, re­co­nhe­ci­dos pe­la do­mes­ti­ca­ção do gua­ra­ná, be­bi­da apre­ci­a­da in­ter­na­ci­o­nal­men­te, co­mer­ci­a­li­za sua pro­du­ção tra­di­ci­o­nal pa­ra di­fe­ren­tes par­cei­ros pe­lo mun­do. As se­men­tes flo­res­tais dos Xa­van­te e dos po­vos xin­gua­nos são com­pra­das por pro­pri­e­tá­ri­os ru­rais que as uti­li­zam na res­tau­ra­ção flo­res­tal de su­as fa­zen­das.

Cla­ro que boa par­te da pro­du­ção dos po­vos in­dí­ge­nas con­cor­re com di­fi­cul­da­des pe­lo aces­so a mer­ca­dos, por­que tem ori­gem em re­giões re­mo­tas que de­pen­dem de con­di­ções lo­gís­ti­cas cus­to­sas pa­ra es­co­a­men­to. Por ou­tro la­do, par­ce­ri­as bem su­ce­di­das en­tre ín­di­os e em­pre­sas ele­va os pro­du­tos in­dí­ge­nas a um no­vo pa­ta­mar que atin­ge mer­ca­dos mais so­fis­ti­ca­dos.

Qua­se tu­do is­so pas­sa ao lar­go do po­der pú­bli­co. A Fu­nai tem co­nhe­ci­men­to de boa par­te des­sas ini­ci­a­ti­vas mas não man­tém in­for­ma­ção re­gu­lar e atu­a­li­za­da a res­pei­to. O Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra é omis­so em re­la­ção à agri­cul­tu­ra indígena e só con­si­de­ra um viés, o do ar­ren­da­men­to de ter­ras in­dí­ge­nas, co­mo de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co.

A as­sis­tên­cia téc­ni­ca go­ver­na­men­tal, por sua vez, é ir­ri­só­ria e quan­do ocor­re não con­tem­pla os Sis­te­mas Agrí­co­las Tra­di­ci­o­nais, sua di­ver­si­da­de e po­ten­ci­a­li­da­des re­co­nhe­ci­das co­mo pa­trimô­nio do Bra­sil pe­lo Ins­ti­tu­to do Pa­trimô­nio His­tó­ri­co e Ar­tís­ti­co Na­ci­o­nal (Iphan). O aces­so de pro­du­tos in­dí­ge­nas aos sis­te­mas de cré­di­to é mar­gi­nal e seu apro­vei­ta­men­to em pro­gra­mas mu­ni­ci­pais de me­ren­da es­co­lar, por exem­plo, é ape­nas pon­tu­al. A agen­da po­si­ti­va da pro­du­ção indígena tem mui­to me­nos vi­si­bi­li­da­de que a agen­da dos con­fli­tos, mar­ca­da pe­la ile­ga­li­da­de e pe­lo rou­bo do pa­trimô­nio pú­bli­co em ter­ras da União.

A per­mis­si­vi­da­de des­sa eco­no­mia ile­gal, so­ma­da ao sub­sí­dio bi­li­o­ná­rio do Es­ta­do aos se­to­res pri­má­ri­os da eco­no­mia e ao per­dão e anis­tia a cri­mes li­ga­dos ao ga­rim­po, rou­bo de ma­dei­ra e gri­la­gem de ter­ras ge­ram uma con­cor­rên­cia des­le­al com os pro­du­tos e ser­vi­ços li­ga­dos às prá­ti­cas e co­nhe­ci­men­tos tra­di­ci­o­nais dos po­vos in­dí­ge­nas.

A eco­no­mia indígena, é im­por­tan­te fri­sar, so­bre­vi­ve sem qual­quer sub­sí­dio es­ta­tal. Os im­pos­tos são co­bra­dos e pa­gos in­te­gral­men­te, ape­sar da le­gis­la­ção pre­ver a pos­si­bi­li­da­de de isen­ção e pro­mo­ção econô­mi­ca. E mais: as bar­rei­ras de en­tra­da pa­ra o pro­ces­sa­men­to e co­mer­ci­a­li­za­ção dos pro­du­tos são as mes­mas de uma gran­de em­pre­sa in­ter­na­ci­o­nal. Tra­ta-se de um des­com­pas­so em re­la­ção às re­a­li­da­des lo­cais e um freio à pro­du­ção ar­te­sa­nal de al­ta qu­a­li­da­de, tão ce­le­bra­da em paí­ses co­mo Itá­lia, Fran­ça, Es­pa­nha, Portugal, en­tre ou­tros.

Por aqui, uma eco­no­mia da flo­res­ta que se tra­duz em cui­da­do com o pa­trimô­nio na­ci­o­nal é tra­ta­da com des­pre­zo nas re­do­mas go­ver­na­men­tais. O país, as­sim, se­gue seu rumo sem agre­gar va­lor ao que lhe per­ten­ce por na­tu­re­za.

Par­ce­ri­as bem su­ce­di­das en­tre ín­di­os e em­pre­sas le­va os pro­du­tos in­dí­ge­nas a mer­ca­dos so­fis­ti­ca­dos

ALEX AL­MEI­DA/FO­LHA­PRESS

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.