Pa­ra evi­tar ris­co de de­sa­bas­te­ci­men­to, Chi­na de­ve tri­pli­car com­pras de mi­lho

Valor Econômico - - AGRONEGÓCIOS - Ce­ná­ri­os Kau­an­na Na­var­ro

A re­du­ção nos es­to­ques de mi­lho na Chi­na de­ve­rá au­men­tar a ne­ces­si­da­de de im­por­ta­ções do país nos pró­xi­mos três anos. De acor­do com aná­li­se do ban­co ho­lan­dês Ra­bo­bank, o con­su­mo no gi­gan­te asiá­ti­co de­ve che­gar pró­xi­mo de 300 mi­lhões de to­ne­la­das do ce­re­al na tem­po­ra­da 2021/22. Pa­ra fa­zer fren­te a es­sa de­man­da, os chi­ne­ses te­rão de tri­pli­car su­as im­por­ta­ções, con­for­me o ban­co.

Nes­se ce­ná­rio, gran­des pro­du­to­res do ce­re­al, co­mo é o ca­so do Bra­sil, po­de­rão se be­ne­fi­ci­ar da de­man­da ex­tra vin­da de Pe­quim. “A de­man­da mai­or que a ofer­ta no país du­ra­ria por múl­ti­plos anos, a me­nos que o go­ver­no mu­de su­as po­lí­ti­cas de im­por­ta­ções”, apon­tou o Ra­bo­bank, em es­tu­do as­si­na­do por Li­ef Chi­ang.

Con­for­me as úl­ti­mas es­ti­ma­ti­vas do De­par­ta­men­to de Agri­cul­tu­ra dos EUA (USDA), de de­zem­bro, os es­to­ques de mi­lho na Chi­na ao fi­nal da atu­al sa­fra (2018/19) to­ta­li­za­rão 207,5 mi­lhões, re­du­ção de 6,7% an­te as 222,5 mi­lhões de to­ne­la­das da tem­po­ra­da an­te­ri­or. Se­gun­do o Ra­bo­bank, es­se vo­lu­me cai­rá ra­pi­da­men­te a ní­veis crí­ti­cos.

Mes­mo com um pro­vá­vel au­men­to de área des­ti­na­da ao mi­lho no país, apon­tou o es­tu­do, se­rá ne­ces­sá­rio am­pli­ar as im­por­ta­ções. Até o ci­clo 2021/22, a pro­du­ção na Chi­na de­ve­rá cres­cer cer­ca de 10% por sa­fra e che­gar aos mes­mos ní­veis de 2015, quan­do a co­lhei­ta al­can­çou o pi­co de 265 mi­lhões de to­ne­la­das. “Ain­da as­sim, a Chi­na ne­ces­si­ta­rá im­por­tar 40 mi­lhões de to­ne­la­das de grãos pa­ra ra­ção, sen­do 15 mi­lhões de mi­lho e 25 [mi­lhões] de grãos al­ter­na­ti­vos”, pro­je­tou o ban­co ho­lan­dês.

Pa­ra a atu­al tem­po­ra­da, o USDA es­ti­ma que 5 mi­lhões de to- ne­la­das de mi­lho se­rão im­por­ta­das pe­la Chi­na. Es­se vo­lu­me é 44% su­pe­ri­or às im­por­ta­ções da úl­ti­ma sa­fra (2017/18), es­ti­ma­das em 3,4 mi­lhões de to­ne­la­das.

Além dis­so, as re­ser­vas es­ta­tais do país caí­ram bas­tan­te, de 236 mi­lhões de to­ne­la­das em 2015/16 pa­ra 89 mi­lhões de to­ne­la­das em 2017/18. “Is­so é con­sequên­cia de uma po­lí­ti­ca de ven­das e ne­nhu­ma aqui­si­ção”, res­sal­tou o Ra­bo­bank.

Em 2016, a Chi­na mu­dou a po­lí­ti­ca de es­to­ca­gem de mi­lho. Na­que­le mo­men­to, o gi­gan­te asiá­ti­co ti­nha es­to­ques su­fi­ci­en­tes pa­ra mais de um ano de con­su­mo.

Pe­quim apli­ca­va a po­lí­ti­ca de com­prar mi­lho a pre­ços até 50% su­pe­ri­o­res aos pra­ti­ca­dos no mer­ca­do. Ago­ra, apon­tou o Ra­bo­bank, o país asiá­ti­co te­rá de vol­tar a bus­car mi­lho em ou­tros mer­ca­dos.

Se­gun­do o Ra­bo­bank, nos pró­xi­mos dois anos Pe­quim de­ve­rá re­pen­sar as po­lí­ti­cas de aqui­si­ção de mi­lho. “Sem au­men­tar a ofer­ta de for­ma rá­pi­da e efi­caz, a Chi­na cor­re­rá o ris­co de ter um es­go­ta­men­to do es­to­que de mi­lho”, apon­tou o ban­co ho­lan­dês. Es­sa ava­li­a­ção já con­si­de­ra a de­sa­ce­le­ra­ção do rit­mo de cres­ci­men­to da de­man­da.

Se­gun­do da­dos ana­li­sa­dos pe­lo Ra­bo­bank, a ta­xa de cres­ci­men­to anu­al com­pos­ta (CAGR) da in­dús­tria de mi­lho na Chi­na de­ve de­sa­ce­le­rar pa­ra 5% até 2021/22. Nos úl­ti­mos cin­co anos, es­sa ta­xa foi de 8,5%. A ta­xa de cres­ci­men­to de uso de mi­lho pa­ra ra­ção tam­bém de­ve de­sa­ce­le­rar, pa­ra 3%. Nos úl­ti­mos cin­co anos, es­se in­di­ca­dor foi de 6% ao ano. Mes­mo com o rit­mo mais fra­co, o con­su­mo do­més­ti­co na Chi­na po­de che­gar a 291 mi­lhões de to­ne­la­das, en­quan­to a pro­du­ção al­can­ça­ria 268 mi­lhões de to­ne­la­das, pro­je­tou o ban­co.

“Qual­quer que­bra de sa­fra em de­cor­rên­cia de pro­ble­mas cli­má­ti­cos cau­sa­ria sé­ri­os pro­ble­mas aos par­ti­ci­pan­tes do mer­ca­do”, ad­ver­tiu o ana­lis­ta do Ra­bo­bank.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.