Pe­tro­bras de­ve re­es­tru­tu­rar ven­da de ati­vos

Valor Econômico - - EMPRESAS - Pe­tró­leo Ro­dri­go Po­li­to Sob no­va ges­tão

Es­pe­ci­a­lis­tas do se­tor de óleo e gás es­pe­ram pou­cas mu­dan­ças no pla­no de ne­gó­ci­os e ges­tão da Pe­tro­bras 2019-2023, com pre­vi­são de in­ves­ti­men­tos de US$ 84,1 bi­lhões, pe­la ges­tão do pre­si­den­te Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co. Na ava­li­a­ção de­les, as prin­ci­pais al­te­ra­ções de­vem ocor­rer no pro­gra­ma de de­sin­ves­ti­men­tos, que pre­vê le­van­tar US$ 26,9 bi­lhões no pe­río­do, a par­tir de uma re­es­tru­tu­ra­ção mais ou­sa­da do pla­no de ven­da de ati­vos, prin­ci­pal­men­te em re­fi­no.

O pró­prio Cas­tel­lo Bran­co já in­di­cou que de­ve fa­zer ape­nas ajus­tes pon­tu­ais no pla­no de ne­gó­ci­os, mas si­na­li­zou que ati­vos que não fa­zem par­te da com­pe­tên­cia prin­ci­pal da com­pa­nhia — ex­plo­ra­ção e pro­du­ção (E&P) — se­rão ava­li­a­dos pa­ra pos­sí­vel ven­da. “Em prin­cí­pio, ele [o pla­no] é mui­to bom. De­pois va­mos ter opor­tu­ni­da­de de olhar com mai­or pro­fun­di­da­de”, dis­se o exe­cu­ti­vo, du­ran­te a ce­rimô­nia de sua pos­se no car­go, há du­as se­ma­nas. “Tais ati­vos [cam­pos ter­res­tres e em águas ra­sas, ati­vos de lo­gís­ti­ca e re­fi­no e abas­te­ci­men­to] de­vem ser ob­je­to de aná­li­se pa­ra in­clu­são no pro­gra­ma de ges­tão de port­fó­lio da com­pa­nhia com vis­tas ao de­sin­ves­ti­men­to.”

Pa­ra Alexandre Cal­mon, es­pe­ci­a­lis­ta em pe­tró­leo e gás na­tu­ral e só­cio do es­cri­tó­rio Tauil & Che­quer, a prin­ci­pal medida que a Pe­tro­bras de­ve­rá im­ple­men­tar a par­tir de ago­ra é uma re­es­tru­tu­ra­ção do pla­no de ven­da de ati­vos, com des­ta­que pa­ra o re­fi­no.

Dois fa­to­res con­tri­bu­em pa­ra is­so. O pri­mei­ro foi a re­co­men­da­ção do Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de) pa­ra que a Pe­tro­bras ven­da a to­ta­li­da­de das qua­tro re­fi­na­ri­as que in­te­gram ho­je o seu pla­no de de­sin­ves­ti­men­tos (sen­do du­as no Nor­des­te e du­as no Sul). O de­se­nho ini­ci­al da Pe­tro­bras pre­via a ven­da de 60% de par­ti­ci­pa­ção nes­sas uni­da­des. O Ca­de re­co­men­dou ain­da que a es­ta­tal ven­da uma re­fi­na­ria no Su­des­te.

O se­gun­do fa­tor é que, ca­so a Pe­tro­bras de­ci­da pe­la ven­da in­te­gral des­sas re­fi­na­ri­as, a ope­ra­ção de de­sin­ves­ti­men­to se­rá sim­pli­fi­ca­da e, em te­se, li­vre de im­pe­di­men­to ju­di­ci­al. Na hi­pó­te­se ini­ci­al, a Pe­tro­bras te­rá que cri­ar uma sub­si­diá­ria res­pon­sá­vel pe­las par­ti­ci­pa­ções nas re­fi­na­ri­as que se­rão ven­di­das. Ho­je, po­rém, há uma li­mi­nar em vi­gor do mi­nis­tro do Su­pre­mo Tri­bu­nal Fe­de­ral (STF) Ri­car­do Lewan­dows­ki que im­pe­de a ven­da de es­ta­tais e sub­si­diá­ri­as sem a apro­va­ção pré­via do Le­gis­la­ti­vo. Mas, se a Pe­tro­bras ven­der a par­ti­ci­pa­ção de 100% na re­fi­na­ria, não ha­ve­rá ne­ces­si­da­de de cri­a­ção de uma sub­si­diá­ria e, com is­so, não ha­ve­rá efei­to da li­mi­nar do STF.

Se­gun­do o es­pe­ci­a­lis­ta, ou­tra men­sa­gem nes­sa li­nha foi a in­di­ca­ção de Ane­li­se Lara pa­ra a di­re­to­ria de Re­fi­no e Gás Na­tu­ral. Ane­li­se res­pon­dia an­te­ri­or­men­te pe­la ge­rên­cia exe­cu­ti­va de Aqui­si­ções e De­sin­ves­ti­men­tos da com­pa­nhia.

Pau­lo Va­lois, es­pe­ci­a­lis­ta em pe­tró­leo e gás do es­cri­tó­rio Schmidt Va­lois, tam­bém vê es­pa­ço pa­ra a Pe­tro­bras aper­fei­ço­ar a sis­te­má­ti­ca de de­sin­ves­ti­men­tos, pa­ra tor­nar mais rá­pi­do o pro­ces­so de ven­da de ati­vos. “A Pe­tro­bras tem que ter um mo­de­lo mais cé­le­re de ven­da de ati­vos”, afir­mou, de­fen­den­do que o pro­ces­so le­ve ao to­do oi­to me­ses, des­de o anún­cio ao mer­ca­do até o fe­cha­men­to da ope­ra­ção.

