Des­tra­var cré­di­to pas­sa por re­vi­são de sub­sí­di­os in­di­re­tos

Eco­no­mis­tas de­fen­dem de­ba­te so­bre uso de re­cur­sos do FAT e FGTS no fun­ding

Valor Econômico - - FINANÇAS - Sil­via Ro­sa e Ta­li­ta Mo­rei­ra

Pa­ra cum­prir o ob­je­ti­vo de re­du­zir dis­tor­ções e im­pul­si­o­nar o mer­ca­do de cré­di­to, o go­ver­no te­rá de ata­car não ape­nas sub­sí­di­os do Te­sou­ro, mas re­ver, de for­ma am­pla, as ope­ra­ções com ta­xas re­gu­la­das. Do es­to­que de R$ 1,487 tri­lhão em cré­di­to di­re­ci­o­na­do no país em no­vem­bro, 89,8% re­fe­rem-se a em­prés­ti­mos com ta­xas de ju­ros li­mi­ta­das por nor­mas es­pe­cí­fi­cas e que não po­dem ser li­vre­men­te pac­tu­a­dos pe­lo mer­ca­do. Es­sas ope­ra­ções em­bu­tem al­gu­ma for­ma de sub­sí­dio, se­ja con­ce­di­da pe­lo go­ver­no ou, in­di­re­ta­men­te, pe­la so­ci­e­da­de.

Is­so sig­ni­fi­ca que 41,7% do vo­lu­me de cré­di­to no Bra­sil não tem pre­ço de­fi­ni­do pe­lo mer­ca­do. O fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio e as li­nhas do BNDES cons­ti­tu­em o gros­so — 81,5% — do sal­do des­ses em­prés­ti­mos. São áre­as em que os sub­sí­di­os do Te­sou­ro já vêm em que­da, mas que con­ti­nu­am sen­do be­ne­fi­ci­a­das, res­pec­ti­va­men­te, por fon­tes de fun­ding mais ba­ra­tas, co­mo as do FGTS e do Fun­do de Am­pa­ro ao Tra­ba­lha­dor (FAT).

O BNDES, que se tor­nou al­vo de po­lê­mi­ca ao con­ce­der em­prés­ti­mos com ta­xas in­fe­ri­o­res às de mer­ca­do, pas­sou por uma mu­dan­ça im­por­tan­te no ano pas­sa­do. Foi quan­do subs­ti­tuiu a Ta­xa de Ju­ros de Lon­go Pra­zo (TJLP), que era fi­xa­da pe­lo Con­se­lho Mo­ne­tá­rio Na­ci­o­nal e sub­si­di­a­da, pe­la Ta­xa de Lon­go Pra­zo (TLP), que de­ve se igua­lar à re­mu­ne­ra­ção dos tí­tu­los pú­bli­cos atre­la­dos à in­fla­ção (NTN-B) em cin­co anos. Is­so aju­dou a re­du­zir a di­fe­ren­ça en­tre o cus­to de cap­ta­ção do Te­sou­ro e a ta­xa con­ce­di­da nos em­prés­ti­mos. A TLP es­tá ho­je em 6,96%, ain­da abai­xo do cus­to mé­dio do Te­sou­ro, de 10,11% ao ano em no­vem­bro.

Po­rém, o BNDES con­ti­nua ten­do co­mo fun­ding im­por­tan­te os re­cur­sos do FAT, re­mu­ne­ra­dos à ta­xa dos tí­tu­los de cin­co anos do Te­sou­ro. Al­guns eco­no­mis­tas di­zem que es­se di­nhei­ro po­de­ria es­tar apli­ca­do em ope­ra­ções com re­tor­nos mais al­tos.

No se­tor imo­bi­liá­rio, gran­de par­te do sub­sí­dio di­re­to es­tá con­cen­tra­da no Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da e é des­ti­na­da à com­pra da ca­sa pró­pria por fa­mí­li­as com ren­da men­sal de até R$ 4 mil. A par­tir des­te ano, o be­ne­fí­cio má­xi­mo foi con­cen­tra­do na­que­las com ren­da de R$ 1,2 mil. O go­ver­no gas­tou R$ 3,6 bi­lhões com in­cen­ti­vos ao pro­gra­ma em 2017 e R$ 3,9 bi­lhões no ano pas­sa­do, até no­vem­bro. Do to­tal sub­si­di­a­do, 90% vêm do FGTS e 10% do Te­sou­ro. A mai­or par­te dos sub­sí­di­os ao cré­di­to imo­bi­liá­rio, po­rém, não é fei­ta pe­lo Te­sou­ro, mas pe­los tra­ba­lha­do­res, por meio do FGTS.

