Cho­que cul­tu­ral

Valor Econômico - - | EMPRESAS CARREIRA -

de 26% atri­bu­em o de­se­jo à cri­se e ao al­to ní­vel de de­sem­pre­go no Bra­sil, 23% à fal­ta de pers­pec­ti­va na pró­pria car­rei­ra e 16% à que­da no pa­drão de vi­da dos úl­ti­mos anos. O idi­o­ma é a com­pe­tên­cia mais im­por­tan­te pa­ra con­se­guir uma va­ga no ex­te­ri­or, na opi­nião dos res­pon­den­tes, mas a fle­xi­bi­li­da­de pa­ra res­pei­tar cul­tu­ras di­fe­ren­tes, a ca­pa­ci­da­de de apren­der e a re­si­li­ên­cia tam­bém fo­ram lem­bra­das. Os Es­ta­dos Uni­dos fo­ram o país mais ci­ta­do pe­los res­pon­den­tes co­mo des­ti­no pre­fe­ri­do, se­gui­do por Ca­na­dá e Portugal. Os da­dos são da con­sul­to­ria de re­cru­ta­men­to e se­le­ção Ta­len­ses.

É prá­ti­ca co­mum en­tre gran­des com­pa­nhi­as de tec­no­lo­gia com­prar star­tups. De for­ma ge­ral, a ação ser­ve pa­ra as or­ga­ni­za­ções se apro­pri­a­rem da ca­pa­ci­da­de de ino­va­ção das pe­que­nas em­pre­sas, eli­mi­nar a con­cor­rên­cia e ab­sor­ver os pro­fis­si­o­nais mais qua­li­fi­ca­dos. Uma pes­qui­sa de um pro­fes­sor da Slo­an Scho­ol of Ma­na­ge­ment, do MIT, apon­ta que es­sa úl­ti­ma es­tra­té­gia po­de não ser as­sim tão efi­ci­en­te. Em mé­dia, 33% dos pro­fis­si­o­nais de star­tups ad­qui­ri­das dei­xa­ram o no­vo em­pre­ga­dor um ano após a com­pra. Co­mo com­pa­ra­ção, no mes­mo pe­río­do, 12% dos pro­fis­si­o­nais com for­ma­ção e ha­bi­li­da­des se­me­lhan­tes, con­tra­ta­dos da ma­nei­ra tra­di­ci­o­nal, dei­xa­ram o em­pre­ga­dor. Em três anos, fun­ci­o­ná­ri­os “ad­qui­ri­dos” se mos­tra­ram 15% mais pro­pen­sos a dei­xar a em­pre­sa do que os de­mais. Pa­ra sua pes­qui­sa, o dou­to­ran­do Da­ni­el Kim usou da­dos de qua­tro mil star­tups de al­ta tec­no­lo­gia que fo­ram ad­qui­ri­das en­tre 1990 e 2011 nos EUA, to­ta­li­zan­do o in­gres­so de 350 mil pro­fis­si­o­nais em gran­des com­pa­nhi­as. Pa­ra ele, o prin­ci­pal pro­ble­ma é o cho­que de cul­tu­ra en­tre o am­bi­en­te de tra­ba­lho da star­tup on­de es­ses pro­fis­si­o­nais es­co­lhe­ram tra­ba­lhar e o da gran­de com­pa­nhia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.