Cre­che pú­bli­ca ele­va em 44 pon­tos pro­ba­bi­li­da­de de mãe tra­ba­lhar

Valor Econômico - - ESPECIAL - Thais Car­ran­ça

Uma mai­or ofer­ta de cre­ches pú­bli­cas am­pli­a­ria sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te a par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na no mer­ca­do de tra­ba­lho, apon­ta es­tu­do da Uni­ver­si­da­de de Ro­ches­ter, nos Es­ta­dos Uni­dos, com ba­se em da­dos do mu­ni­cí­pio de São Pau­lo. Ain­da con­for­me a pes­qui­sa, re­a­li­za­da pe­la eco­no­mis­ta Vi­vi­a­ne San­fe­li­ce, o im­pac­to po­de ser ain­da mai­or, ca­so a ofer­ta de ins­ti­tui­ções de cui­da­do pa­ra cri­an­ças se­ja des­ti­na­da a re­giões on­de o tra­ba­lho fe­mi­ni­no res­pon­de com mais for­ça à dis­po­ni­bi­li­da­de de cre­ches.

Se­gun­do o le­van­ta­men­to, par­te da te­se de dou­to­ra­do de Vi­vi­a­ne na uni­ver­si­da­de no­va-ior­qui­na, o uso de cre­ches pú­bli­cas por mães que não têm ou­tras op­ções de cui­da­do pa­ra seus fi­lhos au­men­ta em 44 pon­tos per­cen­tu­ais a pro­ba­bi­li­da­de de em­pre­go ma­ter­no. Com ba­se nes­te da­do, a eco­no­mis­ta cal­cu­la que uma re­du­ção de 10 pon­tos per­cen­tu­ais na lis­ta de es­pe­ra por cre­ches au­men­ta­ria a ta­xa de em­pre­go das mães em 1,2 pon­to per­cen­tu­al.

O tra­ba­lho das mu­lhe­res pos­si­bi­li­ta um au­men­to de ren­da às fa­mí­li­as, com efei­tos so­bre a re­du­ção da po­bre­za. Além dis­so, a po­lí­ti­ca po­de­ria ter efei­tos po­si­ti­vos so­bre a di­fe­ren­ça sa­la­ri­al en­tre ho­mens e mu­lhe­res, além de es­ti­mu­lar as fi­lhas des­sas mães a tam­bém tra­ba­lhar no fu­tu­ro, afir­ma a pes­qui­sa­do­ra, com ba­se na li­te­ra­tu­ra so­bre o te­ma.

Pa­ra che­gar aos re­sul­ta­dos, a pes­qui­sa­do­ra usou da­dos do Cen­so bra­si­lei­ro de 2010, do Ins­ti­tu­to Bra­si­lei­ro de Ge­o­gra­fia e Es­ta­tís­ti­ca (IBGE), e nú­me­ros da Se­cre­ta­ria Mu­ni­ci­pal de Edu­ca­ção de São Pau­lo so­bre o ex­ces­so de de­man­da por cre­ches pú­bli­cas na ca­pi­tal pau­lis­ta na­que­le ano. Ape­sar de a Pes­qui­sa Na­ci­o­nal por Amos­tra de Do­mi­cí­li­os (Pnad) ter nú­me­ros mais re­cen­tes, a pes­qui­sa amos­tral não per­mi­te a aná­li­se ge­o­grá­fi­ca no ní­vel mu­ni­ci­pal, ex­pli­ca Vi­vi­a­ne, so­bre a es­co­lha dos da­dos.

“A ideia foi com­pa­rar mães com ca­rac­te­rís­ti­cas si­mi­la­res co­mo ní­vel de edu­ca­ção e es­ta­do ci­vil e que mo­ram nu­ma mes­ma re­gião da ci­da­de, mas uma mãe tem um fi­lho de 2 anos, e a ou­tra, um fi­lho de 3 anos, por exem­plo”, con­ta Vi­vi­a­ne.

“Co­mo a lis­ta de es­pe­ra pa­ra cri­an­ças de 2 anos é ge­ral­men­te mai­or do que a lis­ta de es­pe­ra pa­ra a cri­an­ças de 3 anos, a mãe des­ta cri­an­ça tem mais chan­ces de con­se­guir va­ga na cre­che pú­bli­ca. En­tão, com­pa­ran­do a par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho des­sas du­as mães, co­mo elas são idên­ti­cas ex­ce­to pe­la chan­ce de aces­so à cre­che pú­bli­ca, con­si­go atri­buir a di­fe­ren­ça em sua par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho ao uso da cre­che”, afir­ma a eco­no­mis­ta.

Ape­sar de dé­ca­das de avan­ços na par­ti­ci­pa­ção na for­ça de tra­ba­lho, as mu­lhe­res ain­da en­con­tram em­pe­ci­lhos que não são en­fren­ta­dos pe­los ho­mens, des­ta­ca a pes­qui­sa­do­ra, em ar­ti­go ain­da não pu­bli­ca­do. Uma des­sas bar­rei­ras es­tá re­la­ci­o­na­da ao pa­pel da mu­lher no cui­da­do fa­mi­li­ar.

