Em­bra­er e Bo­eing fir­mam con­tra­tos na quar­ta

Valor Econômico - - | EMPRESAS INFRAESTRUTURA - Avi­a­ção Va­nes­sa Ada­chi, Mar­cel­le Gutierrez, Ivan Ryn­gel­blum e Pau­la Sel­mi

Após o go­ver­no dar si­nal ver­de pa­ra a ope­ra­ção de ven­da da di­vi­são de avi­a­ção co­mer­ci­al da Em­bra­er pa­ra a ame­ri­ca­na Bo­eing, fi­nal­men­te as du­as com­pa­nhi­as pas­sa­rão à as­si­na­tu­ra dos con­tra­tos, pre­vis­ta pa­ra es­ta quar­ta-fei­ra, se­gun­do uma fon­te. Tam­bém se­rão fir­ma­dos pa­péis pa­ra cri­ar uma joint-ven­tu­re na área de de­fe­sa pa­ra ace­le­rar a co­mer­ci­a­li­za­ção do car­guei­ro KC-390, fa­bri­ca­do pe­la bra­si­lei­ra. Com o acor­do, de­ve­rá ser cri­a­da uma no­va li­nha de montagem do car­guei­ro nos Es­ta­dos Uni­dos, e o avião pas­sa­rá a ser co­mer­ci­a­li­za­do pe­la Bo­eing.

Na sequên­cia, a Em­bra­er con­vo­ca­rá as­sem­bleia de aci­o­nis­tas pa­ra vo­tar a apro­va­ção da tran­sa­ção. Co­mo o pra­zo pa­ra ins­ta­la­ção da as­sem­bleia é de 30 di­as, a mes­ma de­ve ocor­rer em me­a­dos de fe­ve­rei­ro. Pa­ra os aci­o­nis­tas se po­si­ci­o­na­rem, é cru­ci­al sa­ber qual o va­lor de di­vi­den­dos ex­tra­or­di­ná­ri­os que a Em­bra­er pa­ga­rá por con­ta da tran­sa­ção, in­for­ma­ção ain­da não di­vul­ga­da pe­la com­pa­nhia. Tam­bém in­te­res­sa ava­li­ar a sus­ten­ta­bi­li­da­de da Em­bra­er no lon­go pra­zo de­pois da trans­fe­rên­cia da avi­a­ção co­mer­ci­al à Bo­eing.

Na noi­te de sex­ta-fei­ra, o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção da Em­bra­er ra­ti­fi­cou a ope­ra­ção e au­to­ri­zou que se­ja ce­le­bra­do o con­tra­to com a Bo­eing. Con­for­me co­mu­ni­ca­do, o con­tra­to te­rá os ter­mos e as con­di­ções pa­ra im­ple­men­ta­ção da par­ce­ria es­tra­té­gi­ca no âm­bi­to da avi­a­ção co­mer­ci­al, pa­ra pro­mo­ção e de­sen­vol­vi­men­to de no­vos mer­ca­dos e apli­ca­ções pa­ra o avião mul­ti­mis­são KC-390, bem co­mo dos de­mais acor­dos e documentos ne­ces­sá­ri­os ou con­ve­ni­en­tes pa­ra im­ple­men­ta­ção da ope­ra­ção.

O con­se­lho da Em­bra­er tam­bém au­to­ri­zou a di­re­to­ria a pra­ti­car “qual­quer ato ne­ces­sá­rio à im­ple­men­ta­ção da ope­ra­ção, in­cluin­do a trans­fe­rên­cia pa­ra a no­va so­ci­e­da­de de acer­vo lí­qui­do com­pos­to pe­los ati­vos, pas­si­vos, bens, di­rei­tos e obri­ga­ções re­fe­ren­tes à uni­da­de de ne­gó­cio de avi­a­ção co­mer­ci­al”.

Na sex­ta-fei­ra, as ações or­di­ná­ri­as da Em­bra­er fe­cha­ram a R$ 21,53, com al­ta de 2,57% na B3.

