Pa­ra­li­sia do go­ver­no dos EUA vi­ra ris­co pa­ra os mer­ca­dos

Prolongamento do pro­ble­ma po­de atra­sar IPOs e afe­tar eco­no­mia

Valor Econômico - - FINANÇAS - An­dré Mi­zu­ta­ni

A pa­ra­li­sia par­ci­al do go­ver­no ame­ri­ca­no — que en­trou na sex­ta-fei­ra em seu 21o dia, igua­lan­do o re­cor­de de pa­ra­li­sa­ção mais ex­ten­sa da his­tó­ria dos EUA — tem si­do fre­quen­te­men­te ci­ta­da co­mo fon­te de pre­o­cu­pa­ção en­tre os in­ves­ti­do­res. Mas pou­co tem si­do di­to so­bre o que o “shutdown” par­ci­al sig­ni­fi­ca de fa­to pa­ra os mer­ca­dos fi­nan­cei­ros.

Um dos mo­ti­vos dis­so é que, até pou­co tem­po atrás, o “shutdown” não sig­ni­fi­ca­va, ne­ces­sa­ri­a­men­te, mui­ta coi­sa pa­ra os mer­ca­dos. Is­so se ex­pli­ca pe­la du­ra­ção: o im­pac­to é ini­ci­al­men­te pe­que­no, mas, à medida que o tem­po pas­sa, a divulgação de in­di­ca­do­res é pos­ter­ga­da, os agen­tes fi­cam sem re­fe­rên­ci­as e a in­se­gu­ran­ça ge­ra vo­la­ti­li­da­de nos ati­vos.

Os mer­ca­dos, por ora, têm ti­do pou­ca re­a­ção ao “shutdown”, ape­sar das ci­ta­ções fre­quen­tes às in­cer­te­zas que tal even­to ali­men­ta. Os ín­di­ces aci­o­ná­ri­os de No­va York en­cer­ra­ram a se­ma­na pas­sa­da com ga­nhos en­tre 2,40% (pa­ra o Dow Jo­nes) e 3,45% (Nas­daq), com os in­ves­ti­do­res dan­do mui­to mais pe­so às no­tí­ci­as po­si­ti­vas das ne­go­ci­a­ções co­mer­ci­ais en­tre os EUA e a Chi­na do que à pa­ra­li­sia par­ci­al do go­ver­no ame­ri­ca­no.

Se­gun­do re­por­ta­gem do “The New York Ti­mes”, a fal­ta de pes­so­al na SEC (Se­cu­ri­ti­es and Ex­chan­ge Co­mis­si­on, a CVM ame­ri­ca­na) co­me­çou a afe­tar as ava­li­a­ções de IPOs (ofer­tas ini­ci­ais de ações) e de fu­sões e aqui­si­ções já no dia 27 de de­zem­bro. As in­ves­ti­ga­ções so­bre vi­o­la­ções das re­gras dos mer­ca­dos fi­nan­cei­ros tam­bém fo­ram pra­ti­ca­men­te pa­ra­li­sa­das pe­la fal­ta de re­cur­sos.

Em­bo­ra a pa­ra­li­sa­ção do go­ver­no não de­va che­gar a atra­pa­lhar os gran­des IPOs es­pe­ra­dos pa­ra es­te ano, co­mo das com­pa­nhi­as Uber e Lyft, quan­to mais tem­po ela du­rar mais em­pre­sas po­dem ter de adi­ar seus pla­nos. “Is­so po­de re­al­men­te ser um obs­tá­cu­lo pa­ra 2019”, dis­se Keith Town­send, do es­cri­tó­rio de ad­vo­ca­cia King & Spal­ding.

Ou­tro efei­to negativo que po­de acon­te­cer é um re­bai­xa­men­to da no­ta de cré­di­to dos EUA. Na se­ma­na pas­sa­da, a agên­cia Fit­ch aler­tou pa­ra es­ta pos­si­bi­li­da­de, que le­va­ria os EUA a per­de­rem o ra­ting “AAA”, a exem­plo do que já fez a S&P em 2011.

Ao lon­go das úl­ti­mas qua­tro dé­ca­das, hou­ve 21 pa­ra­li­si­as par­ci­ais do go­ver­no ame­ri­ca­no, mas na mai­o­ria de­las a ex­pec­ta­ti­va era a de que os ór­gãos afe­ta­dos cor­re­ri­am após a re­to­ma­da das ope­ra­ções pa­ra com­pen­sar o que dei­xou de ser fei­to du­ran­te a pa­ra­li­sa­ção.

A du­ra­ção do “shutdown” em cur­so co­me­çou a cha­mar aten­ção, no en­tan­to, pois ame­a­ça dei­xar uma la­cu­na gran­de de­mais pa­ra que os ór­gãos pú­bli­cos pos­sam re­a­lis­ti­ca­men­te pre­en­chê-los. Na sex­ta, 800 mil fun­ci­o­ná­ri­os ame­ri­ca­nos fi­ca­ram sem o seu pri­mei­ro sa­lá­rio des­de o iní­cio da pa­ra­li­sa­ção.

Na quin­ta-fei­ra, o pre­si­den­te do Fe­de­ral Re­ser­ve (Fed, o BC dos EUA), Je­ro­me Powell, dis­se que as pa­ra­li­sa­ções nor­mal­men­te não têm um im­pac­to sig­ni­fi­ca­ti­vo so­bre a eco­no­mia por­que cos­tu­mam ser cur­tas. “Se ti­ver­mos um shutdown ex­ten­so, eu acho que is­so apa­re­ce­ria nos da­dos de ma­nei­ra cla­ra”, afir­mou.

