Por re­po­si­ção to­tal do Fun­do Glo­bal

Or­ça­men­to es­tan­cou após a cri­se de 2008. Por Jef­frey Sa­chs, Gui­do Traub e Va­nes­sa Tur­ner

Valor Econômico - - OPINIÃO - (Tra­du­ção de Ra­chel Wars­zaws­ki)

Ame­di­da úni­ca mais im­por­tan­te de saú­de pú­bli­ca em 2019 é a re­ca­pi­ta­li­za­ção do Fun­do Glo­bal de com­ba­te à aids, tu­ber­cu­lo­se e ma­lá­ria, do­en­ças que ma­tam atu­al­men­te cer­ca de 2,5 mi­lhões de pes­so­as por ano e que po­de­ri­am ser in­tei­ra­men­te con­ti­das até 2030. O Fun­do Glo­bal é o ins­tru­men­to pri­mor­di­al pa­ra o su­ces­so, e ele pre­ci­sa cap­tar US$ 10 bi­lhões ao ano pa­ra cum­prir sua mis­são.

Ao Fun­do Glo­bal, fun­da­do em 2001 por Ko­fi An­nan, é atri­buí­do o mé­ri­to de ter sal­va­do 27 mi­lhões de vi­das e de ter con­tro­la­do as três epi­de­mi­as ao pon­to de elas po­de­rem, re­a­lis­ti­ca­men­te, ser ex­tir­pa­das até 2030. Em­bo­ra ne­nhu­ma das três mo­lés­ti­as pos­sa ser com­ple­ta­men­te er­ra­di­ca­da até es­sa da­ta, qua­se to­das as mor­tes e no­vas con­ta­mi­na­ções po­dem ser de­ti­das, por­que o di­ag­nós­ti­co, a pre­ven­ção e o tra­ta­men­to me­lho­ra­ram no­ta­vel­men­te e ba­ra­te­a­ram mui­to nos úl­ti­mos 25 anos.

No ca­so da aids, o tra­ta­men­to do ví­rus HIV não ape­nas man­tém sau­dá­veis os in­di­ví­du­os con­ta­mi­na­dos co­mo tam­bém re­duz tan­to a car­ga de ví­rus que eles pou­co ten­dem a con­ta­mi­nar ou­tros. Nes­se sen­ti­do, “tra­ta­men­to é pre­ven­ção”: tra­tar uma par­ce­la su­fi­ci­en­te­men­te ele­va­da de in­di­ví­du­os so­ro­po­si­ti­vos HIV em gran­de medida po­rá fim à trans­mis­são do ví­rus.

No mes­mo sen­ti­do, avan­ços no di­ag­nós­ti­co (um sim­ples exa­me de san­gue co­lhi­do com uma pi­ca­di­nha in­do­lor), na pre­ven­ção (mos­qui­tei­ros com tra­ta­men­to de in­se­ti­ci­das de al­ta du­ra­ção, en­tre ou­tros ins­tru­men­tos), e tra­ta­men­to (me­di­ca­men­tos com­bi­na­dos de bai­xo cus­to à ba­se de ar­te­mi­si­ni­na) pos­si­bi­li­tam eli­mi­nar qua­se to­das as mor­tes por ma­lá­ria (que já caí­ram 60% em re­la­ção a seu pi­co do iní­cio da dé­ca­da de 2000). O re­cen­te au­men­to das con­ta­mi­na­ções e das mor­tes é um si­nal alar­man­te de que o mun­do vol­tou a su­bin­ves­tir em seu com­ba­te.

No ca­so da tu­ber­cu­lo­se, o de­sa­fio con­ti­nua a ser o di­ag­nós­ti­co pre­co­ce e o tra­ta­men­to efi­caz, com aten­ção es­pe­ci­al à tu­ber­cu­lo­se re­sis­ten­te a múl­ti­plas dro­gas. A ta­xa de mor­ta­li­da­de por tu­ber­cu­lo­se caiu cer­ca de 42% des­de 2000. Com co­ber­tu­ra su­fi­ci­en­te de mo­ni­to­ra­men­to e tra­ta­men­to efi­ci­en­tes, as mor­tes re­ma­nes­cen­tes po­de­rão ser ex­tin­tas tam­bém.