A de­ci­são do go­ver­no do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro, na quin­ta­fei­ra, de apro­var os ter­mos da com­pra da di­vi­são de aviões co­mer­ci­ais da Em­bra­er pe­la Bo­eing re­pre­sen­tou a su­pe­ra­ção de uma das úl­ti­mas fa­ses pa­ra a con­cre­ti­za­ção do acor­do que re­sul­ta­rá na cri­a­ção de uma po­tên­cia na fa­bri­ca­ção de ja­tos co­mer­ci­ais com ca­pa­ci­da­de de 130 pas­sa­gei­ros, além da pos­si­bi­li­da­de de ge­rar até US$ 1,7 bi­lhão aos aci­o­nis­tas.

O Pa­lá­cio do Pla­nal­to anun­ci­ou que não exer­ce­rá o po­der de ve­to na ope­ra­ção. A de­ci­são ocor­reu no li­mi­te do pra­zo le­gal de 30 di­as pa­ra o pa­re­cer re­la­ti­vo à ação com di­rei­to a ve­to da União.

Na es­tei­ra da apro­va­ção pe­lo go­ver­no da par­ce­ria es­tra­té­gi­ca en­tre Em­bra­er e Bo­eing, a agên­cia de clas­si­fi­ca­ção de ris­co S&P Glo­bal Ra­ting co­lo­cou o ra­ting da Em­bra­er — atu­al­men­te em “BBB” — em ob­ser­va­ção ne­ga­ti­va.

Em­bo­ra a ope­ra­ção tra­ga me­lho­res mé­tri­cas de ala­van­ca­gem e ge­re di­vi­den­dos com a for­ma­ção da joint ven­tu­re, a S&P ci­ta pre­o­cu­pa­ções quan­to à “gol­den sha­re” (ação de clas­se es­pe­ci­al) de­ti­da pe­la União, além de pro­ble­mas con­cor­ren­ci­ais e fi­nan­cei­ras. “Ve­mos um im­pac­to po­ten­ci­al de mais de um de­grau na qu­a­li­da­de de cré­di­to da Em­bra­er, uma vez que a se­pa­ra­ção vai en­fra­que­cer con­si­de­ra­vel­men­te o per­fil de ne­gó­ci­os da com­pa­nhia”, afir­mou a agên­cia.

Ins­ta­bi­li­da­de é uma pa­la­vra que de­fi­ne bem o que acon­te­ce com a co­ta­ção das ações de de­ter­mi­na­da em­pre­sa no cur­to pra­zo, a de­pen­der do no­ti­ciá­rio en­vol­ven­do a com­pa­nhia. Já con­fi­an­ça é um ter­mo mais li­ga­do à ex­pec­ta­ti­va de ge­ra­ção de re­sul­ta­dos de uma em­pre­sa no lon­go pra­zo — e é is­so que pa­re­ce gui­ar, no mo­men­to, o com­por­ta­men­to dos in­ves­ti­do­res em re­la­ção às ações da Pe­tro­bras na bol­sa de va­lo­res.

Um exem­plo cla­ro de ins­ta­bi­li­da­de ocor­reu com as ações da es­ta­tal quan­do o Va­lor PRO no­ti­ci­ou, na se­ma­na pas­sa­da, que o go­ver­no an­te­ri­or tra­ba­lha­va com ce­ná­rio de de­vo­lu­ção de US$ 14 bi­lhões à em­pre­sa, por con­ta da re­ne­go­ci­a­ção do con­tra­to de ces­são one­ro­sa. Os pa­péis pre­fe­ren­ci­ais e or­di­ná­ri­os su­bi­ram for­te­men­te.

