Quan­do se de­ve cum­prir von­ta­des ex­pres­sas em tes­ta­men­to?

Valor Econômico - - FINANÇAS - Con­sul­tó­rio fi­nan­cei­ro

Ne­nhum dos her­dei­ros tem fa­mi­li­a­ri­da­de com o te­ma. Te­mos al­gu­ma ou­tra op­ção?”

O Có­di­go Ci­vil pre­vê a pos­si­bi­li­da­de de su­ces­são tes­ta­men­tá­ria so­bre a par­te dis­po­ní­vel da he­ran­ça. Con­si­de­ra ain­da co­mo le­gí­ti­ma a su­ces­são por pes­so­as ju­rí­di­cas cu­ja or­ga­ni­za­ção for de­ter­mi­na­da pe­lo tes­ta­dor sob a for­ma de fun­da­ção.

O ins­ti­tui­dor de uma fun­da­ção re­a­li­za, por es­cri­tu­ra pú­bli­ca ou tes­ta­men­to, a do­ta­ção es­pe­ci­al de bens li­vres e su­fi­ci­en­tes ao fim a que ela se des­ti­na e, ca­so quei­ra, declara a ma­nei­ra de ad­mi­nis­trá-la.

Os her­dei­ros in­da­gam se ha­ve­ria al­gu­ma ou­tra op­ção de des­ti­na­ção à par­te dis­po­ní­vel da he­ran­ça, ten­do em vis­ta que não pos­su­em fa­mi­li­a­ri­da­de com a fi­na­li­da­de pre­vis­ta pa­ra a fun­da­ção de­ter­mi­na­da pe­la von­ta­de do tes­ta­dor.

No ca­so em par­ti­cu­lar, a exis­tên­cia de uma es­cri­tu­ra in­di­ca que foi uti­li­za­da a for­ma de tes­ta­men­to pú­bli­co pa­ra a ma­ni­fes­ta­ção da von­ta­de do tes­ta­dor. Uma op­ção a ava­li­ar se­ria um ques­ti­o­na­men­to ju­di­ci­al so­bre di­ver­sos as­pec­tos do re­fe­ri­do tes­ta­men­to pú­bli­co. Por exem­plo, quan­to aos seus re­qui­si­tos es­sen­ci­ais.

Pres­cre­ve o ar­ti­go 1864 do Có­di­go Ci­vil co­mo re­qui­si­tos es­sen­ci­ais do tes­ta­men­to: 1) ser es­cri­to por ta­be­lião ou por seu subs­ti­tu­to le­gal em seu li­vro de no­tas, de acor­do com as de­cla­ra­ções do tes­ta­dor, po­den­do es­te ser­vir-se de mi­nu­ta, no­tas ou apon­ta­men­tos; 2) la­vra­do o ins­tru­men­to, ser li­do em voz al­ta pe­lo ta­be­lião ao tes­ta­dor e a du­as tes­te­mu­nhas, a um só tem­po, ou pe­lo tes­ta­dor, se o qui­ser, na pre­sen­ça des­tas e do ofi­ci­al; e 3) ser o ins­tru­men­to, em se­gui­da à lei­tu­ra, as­si­na­do pe­lo tes­ta­dor, pe­las tes­te­mu­nhas e pe­lo ta­be­lião.

Ou­tro pon­to a ava­li­ar se­ria a pos­sí­vel anu­la­bi­li­da­de de even­tu­ais dis­po­si­ções tes­ta­men­tá­ri­as in­qui­na­das de er­ro, do­lo ou co­a­ção.

O Po­der Ju­di­ciá­rio se­rá ne­ces­sa­ri­a­men­te o res­pon­sá­vel pe­la aná­li­se de va­li­da­de do tes­ta­men­to. Es­se se­rá aber­to e re­gis­tra­do no Ju­di­ciá­rio, aguar­dan­do-se o “cum­pra-se” pa­ra que se­ja pos­sí­vel o in­ven­tá­rio. Pa­ra que o in­ven­tá­rio pos­sa ser fei­to em car­tó­rio, to­dos os her­dei­ros de­ve­rão ser mai­o­res e ca­pa­zes, ha­ven­do tam­bém con­sen­so quan­to à par­ti­lha dos bens e par­ti­ci­pa­ção de um ad­vo­ga­do na es­cri­tu­ra.

So­bre a fi­na­li­da­de in­for­ma­da da re­fe­ri­da fun­da­ção, den­tre di­ver­sas ou­tras pos­si­bi­li­da­des, o nos­so Có­di­go Ci­vil pres­cre­ve que as fun­da­ções po­dem ser cons­ti­tuí­das pa­ra pes­qui­sa ci­en­tí­fi­ca e de­sen­vol­vi­men­to de tec­no­lo­gi­as al­ter­na­ti­vas. Quan­to à fal­ta de fa­mi­li­a­ri­da­de dos her­dei­ros com a fi­na­li­da­de da fun­da­ção, pro­va­vel­men­te es­sa não se­ria en­ten­di­da co­mo um obs­tá­cu­lo pa­ra im­pe­dir a sua cons­ti­tui­ção. Na­da im­pe­di­ria que a re­fe­ri­da fun­da­ção vi­es­se a ser or­ga­ni­za­da e ad­mi­nis­tra­da por pro­fis­si­o­nais ca­pa­ci­ta­dos, de­sig­na­dos pe­los her­dei­ros.

Por fim, re­co­men­da-se a de­vi­da ava­li­a­ção dos de­ta­lhes do ca­so em con­cre­to por ad­vo­ga­do es­pe­ci­a­li­za­do em di­rei­to su­ces­só­rio an­tes de uma de­ci­são. Lem­bran­do que, em ca­so de in­ter­pre­ta­ções dis­tin­tas quan­to às cláu­su­las tes­ta­men­tá­ri­as, pre­va­le­ce­rá em juízo a que me­lhor as­se­gu­re a ob­ser­vân­cia da von­ta­de do tes­ta­dor.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.