A ofer­ta de ins­ti­tui­ções edu­ca­ci­o­nais pú­bli­cas pa­ra cri­an­ças mais no­vas vi­sa, em cer­ta medida, en­de­re­çar es­se pro­ble­ma. No en­tan­to, his­to­ri­ca­men­te, o go­ver­no pri­o­ri­zou a ofer­ta da pré-es­co­la, que aten­de cri­an­ças de 4 a 5 anos, em de­tri­men­to das cre­ches, que re­ce­bem pe­que­nos até 3 anos. No Pla­no Na­ci­o­nal de Edu­ca­ção (PNE) de 2010, por exem­plo, foi es­ta­be­le­ci­da me­ta de uni­ver­sa­li­za­ção da pré-es­co­la até 2016, en­quan­to pa­ra o aces­so a cre­ches, a me­ta foi de 50% até 2024.

Ou­tro pon­to que ex­pli­ca a es­cas­sez de va­gas pa­ra as cri­an­ças mais no­vas, se­gun­do Vi­vi­a­ne, é a di­fe­ren­ça de cus­to. “Pa­ra cri­an­ças mais no­vas, a re­gu­la­ção exi­ge um nú­me­ro me­nor de cri­an­ças por ins­tru­tor”, diz. Em São Pau­lo, por exem­plo, são se­te cri­an­ças de 0 a 1 ano pa­ra ca­da ins­tru­tor, nú­me­ro que so­be a 25 por ins­tru­tor pa­ra me­ni­nos e me­ni­nas de 4 a 5 anos.

As­sim, di­an­te do ex­ces­so de de­man­da, ca­be ao Po­der Pú­bli­co a to­ma­da de de­ci­são so­bre co­mo li­dar com a es­cas­sez de re­cur­sos pa­ra aten­dê-la. Se­gun­do Vi­vi­a­ne, a es­tra­té­gia a ser ado­ta­da de­pen­de dos ob­je­ti­vos do go­ver­no.

“Se o ob­je­ti­vo do go­ver­no é usar a ofer­ta de cre­ches pú­bli­cas pa­ra es­ti­mu­lar o tra­ba­lho das mu­lhe­res, uma al­ter­na­ti­va se­ria alo­car re­cur­sos ge­o­gra­fi­ca­men­te em áre­as em que ofer­ta de tra­ba­lho das mães é mais elás­ti­ca à ofer­ta de cre­ches”, diz Vi­vi­a­ne.

Já se o ob­je­ti­vo prin­ci­pal do Po­der Pú­bli­co for ga­ran­tir e pa­dro­ni­zar a qu­a­li­da­de no cui­da­do das cri­an­ças nos pri­mei­ros anos de vi­da, de for­ma a me­lho­rar a for­ma­ção de ca­pi­tal humano e di­mi­nuir a de­si­gual­da­de so­ci­al, fa­ria mais sen­ti­do pri­o­ri­zar a ofer­ta de cre­ches à fa­mí­li­as de bai­xa ren­da, se­gun­do a pes­qui­sa­do­ra.

“Com is­so a par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho de mu­lhe­res com me­nos edu­ca­ção au­men­ta 1 pon­to per­cen­tu­al, mas es­se cri­té­rio de alo­ca­ção aca­ba di­mi­nuin­do a par­ti­ci­pa­ção no mer­ca­do de tra­ba­lho de al­gu­mas mães com até en­si­no mé­dio, por­que elas per­dem aces­so”, afir­ma. “Pa­ra mães com edu­ca­ção su­pe­ri­or, não ob­ser­vo di­fe­ren­ça no ní­vel de em­pre­go por­que elas aca­bam usan­do o se­tor pri­va­do.”

Se­gun­do da­dos do IBGE, em 2017, so­men­te 32,7% das cri­an­ças bra­si­lei­ras de 0 a 3 anos fre­quen­ta­vam cre­ches. Pa­ra cri­an­ças de 4 a 5 anos, em ida­de prées­co­lar, o per­cen­tu­al che­ga­va a 91,7%. Ain­da con­for­me a Pnad, 34,7% (897 mil) das cri­an­ças de 2 e 3 anos e 21,1% (903 mil) das cri­an­ças de 0 a 1 ano não fre­quen­ta­vam a es­co­la por di­fi­cul­da­de de aces­so, por fal­ta de va­ga ou de es­co­la na lo­ca­li­da­de.

A ta­xa de par­ti­ci­pa­ção fe­mi­ni­na na for­ça de tra­ba­lho era de 52,5% ao fim de 2017, com­pa­ra­da a 72% de par­ti­ci­pa­ção dos ho­mens. Um dos mo­ti­vos que ex­pli­cam a di­fe­ren­ça en­tre os gê­ne­ros é jus­ta­men­te a fal­ta de cre­che.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.