Os cus­tos re­la­ti­va­men­te bai­xos e os be­ne­fí­ci­os gi­gan­tes­cos des­sas in­ter­ven­ções per­mi­tem con­cluir que paí­ses de al­ta ren­da e de ren­da mé­dia-al­ta de­ve­ri­am pri­o­ri­zar seus pro­gra­mas de saú­de e seus or­ça­men­tos na­ci­o­nais cor­res­pon­den­te­men­te. De ma­nei­ra cho­can­te, nos Es­ta­dos Uni­dos ape­nas me­ta­de dos in­di­ví­du­os HIV po­si­ti­vos re­ce­bem tra­ta­men­to, de­vi­do à ne­gli­gên­cia do go­ver­no fe­de­ral.

No ca­so de paí­ses de bai­xa ren­da e de mui­tos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to de ren­da mé­dia-bai­xa, no en­tan­to, os or­ça­men­tos na­ci­o­nais não são su­fi­ci­en­tes. Cál­cu­los re­cen­tes do Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal (FMI) mos­tram que es­ses paí­ses não têm mei­os pa­ra ga­ran­tir co­ber­tu­ra uni­ver­sal de saú­de e ou­tros ser­vi­ços bá­si­cos pre­co­ni­za­dos pe­los Ob­je­ti­vos de De­sen­vol­vi­men­to Sus­ten­tá­vel (17 me­tas es­ta­be­le­ci­das pe­la As­sem­bleia-Ge­ral da ONU).

Es­se foi um dos dois mo­ti­vos pa­ra cri­ar o Fun­do Glo­bal, pa­ra co­me­çar: au­men­tar a ca­pa­ci­da­de dos paí­ses mais po­bres de con­tro­lar as epi­de­mi­as. O ou­tro mo­ti­vo foi mo­bi­li­zar ci­ên­cia mun­di­al de pon­ta e ges­tão ri­go­ro­sa pa­ra as três epi­de­mi­as. Gra­ças a seu mo­de­lo de ne­gó­ci­os ex­clu­si­vo, o Fun­do Glo­bal faz as du­as coi­sas: ge­ra e dis­se­mi­na o co­nhe­ci­men­to ne­ces­sá­rio pa­ra com­ba­ter as três do­en­ças e mo­ni­to­ra ri­go­ro­sa­men­te a im­ple­men­ta­ção dos pro­je­tos que fi­nan­cia.

O Fun­do Glo­bal par­tiu pa­ra sua gran­de lar­ga­da no iní­cio da dé­ca­da de 2000, com só­li­do apoio dos dois par­ti­dos nos EUA e res­pal­do se­me­lhan­te, su­pra­par­ti­dá­rio, em ou­tros paí­ses. O pre­si­den­te dos EUA, Ge­or­ge W. Bush, foi o mai­or apoi­a­dor do Fun­do Glo­bal en­tre os di­ri­gen­tes mun­di­ais, e Bill Ga­tes foi seu prin­ci­pal fi­lan­tro­po. Mas o or­ça­men­to do Fun­do Glo­bal es­tan­cou após a cri­se fi­nan­cei­ra de 2008, e sur­giu um abis­mo en­tre o que é ne­ces­sá­rio e o que é efe­ti­va­men­te fi­nan­ci­a­do.

Es­se abis­mo tem de ser fe­cha­do em ou­tu­bro de 2019, quan­do o Fun­do Mun­di­al de­ve­rá ser re­ca­pi­ta­li­za­do pa­ra os anos 2020-22 nu­ma con­fe­rên­cia em Lyon pa­tro­ci­na­da pe­lo go­ver­no fran­cês. Na ro­da­da an­te­ri­or de re­po­si­ção de re­cur­sos, o Fun­do Glo­bal iden­ti­fi­cou um to­tal de três anos de ne­ces­si­da­de fi­nan­cei­ra de cer­ca de US$ 98 bi­lhões, dos quais o to­tal, com ex­ce­ção de apro­xi­ma­da­men­te US$ 30 bi­lhões, pô­de ser co­ber­to pe­los or­ça­men­tos do­més­ti­cos e por ou­tras fon­tes. Mas, em vez de co­brir o dé­fi­cit de US$ 30 bi­lhões (apro­xi­ma­da­men­te US$ 10 bi­lhões por ano), os do­a­do­res de­ram ao Fun­do Glo­bal ape­nas US$ 13 bi­lhões. A fal­ta de fi­nan­ci­a­men­to su­fi­ci­en­te per­mi­tiu que to­das as três do­en­ças con­ti­nu­as­sem a ma­tar e a se dis­se­mi­nar des­ne­ces­sa­ri­a­men­te.

