Câ­ma­ra su­pe­ri­or do Carf sus­pen­de tri­bu­ta­ção de in­cen­ti­vos fis­cais

Es­te é o pri­mei­ro jul­ga­men­to a apli­car a Lei Com­ple­men­tar nº 160, de 2017

Valor Econômico - - LEGISLAÇÃO - Be­a­triz Oli­von

O Con­se­lho Ad­mi­nis­tra­ti­vo de Re­cur­sos Fis­cais (Carf) de­ci­diu que as em­pre­sas não po­dem ter in­cen­ti­vos fis­cais tri­bu­ta­dos. A 1ª Tur­ma da Câ­ma­ra Su­pe­ri­or do tri­bu­nal sus­pen­deu a co­bran­ça de Im­pos­to de Ren­da (IR) e CSLL so­bre be­ne­fí­ci­os con­ce­di­dos pe­lo Dis­tri­to Fe­de­ral a uma em­pre­sa de pe­ças. Es­te é o pri­mei­ro jul­ga­men­to da ins­tân­cia a apli­car a Lei Com­ple­men­tar nº 160, de 2017, que tra­ta do te­ma.

O en­ten­di­men­to é um alí­vio pa­ra em­pre­sas que ten­tam afas­tar a tri­bu­ta­ção so­bre in­cen­ti­vos fis­cais con­ce­di­dos por Es­ta­dos. A LC 160 es­ti­pu­la que be­ne­fí­ci­os e in­cen­ti­vos fis­cais de ICMS ofe­re­ci­dos, mes­mo sem apro­va­ção do Con­se­lho Na­ci­o­nal de Po­lí­ti­ca Fa­zen­dá­ria (Con­faz), se­rão con­si­de­ra­dos sub­ven­ções pa­ra in­ves­ti­men­to e por es­se mo­ti­vo não tri­bu­tá­veis.

An­tes da nor­ma, a Re­cei­ta Fe­de­ral ar­gu­men­ta­va que es­ses be­ne­fí­ci­os se­ri­am sub­ven­ções pa­ra cus­teio ou ope­ra­ção, por­tan­to, tri­bu­tá­veis. Os artigos da lei com­ple­men­tar que tra­tam o te­ma che­ga­ram a ser ve­ta­dos pe­lo ex-pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca Mi­chel Te­mer. Com a der­ru­ba­da dos ve­tos, po­rém, sur­gi­ram dú­vi­das so­bre o uso da no­va pre­vi­são, es­pe­ci­al­men­te em re­la­ção aos pro­ces­sos em an­da­men­to. A lei pre­vê a apli­ca­ção pa­ra pro­ces­sos ad­mi­nis­tra­ti­vos e ju­di­ci­ais que ain­da não te­nham si­do jul­ga­dos de­fi­ni­ti­va­men­te.

As pri­mei­ras de­ci­sões fa­vo­rá­veis aos con­tri­buin­tes no Carf, se­guin­do a lei com­ple­men­tar, são de maio de 2018. Os ca­sos fo­ram jul­ga­dos em tur­mas do Con­se­lho. Na de­ci­são re­fe­ren­te ao DF, a lei foi apli­ca­da pe­la pri­mei­ra vez pe­la Câ­ma­ra Su­pe­ri­or.

Na au­tu­a­ção ana­li­sa­da pe­la úl­ti­ma ins­tân­cia do Con­se­lho, a Re­cei­ta co­bra­va IRPJ e CSLL de di­fe­ren­tes tri­mes­tres en­tre 2002 e 2006 da em­pre­sa Re­al Mo­to Pe­ças (10675.000665/2007-19). O Fisco apon­tou o apro­vei­ta­men­to de des­pe­sas que não ocor­re­ram, re­sul­ta­do de be­ne­fí­ci­os fis­cais do Dis­tri­to Fe­de­ral.

O de­cre­to dis­tri­tal au­to­ri­za o ata­ca­dis­ta a aba­ter per­cen­tu­ais so­bre o to­tal das ope­ra­ções de saí­da de mer­ca­do­ria. A em­pre­sa tra­tou es­ses aba­ti­men­tos co­mo “sub­ven­ções pa­ra in­ves­ti­men­to” mas, pa­ra a Re­cei­ta, se­ri­am “sub­ven­ções pa­ra cus­teio”. O Fisco en­ten­de que pa­ra ser sub­ven­ção pa­ra in­ves­ti­men­to é ne­ces­sá­rio ser con­ce­di­do já com a exi­gên­cia de sua in­te­gral apli­ca­ção em in­ves­ti­men­tos pa­ra a im­plan­ta­ção ou ex­pan­são de em­pre­en­di­men­tos econô­mi­cos da em­pre­sa.