O pre­si­den­te do Fed apon­tou tam­bém que gran­de par­te dos da­dos usa­dos pe­lo BC ame­ri­ca­no não são co­lhi­dos pe­la pró­pria ins­ti­tui­ção e des­ta­cou es­pe­ci­fi­ca­men­te que o De­par­ta­men­to do Co­mér­cio po­de ter pro­ble­mas pa­ra co­le­tar da­dos do PIB ame­ri­ca­no ou de ven­das no va­re­jo. “Te­re­mos uma ima­gem mui­to me­nos cla­ra da eco­no­mia se is­so con­ti­nu­ar por mui­to mais tem­po”, dis­se Powell.

Na se­ma­na pas­sa­da, os da­dos da ba­lan­ça co­mer­ci­al dos EUA e de en­co­men­das à in­dús­tria ti­ve­ram de ser adi­a­dos, dan­do uma amos­tra dos pro­ble­mas que a pa­ra­li­sa­ção po­de ge­rar. O Fe­de­ral Re­ser­ve é res­pon­sá­vel pe­lo pró­prio fi­nan­ci­a­men­to e al­guns ou­tros ór­gãos, co­mo o De­par­ta­men­to do Tra­ba­lho, ain­da têm fun­dos e con­ti­nu­am di­vul­gan­do seus da­dos nor­mal­men­te.

Além do De­par­ta­men­to do Co­mér­cio, os de­par­ta­men­tos de Agri­cul­tu­ra, Se­gu­ran­ça In­ter­na, Re­si­dên­ci­as e De­sen­vol­vi­men­to Urbano, Jus­ti­ça, Es­ta­do, Trans­por­tes e o Te­sou­ro, além da Agên­cia de Pro­te­ção Am­bi­en­tal, in­ter­rom­pe­ram as su­as ati­vi­da­des no dia 22 de de­zem­bro. A Ad­mi­nis­tra­ção de Ali­men­tos e Dro­gas in­ter­rom­peu as su­as ins­pe­ções de rotina no mes­mo dia.

Além dos efei­tos prá­ti­cos, uma pa­ra­li­sia go­ver­na­men­tal tão ex­ten­sa quan­to es­ta co­me­ça a cor­ro­er a con­fi­an­ça dos in­ves­ti­do­res na con­fi­a­bi­li­da­de da fis­ca­li­za­ção do go­ver­no e, tal­vez mais cru­ci­al­men­te, nas pri­o­ri­da­des ofi­ci­ais.

Is­so é es­pe­ci­al­men­te ver­da­dei­ro quan­do se con­si­de­ra que Do­nald Trump é ape­nas o se­gun­do pre­si­den­te da his­tó­ria dos EUA a en­ca­rar um “shutdown” ape­sar do seu par­ti­do con­tro­lar as du­as câ­ma­ras do Con­gres­so ame­ri­ca­no — o pri­mei­ro foi o de­mo­cra­ta Jimmy Car­ter, que en­fren­tou cin­co pa­ra­li­sa­ções en­tre 1977 e 1979. Em­bo­ra o Par­ti­do De­mo­cra­ta con­tro­le a Câ­ma­ra dos De­pu­ta­dos, o shutdown atu­al co­me­çou no ano pas­sa­do, quan­do os re­pu­bli­ca­nos ti­nham o con­tro­le de am­bas as ca­sas.

Ou­tro pon­to in­te­res­san­te é que con­gres­sis­tas de am­bos os par­ti­dos pa­re­cem que­rer o fim do shutdown, mas uma so­lu­ção pa­ra o im­pas­se tem si­do blo­que­a­da pe­lo pre­si­den­te Trump, que exi­ge a in­clu­são de US$ 5,7 bi­lhões pa­ra cons­truir um mu­ro na fron­tei­ra com o Mé­xi­co. Al­guns se­na­do­res re­pu­bli­ca­nos, co­mo Li­sa Mur­kows­ki, do Alas­ka, co­me­ça­ram a de­fen­der a apro­va­ção de um or­ça­men­to sem o fi­nan­ci­a­men­to do mu­ro, com ne­go­ci­a­ções pos­te­ri­o­res so­bre tal as­sun­to.

Al­gu­mas das pa­ra­li­sa­ções no pas­sa­do fo­ram usa­das pe­lo Con­gres­so co­mo fer­ra­men­ta de ne­go­ci­a­ção con­tra o pre­si­den­te, mas não o con­trá­rio: no co­me­ço do ano pas­sa­do, o shutdown gi­rou em tor­no da le­ga­li­za­ção dos imigrantes que en­tra­ram no país quan­do ain­da cri­an­ças e, em 2013, no man­da­to de Ba­rack Oba­ma, o Con­gres­so bar­rou o or­ça­men­to de­vi­do ao fi­nan­ci­a­men­to do Af­for­da­ble Ca­re Act, mais co­nhe­ci­do co­mo “Oba­ma­ca­re”.

RI­CHARD DREW/AP

Sem in­di­ca­do­res atu­a­li­za­dos, in­ves­ti­do­res já ques­ti­o­nam o quan­to o ‘shutdown’ po­de afe­tar pre­ço dos ati­vos em Wall Stre­et

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.