A Ino­va­ção é Um Gol

Valor Econômico - - OPINIÃO - Da­vid Kup­fer

Nes­ses tem­pos de fis­ca­lis­mo aci­ma de tu­do que o Bra­sil vem atra­ves­san­do, uma das po­lí­ti­cas pú­bli­cas mais afe­ta­das é o fo­men­to às ati­vi­da­des de Pes­qui­sa, De­sen­vol­vi­men­to e Ino­va­ção. De fa­to, nos úl­ti­mos anos te­ve lu­gar uma con­tra­ção sig­ni­fi­ca­ti­va do mon­tan­te de re­cur­sos alo­ca­dos a es­sa fi­na­li­da­de. Da­do o pa­pel es­tra­té­gi­co da ino­va­ção na in­du­ção do cres­ci­men­to do PIB e no de­sen­vol­vi­men­to econô­mi­co, o re­cuo que vem ocor­ren­do no Bra­sil é evi­den­te­men­te in­de­se­já­vel, mais ain­da em um con­tex­to em que ou­tros paí­ses, ao con­trá­rio, vêm in­ten­si­fi­can­do os seus es­for­ços de P,D&I.

No que tan­ge aos re­cur­sos alo­ca­dos ao apoio à P,D&I em­pre­sa­ri­al, o qua­dro de res­tri­ção or­ça­men­tá­ria e de su­ces­si­vos con­tin­gen­ci­a­men­tos dos fun­dos pú­bli­cos di­re­ci­o­na­dos ao fi­nan­ci­a­men­to da ino­va­ção vem pro­vo­can­do, além da re­du­ção do mon­tan­te to­tal do fo­men­to, uma im­por­tan­te mu­dan­ça na sua com­po­si­ção. Des­de 2008, o pe­so re­la­ti­vo das isen­ções fis­cais fren­te aos sub­sí­di­os e ou­tras trans­fe­rên­ci­as vem au­men­tan­do. As­sim, em 2015 (úl­ti­mo da­do dis­po­ní­vel na li­te­ra­tu­ra) os pri­mei­ros já ha­vi­am atin­gi­do cer­ca de 60% do to­tal, sig­ni­fi­can­do va­lo­res um pou­co su­pe­ri­o­res a R$ 11 bi­lhões. Tra­tan­do-se do pri­mei­ro ano do ci­clo re­cen­te de ten­ta­ti­vas de ajus­te fis­cal, os da­dos mais atu­ais, quan­do dis­po­ní­veis, irão se­gu­ra­men­te mos­trar que es­sa pro­por­ção se­guiu au­men­tan­do des­de en­tão.

O co­te­ja­men­to dos prós e con­tras dos me­ca­nis­mos de apoio pú­bli­co à P,D&I em­pre­sa­ri­al ba­se­a­dos em in­cen­ti­vos fis­cais ou sub­sí­di­os é ex­ten­so e di­fí­cil. Do­cu­men­to pu­bli­ca­do pe­lo FMI em 2016, que se tor­nou re­fe­rên­cia no te­ma, mos­tra que são inú­me­ros os fa­to­res in­ter­ve­ni­en­tes, mui­tos de­les, é bom que se di­ga, de ca­rá­ter es­pe­cí­fi­co a ca­da sis­te­ma na­ci­o­nal de ino­va­ção e, por­tan­to, não ge­ne­ra­li­zá­veis. O fa­to de o au­men­to da im­por­tân­cia dos in­cen­ti­vos fis­cais na ma­triz de fi­nan­ci­a­men­to à ino­va­ção no Bra­sil coin­ci­dir com a ten­dên­cia in­ter­na­ci­o­nal não é su­fi­ci­en­te pa­ra ga­ran­tir que es­sa se­ja a me­lhor op­ção pa­ra o país.

Di­ver­sos es­tu­dos re­cen­tes ob­je­ti­van­do ava­li­a­ções mais sis­te­má­ti­cas da efe­ti­vi­da­de dos me­ca­nis­mos de fi­nan­ci­a­men­to fis­cal à ino­va­ção no Bra­sil vem aju­dan­do a co­lo­car al­gu­ma luz so­bre o te­ma. De mo­do ge­ral, os es­tu­dos con­ver­gem na cons­ta­ta­ção de dois pon­tos de aten­ção. Pri­mei­ro, a am­pli­a­ção do pe­so das isen­ções fis­cais não pro­vo­cou adi­ci­o­na­li­da­de, quer di­zer, não foi ca­paz de ala­van­car gas­tos pri­va­dos adi­ci­o­nais. A par­ti­ci­pa­ção dos gas­tos pri­va­dos com P,D&I per­ma­ne­ce en­tre 45 e 50% do to­tal re­a­li­za­do no país, in­di­can­do que não hou­ve mu­dan­ça na pro­pen­são a gas­tar com ino­va­ção por par­te das em­pre­sas. Se­gun­do, os gas­tos com ino­va­ção in­cen­ti­va­dos por re­nún­cia fis­cal cos­tu­mam se des­ti­nar mais a ati­vi­da­des ro­ti­nei­ras co­mo ma­nu­fa­tu­ra bá­si­ca, tec­no­lo­gia in­dus­tri­al, apoio téc­ni­co ou ca­pa­ci­ta­ção de for­ne­ce­do­res do que à P,D&I pro­pri­a­men­te di­ta. São, por­tan­to, de me­nor qu­a­li­da­de em ter­mos dos im­pac­tos econô­mi­cos pro­vo­ca­dos.