Pa­ra Ana Car­la Abrão, só­cia da con­sul­to­ria Oli­ver Wy­man, ata­car es­sa qu­es­tão no cré­di­to imo­bi­liá­rio é fun­da­men­tal pa­ra es­ti­mu­lar ope­ra­ções nes­sa área. “Es­ses re­cur­sos são sub­sí­di­os da­dos pe­la so­ci­e­da­de, que tem uma re­mu­ne­ra­ção bai­xa do di­nhei­ro de­po­si­ta­do no FGTS”, diz.

Du­ran­te anos, a re­mu­ne­ra­ção do FGTS, que era de 3% mais Ta­xa Re­fe­ren­ci­al (TR), fi­cou abai­xo da in­fla­ção. Com uma mu­dan­ça de cál­cu­lo, que pas­sou a con­tar com a dis­tri­bui­ção do lu­cro dos in­ves­ti­men­tos pa­ra os tra­ba­lha­do­res, es­se ren­di­men­to au­men­tou, mas ain­da fi­ca aquém das ta­xas de mer­ca­do.

Is­so cria dis­tor­ções, co­mo a con­cen­tra­ção do cré­di­to imo­bi­liá­rio na Cai­xa, que tem 70% des­se mer­ca­do. Do sal­do da car­tei­ra de cré­di­to ha­bi­ta­ci­o­nal do ban­co no ter­cei­ro tri­mes­tre, de R$ 440,5 bi­lhões, R$ 258,5 bi­lhões eram de de­sem­bol­sos com re­cur­sos do FGTS. “Pre­ci­sa­mos li­be­ra­li­zar es­se mer­ca­do”, diz Ana Car­la.

Além de sub­si­di­ar in­ves­ti­men­tos em pro­je­tos co­mo o Mi­nha Ca­sa Mi­nha Vi­da, o FGTS ser­ve de fun­ding a fi­nan­ci­a­men­tos imo­bi­liá­ri­os no Sis­te­ma Fi­nan­cei­ro Ha­bi­ta­ci­o­nal (SFH). O com­pra­dor po­de usar sua con­ta no fun­do pa­ra a com­pra de imó­veis ava­li­a­dos em até R$ 1,5 mi­lhão.

No ano pas­sa­do, o Ban­co Cen­tral co­me­çou a pre­pa­rar o se­tor imo­bi­liá­rio pa­ra um mo­de­lo mais fle­xí­vel ao ado­tar mu­dan­ças no di­re­ci­o­na­men­to de re­cur­sos da pou­pan­ça. Um no­vo re­gu­la­men­to man­te­ve a exi­gên­cia de que os ban­cos des­ti­nem ao fi­nan­ci­a­men­to imo­bi­liá­rio 65% dos re­cur­sos cap­ta­dos na pou­pan­ça, mas eles não pre­ci­sa­rão mais alo­car o di­nhei­ro em ope­ra­ções no SFH, on­de há li­mi­ta­ção de ta­xa. A medida foi ce­le­bra­da por exe­cu­ti­vos da área co­mo o iní­cio do fim das amar­ras no cré­di­to ha­bi­ta­ci­o­nal.

Gran­de fo­co de sub­sí­di­os di­re­tos, o cré­di­to rural tam­bém de­ve ser al­vo de mu­dan­ças. A es­tra­té­gia do go­ver­no é en­co­lher os be­ne­fí­ci­os nas ta­xas de ju­ros e es­ti­mu­lar a con­tra­ta­ção de se­gu­ro agrí­co­la pa­ra pro­te­ger o pro­du­tor das que­bras de sa­fra.

O eco­no­mis­ta-che­fe do Ban­co Sa­fra, Car­los Kawall, lem­bra que ho­je ain­da há sub­sí­dio re­le­van­te pa­ra o cré­di­to agrí­co­la por meio de li­nhas co­mo o Pro­gra­ma Na­ci­o­nal de For­ta­le­ci­men­to da Agri­cul­tu­ra Fa­mi­li­ar (Pro­naf) e ou­tras mo­da­li­da­des de cus­teio e in­ves­ti­men­tos. Em 2017, o apor­te do go­ver­no só pa­ra o Pro­naf e o Fun­do de De­fe­sa da Eco­no­mia Ca­fe­ei­ra (Fun­ca­fé) so­mou R$ 4,2 bi­lhões. No ano pas­sa­do, até no­vem­bro, es­ta­va em R$ 3 bi­lhões.

