Re­a­jus­te de pre­ços es­tá na mira das te­les

Pa­ra ana­lis­tas, me­lho­ra da eco­no­mia abre es­pa­ço pa­ra au­men­tos; TIM já anun­ci­ou os seus

Valor Econômico - - EMPRESAS - Alexandre Me­lo IPCA

A com­pe­ti­ção acir­ra­da en­tre as ope­ra­do­ras de te­le­co­mu­ni­ca­ções, que der­ru­bou os pre­ços nos ser­vi­ços de te­le­fo­nia mó­vel nos úl­ti­mos 12 me­ses, es­tá fi­can­do pa­ra trás. A ex­pec­ta­ti­va de re­to­ma­da do cres­ci­men­to econô­mi­co pa­ra 2019 in­cen­ti­va as em­pre­sas a pro­je­tar um ce­ná­rio de re­com­po­si­ção dos va­lo­res co­bra­dos e me­lho­ra nas mar­gens de ren­ta­bi­li­da­de.

Os pre­ços nos ser­vi­ços de voz, ban­da lar­ga e pa­co­tes com in­ter­net su­bi­ram aci­ma do Ín­di­ce Na­ci­o­nal de Pre­ços ao Con­su­mi­dor Am­plo (IPCA), de ja­nei­ro a mar­ço de 2018. Mas, a par­tir de abril co­me­ça­ram a de­sa­ce­le­rar e per­de­ram a cor­ri­da pa­ra a in­fla­ção, que fe­chou o ano em 3,75% (ver grá­fi­co ao la­do).

A TIM Bra­sil fa­rá seu pri­mei­ro au­men­to de 2019 em no­ve pa­co­tes do seg­men­to pós-pa­go a par­tir de 1 de fe­ve­rei­ro. Pe­los va­lo­res já pu­bli­ca­dos pe­la com­pa­nhia, a mai­o­ria de­les su­pe­ra a in­fla­ção de 2018, com va­ri­a­ção de 3,84% a 9,09%. A al­ta se­rá mai­or nos pla­nos de R$ 109,99 a R$ 259,99.

A ana­lis­ta de te­le­co­mu­ni­ca­ção do Itaú BBA, Su­sa­na Sa­la­ru, dis­se que as em­pre­sas ini­ci­a­ram os re­a­jus­tes no se­gun­do se­mes­tre de 2018. “A TIM ele­vou o pre­ço do pla­no con­tro­le em agos­to e do pós­pa­go nes­te mês”, afir­mou. Em no­ta, a te­le in­for­mou que “pra­ti­ca um va­lor pro­mo­ci­o­nal e tem­po­rá­rio pa­ra a ofer­ta TIM Pós Plus” e que a al­te­ra­ção no pre­ço “res­pei­ta a vi­gên­cia do re­gu­la­men­to”.

Se­gun­do Sa­la­ru, a di­nâ­mi­ca de pre­ços se­rá mais “ra­ci­o­nal” en­tre os com­pe­ti­do­res. O re­a­que­ci­men­to da eco­no­mia cria um am­bi­en­te be­nig­no pa­ra con­ti­nu­ar es­ses re­a­jus­tes. O Itaú pro­je­ta que o Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) de­ve cres­cer 2,5% nes­te ano. A ex­pan­são es­ti­ma­da pa­ra 2018 é de 1,3%.

“Não tem co­mo fa­zer re­a­jus­tes aci­ma do po­der de com­pra. É pre­ci­so co­e­rên­cia pa­ra man­ter o equi­lí­brio econô­mi­co-fi­nan­cei­ro da ope­ra­ção e con­ti­nu­ar in­ves­tin­do em in­fra­es­tru­tu­ra”, diz o di­re­tor de mar­ke­ting da Oi, Ro­gé­rio Ta­kaya­na­gi. Ele tam­bém con­si­de­ra que o au­men­to do PIB abri­rá es­pa­ço pa­ra me­lho­rar a re­cei­ta e a mar­gem das com­pa­nhi­as. Se­gun­do ana­lis­tas, a Oi tem si­do mais agres­si­va nos pre­ços pa­ra re­cu­pe­rar mer­ca­do. Nes­te ano, diz o di­re­tor, as lí­de­res de mer­ca­do vão de­ter­mi­nar os pre­ços e a Oi vai acom­pa­nhar.

Com a es­pe­ra­da ex­pan­são da eco­no­mia em re­la­ção ao ano pas­sa­do, os pre­ços de ser­vi­ços de ban­da lar­ga e TV pa­ga tam­bém vi­ram al­vo de re­a­jus­te. “Pen­so que não ape­nas os pre­ços em te­le­fo­nia mó­vel su­bi­rão. É pre­ci­so ver os ser­vi­ços em con­jun­to”, dis­se o ana­lis­ta­che­fe do San­tan­der, Val­der No- guei­ra. Pa­ra o es­pe­ci­a­lis­ta, o tí­que­te mé­dio do usuá­rio e a re­cei­ta das com­pa­nhi­as po­dem su­bir. Em re­la­tó­rio, o ana­lis­ta do Cre­dit Suis­se, Da­ni­el Fe­der­le, diz que as di­nâ­mi­cas de pre­ço mais agres­si­vas em to­dos os seg­men­tos mó­veis da­rão lu­gar à “ra­ci­o­na­li­da­de de pre­ços”.

O di­re­tor-exe­cu­ti­vo do sin­di­ca­to que reú­ne as gran­des ope­ra­do­res (Sin­diTe­le­bra­sil), Edu­ar­do Levy, tem uma vi­são di­fe­ren­te. “Não ve­jo am­bi­en­te mais ra­ci­o­nal e os pre­ços con­ti­nu­a­rão cain­do”, dis­se. Se­gun­do ele, o pre­ço mé­dio do mi­nu­to pas­sou de R$ 0,14, em 2014, pa­ra R$ 0,06 em 2018. Da­dos da con­sul­to­ria Te­le­co e do Sin­diTe­le­bra­sil, mos­tram que o pre­ço mé­dio da in­ter­net mó­vel pós-pa­ga no país caiu 25% em 2018, pa­ra R$ 20,07.

Em de­zem­bro, o en­tão vi­ce-pre­si­den­te-exe­cu­ti­vo da Te­lefô­ni­ca Bra­sil, Ch­ris­ti­an Ge­ba­ra, que as­su­miu o co­man­do da em­pre­sa nes­te mês de ja­nei­ro, dis­se que a in­fla­ção mais bai­xa li­mi­ta os re­a­jus­tes. A es­tra­té­gia, en­tão, é ten­tar ven­der pa­co­tes com mais ser­vi­ços di­gi­tais.

Na Al­gar Te­le­com, o di­re­tor de va­re­jo, Már­cio de Je­sus, diz que pa­ra bus­car o equi­lí­brio se­rá tra­ba­lha­da a efi­ci­ên­cia de cus­tos e in­ves­ti­men­tos, ele­van­do os va­lo­res dos pa­co­tes e os be­ne­fí­ci­os. A Cla­ro in­for­mou ape­nas que su­as po­lí­ti­cas co­mer­ci­ais “são di­nâ­mi­cas e per­ma­nen­te­men­te adap­ta­das ao con­tex­to dos mer­ca­dos on­de atua”.

LÉO PI­NHEI­RO/VA­LOR

Ta­kaya­na­gi, da Oi: ‘Não tem co­mo fa­zer re­a­jus­tes aci­ma do po­der de com­pra’

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.