Se es­ses es­tu­dos es­tão cer­tos, tem-se na me­nor efe­ti­vi­da­de dos be­ne­fí­ci­os fis­cais na in­du­ção de ati­vi­da­des de P,D&I uma das pos­sí­veis ex­pli­ca­ções pa­ra o apa­ren­te pa­ra­do­xo bra­si­lei­ro no qual os in­di­ca­do­res de in­ten­si­da­de do es­for­ço tec­no­ló­gi­co na­ci­o­nal au­men­ta­ram sem se fa­ze­rem acom­pa­nhar dos es­pe­ra­dos ga­nhos de pro­du­ti­vi­da­de e com­pe­ti­ti­vi­da­de do país.

Além dis­so, não se de­ve es­que­cer que o idi­os­sin­crá­ti­co sis­te­ma tri­bu­tá­rio bra­si­lei­ro, for­te­men­te apoi­a­do em im­pos­tos so­bre pro­du­tos e ou­tras ba­ses si­mi­la­res, não é exa­ta­men­te o mais ade­qua­do pa­ra a con­ces­são de in­cen­ti­vos à ino­va­ção. So­men­te uma me­nor par­te dos in­cen­ti­vos fis­cais po­dem ser con­ce­di­dos di­re­ta­men­te co­mo re­com­pen­sa à re­a­li­za­ção de ati­vi­da­des ino­va­ti­vas (co­mo é o ca­so das de­du­ções de IRPJ da Lei do Bem, ape­nas pa­ra em­pre­sas no re­gi­me de lu­cro re­al). A mai­or par­te é en­de­re­ça­da a pro­du­tos es­pe­cí­fi­cos co­mo no ca­so da Lei de In­for­má­ti­ca, do an­ti­go pro­gra­ma Ino­var-Au­to cri­a­do pa­ra a in­dús­tria au­to­mo­bi­lís­ti­ca, ago­ra mo­di­fi­ca­do e re­ba­ti­za­do co­mo Ro­ta 2030 e di­ver­sos ou­tros regimes tri­bu­tá­ri­os es­pe­ci­ais. Es­sa ina­de­qua­ção obri­ga a exi­gên­cia de con­tra­par­ti­das co­mo, por exem­plo, a re­a­li­za­ção de pro­ces­sos pro­du­ti­vos bá­si­cos, o que di­fi­cul­ta a ope­ra­ci­o­na­li­za­ção e o mo­ni­to­ra­men­to da con­ces­são da re­nún­cia fis­cal, cons­ti­tuin­do mais um fa­tor pre­ju­di­ci­al à efe­ti­vi­da­de do ins­tru­men­to.

Por fim, pen­san­do pros­pec­ti­va­men­te, a gran­de qu­es­tão é se se­rá pos­sí­vel pro­mo­ver o sal­to re­que­ri­do no sis­te­ma na­ci­o­nal de ino­va­ção com ba­se em um mo­de­lo de fi­nan­ci­a­men­to fis­cal. E a res­pos­ta não pa­re­ce po­si­ti­va. Ca­da vez mais a ino­va­ção é co­mo um gol. Quem faz o gol? O ata­can­te que põe a bo­la pa­ra den­tro? O com­pa­nhei­ro que deu a as­sis­tên­cia, o jo­ga­dor que ini­ci­ou a jo­ga­da? O trei­na­dor que de­fi­niu a es­ca­la­ção e a es­tra­té­gia de jo­go, a co­mis­são téc­ni­ca que pre­pa­rou o ti­me? Pois é, to­dos eles. Sig­ni­fi­ca is­so que as ati­vi­da­des de P,D&I ca­da vez mais são re­a­li­za­das em re­de (ex­tra-mu­ros). E são co­nhe­ci­das as li­mi­ta­ções do in­cen­ti­vo fis­cal na sua ca­pa­ci­da­de de fo­men­tar es­for­ços de P&D que trans­cen­dam os pro­gra­mas con­ven­ci­o­nais de pes­qui­sa “in­tra-mu­ros” re­a­li­za­dos pe­las em­pre­sas.

Nes­se mo­men­to, não é pos­sí­vel en­con­trar ne­nhu­ma in­di­ca­ção de que o no­vo go­ver­no pre­ten­de re­ver­ter o atu­al qua­dro de des­fi­nan­ci­a­men­to en­fren­ta­do pe­las ati­vi­da­des de P,D&I e, em ca­so afir­ma­ti­vo, quais se­ri­am as ações to­ma­das com es­sa fi­na­li­da­de. Mes­mo as­sim, ou até mes­mo por is­so, os se­to­res da so­ci­e­da­de, ho­je em gran­de nú­me­ro, que se mo­bi­li­zam pe­la ino­va­ção no Bra­sil não po­dem se li­mi­tar a de­fen­der ape­nas a re­cu­pe­ra­ção e am­pli­a­ção do mon­tan­te to­tal do gas­to com P,D&I. É ne­ces­sá­rio tam­bém avan­çar na de­fi­ni­ção do con­jun­to de ins­tru­men­tos da po­lí­ti­ca tec­no­ló­gi­ca mais efe­ti­vos di­an­te da re­a­li­da­de na­ci­o­nal. O apoio à ino­va­ção por meio de isen­ções fis­cais é evi­den­te­men­te de­se­já­vel, mas pre­ci­sa ser aper­fei­ço­a­do a luz da ex­pe­ri­ên­cia acu­mu­la­da na sua uti­li­za­ção re­cen­te.

O apoio à ino­va­ção por meio de isen­ções fis­cais é evi­den­te­men­te de­se­já­vel, mas pre­ci­sa ser aper­fei­ço­a­do

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.