Se­gun­do ele, por exem­plo, o “re­bid”, ou se­ja, quan­do há uma se­gun­da ro­da­da de ofer­tas por po­ten­ci­ais com­pra­do­res pa­ra de­ter­mi­na­do ati­vo, to­ma mui­to tem­po e nem sem­pre traz o be­ne­fí­cio es­pe­ra­do pe­la pe­tro­lei­ra.

Com re­la­ção ao pla­no de ne­gó­ci­os, Cal­mon, do Tauil & Che­quer, des­ta­cou co­mo fa­tor po­si­ti­vo o au­men­to de in­ves­ti­men­tos em ex­plo­ra­ção, o que tra­rá efei­to de lon­go pra­zo pa­ra a in­dús­tria pe­tro­lí­fe­ra. “An­tes, a Pe­tro­bras pri­o­ri­zou o ‘P’ [de pro­du­ção, na si­gla E&P]. Ago­ra, ela vol­ta a ter in­ves­ti­men­tos em ex­plo­ra­ção”, afir­mou o es­pe­ci­a­lis­ta.

Dos US$ 84,1 bi­lhões de in­ves­ti­men­tos pre­vis­tos no pla­no de ne­gó­ci­os, US$ 68,8 bi­lhões se­rão pa­ra E&P. Des­ses, 16% (US$ 11 bi­lhões) es­tão pre­vis­tos es­pe­ci­fi­ca­men­te pa­ra ex­plo­ra­ção. O va­lor é 66% su­pe­ri­or ao des­ti­na­do pa­ra ex­plo­ra­ção no pla­no an­te­ri­or (2018-2022), de US$ 6,6 bi­lhões.

De for­ma ge­ral, Va­lois tam­bém elo­gi­ou o pla­no. “Ele é mais re­a­lis­ta do que os an­te­ri­o­res. Es­pe­ro que a Pe­tro­bras se de­sa­la­van­que mais ra­pi­da­men­te”. A no­va me­ta de en­di­vi­da­men­to da es­ta­tal é de 1,5 vez a dí­vi­da lí­qui­da so­bre o Ebit­da em 2020, an­te a me­ta de 2,5 ve­zes em 2018, con­ti­da no pla­no an­te­ri­or.

Pa­ra Lud­mil­la Cor­key, ad­vo­ga­da es­pe­ci­a­lis­ta em Ener­gia do es­cri­tó­rio SV Law, as fren­tes de atu­a­ção de­fi­ni­das no pla­no da Pe­tro­bras le­va­rão à me­lho­ria fi­nan­cei­ra da com­pa­nhia e ao de­sen­vol­vi­men­to do se­tor. “Ao que apa­ren­ta, o pla­no bus­ca cres­ci­men­to e um cres­ci­men­to que bus­ca olhar pa­ra as no­vas de­man­das glo­bais, es­pe­ra­mos, as­sim, que não so­fra mui­tas al­te­ra­ções pe­la no­va ges­tão”, dis­se ela.

Na mes­ma li­nha, Bruno Gan­dol­fo, es­pe­ci­a­lis­ta em Pe­tró­leo e Gás do Stoc­che For­bes Ad­vo­ga­dos, en­xer­ga con­ti­nui­da­de no pla­no de ne­gó­ci­os, mas des­ta­ca um olhar da com­pa­nhia pa­ra as fon­tes re­no­vá­veis. “O pla­no apre­sen­ta uma ten­dên­cia já se­gui­da por ou­tras pe­tro­lei­ras in­ter­na­ci­o­nais pa­ra in­ves­ti­men­to, ain­da que tí­mi­do, em fon­tes re­no­vá­veis de ge­ra­ção de ener­gia, co­mo por exem­plo a eó­li­ca, tan­to onsho­re [ter­res­tre] quan­to offsho­re [ma­rí­ti­ma], e fo­to­vol­tai­ca, com o in­tui­to, ma­jo­ri­ta­ri­a­men­te, de cum­prir com a agen­da es­ta­be­le­ci­da pe­lo Acor­do de Pa­ris, do qual o Bra­sil é sig­na­tá­rio”, dis­se.

A Pe­tro­bras pre­vê US$ 400 mi­lhões pa­ra ener­gia eó­li­ca, so­lar e de bi­o­com­bus­tí­veis até 2023.

Na ca­deia for­ne­ce­do­ra, a ex­pec­ta­ti­va tam­bém é po­si­ti­va. “As no­tí­ci­as são bo­as, por­que a quan­ti­da­de de in­ves­ti­men­tos que se­rão fei­tos é mui­to gran­de. O pla­no é bas­tan­te sa­tis­fa­tó­rio, ain­da mais se vo­cê ima­gi­nar que es­ta­mos sain­do de uma cri­se dos úl­ti­mos qua­tro, cin­co anos, em que as ven­das de bens de ca­pi­tal pa­ra es­te se­tor caí­ram mui­to. Se­ria uma re­to­ma­da”, afir­mou Jo­sé Vel­lo­so, pre­si­den­te exe­cu­ti­vo da As­so­ci­a­ção Bra­si­lei­ra da In­dús­tria de Má­qui­nas e Equi­pa­men­tos (Abi­maq).

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.