Em­prei­ta­da da BRF na Ar­gen­ti­na dei­xa R$ 1,2 bi em per­das

Pa­ra re­du­zir o en­di­vi­da­men­to e dei­xar de quei­mar cai­xa, em­pre­sa ven­deu as ope­ra­ções no país

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Luiz Hen­ri­que Men­des

A em­prei­ta­da da BRF na Ar­gen­ti­na ca­mi­nha pa­ra um fim me­lan­có­li­co. Ao ven­der a Cam­po Aus­tral, em uma tran­sa­ção de US$ 35,5 mi­lhões anun­ci­a­da na úl­ti­ma se­ma­na, a com­pa­nhia dei­xa­rá de atu­ar no país vi­zi­nho. O sal­do de qua­se uma dé­ca­da em ter­ras ar­gen­ti­nas é in­di­ges­to. Des­de 2011, a BRF per­deu mais de R$ 1,2 bi­lhão no país.

Es­se mon­tan­te con­tem­pla os fre­quen­tes apor­tes de ca­pi­tal re­a­li­za­dos pa­ra man­ter as ope­ra­ções — re­co­nhe­ci­da­men­te de­fi­ci­tá­ri­as —, as­sim co­mo a bai­xa con­tá­bil que de­ve­rá ser re­por­ta­da no pró­xi­mo ba­lan­ço tri­mes­tral, em 28 de fe­ve­rei­ro, de­vi­do às ven­das dos ati­vos.

Des­de 2011, a BRF fez cin­co aqui­si­ções na Ar­gen­ti­na, gas­tan­do qua­se US$ 480 mi­lhões, con­for­me da­dos com­pi­la­dos pe­lo Bra­des­co BBI. A com­pa­nhia se des­fez de to­dos es­ses ati­vos en­tre 7 de de­zem­bro e 10 de ja­nei­ro, ob­ten­do US$ 140,4 mi­lhões. A di­fe­ren­ça en­tre o mon­tan­te pa­go e o re­ce­bi­do — a mai­or par­te dos re­cur­sos ain­da não in­gres­sou no cai­xa — é de qua­se US$ 340 mi­lhões (R$ 1,2 bi­lhão).

As per­das se­ri­am ain­da mai­o­res se con­ta­bi­li­za­do o pre­juí­zo ope­ra­ci­o­nal apu­ra­do na Ar­gen­ti­na nos úl­ti­mos anos. Em 2017, úl­ti­mo da­do anu­al dis­po­ní­vel, a BRF amar­gou um lu­cro an­tes de ju­ros, im­pos­tos, de­pre­ci­a­ção e amor­ti­za­ção (Ebit­da, na si­gla em in­glês) negativo de R$ 180 mi­lhões. Na prá­ti­ca, os ne­gó­ci­os tor­ra­vam o cai­xa.

Foi pa­ra es­tan­car a crô­ni­ca quei­ma de re­cur­sos e cum­prir os pla­nos do pre­si­den­te Pe­dro Pa­ren­te de re­du­zir o en­di­vi­da­men­to que a com­pa­nhia bra­si­lei­ra de­ci­diu, no fim de ju­nho de 2018, se des­fa­zer das ope­ra­ções.

Ao Va­lor, di­fe­ren­tes fon­tes que acom­pa­nha­ram o dia a dia da BRF nos úl­ti­mos anos ad­mi­ti­ram que o pro­je­to frus­tra­do na Ar­gen­ti­na re- fle­te as cri­ses econô­mi­cas do país — atu­al­men­te, so­fre com a hi­pe­rin­fla­ção —, mas prin­ci­pal­men­te er­ros da ges­tão an­te­ri­or. O prin­ci­pal de­les tal­vez te­nha si­do a re­cu­sa em in­ves­tir na cri­a­ção de uma re­de de for­ne­ce­do­res de fran­go (os in­te­gra­dos) co­mo a exis­ten­te no Bra­sil. As­sim, a Avex, em­pre­sa de car­ne de fran­go com­pra­da em 2011, so­freu com al­ta oci­o­si­da­de, já que não ha­via ofer­ta de fran­go à dis­po­si­ção.

Se­gun­do um ex-exe­cu­ti­vo do al­to es­ca­lão da BRF, a com­pa­nhia pa­gou um pre­ço al­to por ter con­fi­a­do na ca­pa­ci­da­de de per­su­a­dir o go­ver­no ar­gen­ti­no. Em 2016, quan­do Abi­lio Di­niz pre­si­dia o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção, a em­pre­sa ten­tou, sem su­ces­so, im­por­tar ovos fér­teis de aves re­pro­du­to­ras (ma­tri­zes) de su­as ope­ra­ções de ge­né­ti­ca aví­co­la na re­gião Sul do Bra­sil. Com is­so, a em­pre­sa con­se­gui­ria apro­vei­tar o seu ex­ce­den­te de ofer­ta ge­né­ti­ca.