A no­va equi­pe econô­mi­ca, con­tu­do, que quer pa­gar me­nos, se apres­sou em re­du­zir a ex­pec­ta­ti­va dos in­ves­ti­do­res. E as ações no­va­men­te re­a­gi­ram. Só que pa­ra bai­xo, de­vol­ven­do par­te dos ga­nhos que ha­vi­am re­gis­tra­do.

Mas as mo­vi­men­ta­ções de cur­to pra­zo das ações são ape­nas um tem­pe­ro no que re­al­men­te de­ter­mi­na o va­lor de lon­go pra­zo de uma em­pre­sa, que são os seus fun­da­men­tos. Ou se­ja: quan­to a em­pre­sa vai ge­rar de lu­cro ao lon­go dos anos.

É a con­fi­an­ça de que a no­va ges­tão vai en­tre­gar re­sul­ta­dos po­si­ti­vos pa­ra a Pe­tro­bras que pre­va­le­ce nes­te mo­men­to. Nos oi­to pre­gões de 2019, a ação PN da em­pre­sa so­be 10,2%, en­quan­to a ON avan­ça 12,2%.

Por ora, a vi­são dos agen­tes fi­nan­cei­ros é a de que a agen­da di­ta li­be­ral do pre­si­den­te Jair Bol­so­na­ro re­ser­va à Pe­tro­bras a con­ti­nui­da­de de in­de­pen­dên­cia na de­fi­ni­ção de pre­ços dos com­bus­tí­veis e no an­da­men­to do pla­no de ven­da de ati­vos, que vi­sa à di­mi­nui­ção do en­di­vi­da­men­to.

É ver­da­de que a al­ta re­cen­te das ações po­de ser as­so­ci­a­da à re­cu­pe­ra­ção dos pre­ços do pe­tró­leo — os con­tra­tos Brent já so­bem 12,4% nes­te ano. Mas o efei­to “cho­que de ges­tão” es­pe­ra­do com a elei­ção de Bol­so­na­ro foi ta­ma­nho que, no ano pas­sa­do, a ON da Pe­tro­bras su­biu 51,4% e a PN se va­lo­ri­zou 45,9% — ao pas­so que o Brent caiu 19,5% no mes­mo in­ter­va­lo.

É es­sa per­cep­ção po­si­ti­va so­bre os re­sul­ta­dos de lon­go pra­zo da Pe­tro­bras que li­mi­tou a re­a­ção dos agen­tes à in­for­ma­ção, di­vul­ga­da na sex­ta-fei­ra pe­lo Va­lor, de que o no­vo pre­si­den­te da com­pa­nhia, Ro­ber­to Cas­tel­lo Bran­co, es­tá fa­zen­do al­te­ra­ções no con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção — o que le­van­ta ques­ti­o­na­men­tos e pre­o­cu­pa­ções em re­la­ção ao mo­de­lo de go­ver­nan­ça da em­pre­sa.

Ges­to­res e ana­lis­tas ve­em o ca­so co­mo al­go ain­da a ser mo­ni­to­ra­do e que não anula o que já foi “pre­ci­fi­ca­do” até aqui: a ges­tão in­de­pen­den­te de pre­ços dos com­bus­tí­veis e a ven­da de ati­vos, so­bre­tu­do na área de re­fi­no. O im­pac­to que o go­ver­no po­de­rá mes­mo ter ago­ra, de for­ma mais ime­di­a­ta, é via re­so­lu­ção do im­bró­glio so­bre a ces­são one­ro­sa — es­sa, sim, a no­tí­cia que de­ve cau­sar mais ins­ta­bi­li­da­de nas ações a ca­da pas­so que for to­ma­do. Mas o mer­ca­do, por ora, não apos­ta que a es­ta­tal vai ce­der com­ple­ta­men­te ao go­ver­no na ne­go­ci­a­ção.

Os in­ves­ti­do­res po­dem es­tar dan­do um vo­to de con­fi­an­ça car­re­ga­do de be­ne­vo­lên­cia em re­la­ção à com­pa­nhia? Po­dem. É o que o tem­po di­rá.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.