A Câ­ma­ra Su­pe­ri­or re­for­mou de­ci­são da 2ª Tur­ma da 2ª Câ­ma­ra da 1ª Se­ção, que ha­via ne­ga­do o pe­di­do fei­to pe­lo con­tri­buin­te. Na oca­sião, os con­se­lhei­ros se­gui­ram o pa­re­cer Co­sit 112, de 1978, e con­si­de­ra­ram ne­ces­sá­ria a vin­cu­la­ção do be­ne­fí­cio.

A re­la­to­ra, con­se­lhei­ra Cris­ti­a­ne Sil­va Cos­ta, re­pre­sen­tan­te dos con­tri­buin­tes, con­si­de­rou as al­te­ra­ções re­a­li­za­das pe­la Lei Com­ple­men­tar nº 160, de 2017. No vo­to, des­ta­cou que, se­gun­do a lei, in­cen­ti­vos e be­ne­fí­ci­os fis­cais con­ce­di­dos pe­los Es­ta­dos e pe­lo Dis­tri­to Fe­de­ral são con­si­de­ra­dos sub­ven­ções pa­ra in­ves­ti­men­to. Além dis­so, ob­ser­vou que fo­ram cum­pri­dos os re­qui­si­tos pa­ra ser con­si­de­ra­do sub­ven­ção pa­ra in­ves­ti­men­to, co­mo o re­gis­tro em re­ser­va de lu­cros.

Ain­da se­gun­do a re­la­to­ra, a exi­gên­cia de in­ves­ti­men­to em ati­vo per­ma­nen­te não cons­ta na Lei nº 12.973, de 2014, que foi al­te­ra­da pe­la LC 160. A de­ci­são da Câ­ma­ra Su­pe­ri­or foi unâ­ni­me.

O ad­vo­ga­do tri­bu­ta­ris­ta Fa­bio Cal­ci­ni, só­cio do es­cri­tó­rio Bra­sil Sa­lo­mão e Matthes Ad­vo­ca­cia des­ta­ca que a de­ci­são é im­por­tan­te por re­co­nhe­cer os pon­tos que, efe­ti­va­men­te, de­vem ser cum­pri­dos pa­ra o be­ne­fí­cio ser con­si­de­ra­do sub­ven­ção pa­ra in­ves­ti­men­to: a pu­bli­ca­ção de re­so­lu­ção pe­lo Con­faz, o re­gis­tro e de­pó­si­to dos in­cen­ti­vos pe­ran­te o ór­gão. “Os Es­ta­dos fi­ze­ram is­so”, afir­ma.

Ape­sar de o jul­ga­men­to tra­tar de be­ne­fí­cio do Dis­tri­to Fe­de­ral, fun­ci­o­na co­mo pre­ce­den­te pa­ra in­cen­ti­vos dos Es­ta­dos tam­bém, se­gun­do o ad­vo­ga­do. “A Câ­ma­ra Su­pe­ri­or co­lo­ca uma pá de cal no te­ma”, afir­ma.

A Procuradoria-Ge­ral da Fa­zen­da Na­ci­o­nal (PGFN) afir­mou em no­ta que não apre­sen­tou re­cur­so à de­ci­são da 1ª Tur­ma. Se­gun­do a PGFN, a Câ­ma­ra Su­pe­ri­or apli­cou o tra­ta­men­to nor­ma­ti­vo de­fi­ni­do pe­la lei com­ple­men­tar n 160 di­an­te da com­pro­va­ção do aten­di­men­to aos re­qui­si­tos pre­vis­tos no ar­ti­go 30 da Lei n 12.973, de 2014.

LUIS USHIROBIRA/VA­LOR

Ad­vo­ga­do Fa­bio Cal­ci­ni: de­ci­são fun­ci­o­na co­mo pre­ce­den­te so­bre os in­cen­ti­vos dos Es­ta­dos, co­lo­can­do uma pá de cal so­bre a dis­pu­ta no Carf

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.