A pe­di­do da BRF, o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra bra­si­lei­ro che­gou a fa­zer ges­tões jun­to ao go­ver­no ar­gen­ti­no pa­ra li­be­rar a im­por­ta­ção, mas hou­ve re­sis­tên­cia. Exe­cu­ti­vos da com­pa­nhia na oca­sião atri­buí­ram es­sa pos­tu­ra à Gran­ja Tres Ar­royos, que for­ne­cia aves ma­tri­zes pa­ra a BRF na Ar­gen­ti­na e con­cor­ria com o gru­po bra­si­lei­ro em car­ne de fran­go. Di­an­te do im­pas­se, exe­cu­ti­vos da bra­si­lei­ra che­ga­ram a con­ver­sar com a Tres Ar­royos pa­ra uma união, mas não hou­ve acor­do.

Pa­ra re­sol­ver o pro­ble­ma com a ofer­ta de ge­né­ti­ca aví­co­la e tam­bém es­tru­tu­rar uma re­de de in­te­gra­dos, a BRF te­ria de in­ves­tir cer­ca de US$ 50 mi­lhões, dis­se uma fon­te. Mas a com­pa­nhia pre­fe­riu usar os re­cur­sos na di­ver­si­fi­ca­ção dos ne­gó­ci­os na Ar­gen­ti­na, in­gres­san­do em car­ne suí­na com a aqui­si­ção, em 2016, de Cam­po Aus­tral e da Cal­chaquí — es­ta úl­ti­ma é do­na da mar­ca Bo­cat­ti, que pro­duz pre­sun­to e mor­ta­de­la, en­tre ou­tros.

“Do­bra­ram a apos­ta con­tan­do com os ovos da ga­li­nha”, brin­cou uma fon­te, em alu­são ao im­bró­glio en­vol­ven­do a im­por­ta­ção de ge­né­ti­ca. A di­ver­si­fi­ca­ção não te­ve o êxi­to es­pe­ra­do. Na ver­da­de, a BRF con­ti­nu­ou per­den­do di­nhei­ro na Avex, mas não só. Tam­bém re­por­tou pre­juí­zo no ne­gó­cio de suí­nos.

Em de­zem­bro, a per­da na Avex se tor­nou evi­den­te. O ne­gó­cio foi ven­di­do por US$ 50 mi­lhões a uma ve­lha co­nhe­ci­da, a Gran­ja Tres Ar­royos. A aqui­si­ção foi fei­ta em par­ce­ria com a ar­gen­ti­na Fri­bel. Em 2011, quan­do com­prou a Avex, a BRF in­ves­tiu US$ 150 mi­lhões.

Além dos pro­ble­mas em aves e suí­nos, a em­pre­sa so­freu pa­ra ope­rar a Quick­fo­od, que ha­via si­do ad­qui­ri­da da bra­si­lei­ra Mar­frig em 2012, co­mo par­te de um acor­do de tro­ca de ati­vos pa­ra que o Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de De­fe­sa Econô­mi­ca (Ca­de) apro­vas­se a in­cor­po­ra­ção da Sa­dia pe­la Per­di­gão — a união de­las deu ori­gem à BRF.

Em­bo­ra a Quick­fo­od li­de­ras­se o mer­ca­do de ham­búr­guer bo­vi­no com a mar­ca Paty, a BRF não con­se­guiu tor­nar o ne­gó­cio ren­tá­vel. Nes­se ca­so, em par­te de­vi­do às di­fi­cul­da­des im­pos­tas à pe­cuá­ria ar­gen­ti­na no go­ver­no de Cris­ti­na Kir­ch­ner (2007-2015). Ao ta­xar as ex­por­ta­ções de car­ne, a ex-pre­si­den­te der­ru­bou a pro­du­ção de ga­do.

Fa­zer par­te de uma gi­gan­te co­mo a BRF, que fa­tu­ra mais de R$ 30 bi­lhões ao ano, tam­bém fez mal às con­tro­la­das no país vi­zi­nho, ava­li­ou uma fon­te. “Pe­di­am US$ 50 mi­lhões co­mo se fos­se um al­mo­ço”, cri­ti­cou. Em agos­to do ano pas­sa­do, por exem­plo, a BRF pre­ci­sou in­je­tar US$ 88 mi­lhões na Ar­gen­ti­na pa­ra qui­tar dí­vi­das de cur­to pra­zo.

Con­ten­ção de da­nos

VIC­TOR R. CAIVANO/AP

Com­pa­nhia ten­tou, sem su­ces­so, en­vi­ar ovos fér­teis do Sul do Bra­sil pa­ra vi­a­bi­li­zar as su­as ope­ra­ções na Ar­gen­ti­na

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.