Des­ta vez, to­do o dé­fi­cit tem de ser co­ber­to. O Fun­do Glo­bal emi­ti­rá em bre­ve sua pró­pria ava­li­a­ção das ne­ces­si­da­des de fi­nan­ci­a­men­to, mas os nú­me­ros, mui­to pro­va­vel­men­te, não mu­da­rão mui­to: cer­ca de US$ 30 bi­lhões em três anos, ou US$ 10 bi­lhões por ano.

Es­te é um pre­ço con­si­de­ra­vel­men­te bai­xo a pa­gar pa­ra sal­var mi­lhões de vi­das. Con­si­de­re­mos o que sig­ni­fi­cam, na ver­da­de, US$ 10 bi­lhões por ano. Pa­ra o 1,2 bi­lhão de pes­so­as dos paí­ses de al­ta ren­da, sig­ni­fi­cam US$ 8 por pes­soa por ano. Pa­ra o Pen­tá­go­no, sig­ni­fi­cam apro­xi­ma­da­men­te cin­co di­as de gas­tos. E, pa­ra os 2.208 bi­li­o­ná­ri­os do mun­do, sig­ni­fi­cam ape­nas 0,1% de seu pa­trimô­nio lí­qui­do con­jun­to (de cer­ca de US$ 9,1 tri­lhões).

Aqui vai, por­tan­to, uma pro­pos­ta bá­si­ca: O Fun­do Glo­bal de­ve­ria em­pe­nhar seus es­for­ços pa­ra cap­tar US$ 30 bi­lhões nos pró­xi­mos três anos. Me­ta­de dos US$ 30 bi­lhões po­de­ri­am vir de go­ver­nos do­a­do­res. Os EUA de­ve­ri­am dar con­ti­nui­da­de à sua tra­di­ção de apoio bi­par­ti­dá­rio. A Chi­na, no pas­sa­do uma be­ne­fi­ciá­ria do Fun­do Mun­di­al, de­ve­ria ago­ra se tor­nar uma do­a­do­ra. A ou­tra me­ta­de do fi­nan­ci­a­men­to de­ve­ria vir das pes­so­as mais ri­cas do mun­do, cu­ja for­tu­na dis­pa­rou nos úl­ti­mos anos. Ga­tes deu o exem­plo a ser se­gui­do, e, sob o pro­gra­ma Gi­ving Pled­ge que ele e War­ren Buf­fett lan­ça­ram, cen­te­nas de su­per-ri­cos po­de­ri­am se com­pro­me­ter com um apor­te de US$ 5 bi­lhões ao ano no pe­río­do 2020-2022.

Em um mun­do di­vi­di­do pe­lo con­fli­to e pe­la co­bi­ça, o com­ba­te mo­vi­do pe­lo Fun­do Glo­bal con­tra as três do­en­ças epi­dê­mi­cas é uma qu­es­tão de in­te­res­se pró­prio in­te­li­gen­te. É tam­bém um lem­bre­te do quan­to a hu­ma­ni­da­de é ca­paz de re­a­li­zar quan­do co­o­pe­ra­mos pa­ra sal­var vi­das.

Em um mun­do di­vi­di­do pe­lo con­fli­to e pe­la co­bi­ça, o com­ba­te mo­vi­do pe­lo Fun­do Glo­bal con­tra as três do­en­ças é uma qu­es­tão de in­te­res­se pró­prio in­te­li­gen­te. É tam­bém um lem­bre­te do quan­to a hu­ma­ni­da­de é ca­paz de re­a­li­zar quan­do co­o­pe­ra pa­ra sal­var vi­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.