“O pro­ble­ma dos sub­sí­di­os é que eles seg­men­tam o cré­di­to e cri­am um pro­ble­ma de alo­ca­ção des­ses re­cur­sos”, afir­ma a eco­no­mis­ta Ele­na Lan­dau, ex-di­re­to­ra do BNDES. “Se é pa­ra sub­si­di­ar, que se­ja fei­to via Or­ça­men­to. Da for­ma co­mo se faz ho­je, não se sa­be qual a efi­cá­cia des­ses sub­sí­di­os.”

Na vi­são de Ele­na, a cri­a­ção da TLP foi im­por­tan­te pa­ra re­ver o “mi­to de que sub­sí­dio é ne­ces­sá­rio” aos in­ves­ti­men­tos. Is­so faz com que o pró­prio BNDES se tor­ne me­nos re­le­van­te, se­gun­do a eco­no­mis­ta, que cos­tu­ma di­zer que o ban­co de fo­men­to, ho­je, es­tá em bus­ca de uma fun­ção.

O ra­ci­o­cí­nio vai na li­nha do que de­fen­deu o mi­nis­tro da Eco­no­mia, Pau­lo Gu­e­des, na se­ma­na pas­sa­da. Se­gun­do ele, trans­fe­rên­cia de ren­da e sub­sí­di­os, quan­do ne­ces­sá­ri­os, de­vem ser fei­tos com re­pas­ses do Te­sou­ro pre­vis­tos no Or­ça­men­to. Pa­ra Gu­e­des, o cré­di­to di­re­ci­o­na­do con­tri­buiu pa­ra ele­var as ta­xas de ju­ros.

O cré­di­to di­re­ci­o­na­do pas­sou a cres­cer após a cri­se glo­bal de 2008, à medida que os ban­cos pú­bli­cos fo­ram ex­pan­din­do seus ba­lan­ços pa­ra fi­nan­ci­ar o con­su­mo e os “cam­peões na­ci­o­nais”. Re­pre­sen­ta­va 46% do es­to­que to­tal de em­prés­ti­mos e fi­nan­ci­a­men­tos do Bra­sil em no­vem­bro do ano pas­sa­do.

“Os ban­cos co­bram um cus­to me­nor no cré­di­to di­re­ci­o­na­do e um spre­ad mui­to mai­or nos em­prés­ti­mos com re­cur­sos li­vres pa­ra com­pen­sar”, diz o pro­fes­sor do Ins­per Mar­co Bo­no­mo. Es­tu­do re­a­li­za­do por Bo­no­mo, pe­lo tam­bém pro­fes­sor do Ins­per Ri­car­do Bri­to e por Bruno Mar­tins, do De­par­ta­men­to de Pes­qui­sas do BC, mos­tra que as em­pre­sas mai­o­res e mais ma­du­ras fo­ram as mais be­ne­fi­ci­a­das pe­la ex­pan­são do cré­di­to pú­bli­co en­tre 2004 e 2012.

Es­sa re­la­ção co­me­çou a mu­dar com a ado­ção da TLP. A no­va ta­xa fez com que o fi­nan­ci­a­men­to via mer­ca­do fi­cas­se mais com­pe­ti­ti­vo, a pon­to de al­gu­mas com­pa­nhi­as emi­ti­rem dí­vi­da ou to­ma­rem re­cur­sos com ou­tros ban­cos pa­ra pré-pa­gar o BNDES. “O pou­pa­dor tem que es­co­lher se quer dar di­nhei­ro pa­ra edu­ca­ção ou pa­ra o em­pre­sá­rio”, diz Bo­no­mo.

Kawall lem­bra, con­tu­do, que só a equa­li­za­ção das ta­xas não bas­ta e a di­mi­nui­ção dos sub­sí­di­os do go­ver­no de­ve pas­sar tam­bém pe­la re­du­ção do vo­lu­me con­ce­di­do pe­los pro­gra­mas so­ci­ais co­mo Mi­nha Ca­sa, Mi­nha Vi­da e no fi­nan­ci­a­men­to es­tu­dan­til da­do pe­lo Fi­es.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.