A re­cor­ren­te su­pe­res­ti­ma­ção de pro­je­ções de cres­ci­men­to do PIB

Exis­te uma in­cer­te­za a res­pei­to do ver­da­dei­ro PIB po­ten­ci­al. Por Mar­ce­lo Kfoury e Car­los Wa­ack

Valor Econômico - - OPINIÃO -

Pe­lo se­gun­do ano con­se­cu­ti­vo o PIB bra­si­lei­ro cres­ceu 1,1%, mas a coin­ci­dên­cia não pa­ra aí, pois, nes­ses dois anos, a pre­vi­são era de cres­ci­men­to de cer­ca de 3% no iní­cio dos res­pec­ti­vos anos. Se com­pa­rar­mos com os dois anos an­te­ri­o­res (2015 e 2016), quan­do hou­ve uma qu­e­da do PIB de mais de 3% em ca­da ano (pior re­ces­são da história do Bra­sil), o re­sul­ta­do não nos pa­re­ce tão ruim. Po­rém, apa­ren­te­men­te há uma ten­dên­cia de pre­ver­mos um cres­ci­men­to mui­to mais for­te do cres­ci­men­to do que vem re­al­men­te ocor­ren­do. No­va­men­te no iní­cio do ano, as ex­pec­ta­ti­vas de cres­ci­men­to do PIB pa­ra 2019 e 2020 es­ta­vam no­va­men­te mui­to oti­mis­tas, ao re­dor de 2,5%. Nes­se momento, em que já se en­cer­rou o pri­mei­ro tri­mes­tre e hou­ve uma frus­tra­ção no cres­ci­men­to, a ex­pec­ta­ti­va já se en­con­tra abaixo de 2%. De qual­quer ma­nei­ra, os ana­lis­tas pro­je­tam pa­ra o cres­ci­men­to de acor­do com a es­ti­ma­ti­va do PIB po­ten­ci­al, que se si­tua ao re­dor de 2,5%. O nos­so pon­to nes­se ar­ti­go é mos­trar que há uma es­ti­ma­ti­va er­ra­da do PIB po­ten­ci­al, que es­tá le­van­do os ana­lis­tas a se­rem re­cor­ren­te­men­te oti­mis­tas com as su­as pro­je­ções de cres­ci­men­to.

Em 2017, dois eco­no­mis­tas ale­mães Do­vern e Jann­sen (2017) pu­bli­ca­ram na re­vis­ta aca­dê­mi­ca In­ter­na­ti­o­nal Jour­nal of Fo­re­cas­ting, um ar­ti­go so­bre a exis­tên­cia de viés nas pro­je­ções de cres­ci­men­to do pro­du­to in­ter­no bru­to (PIB) em uma ga­ma de paí­ses de­sen­vol­vi­dos. O que eles des­co­bri­ram foi que as pro­je­ções pos­su­em um viés, quan­do as di­fe­ren­tes fa­ses do ci­clo econô­mi­co não são le­va­das em con­si­de­ra­ção. Se dis­tin­guir­mos en­tre pe­río­dos de ex­pan­são, re­ces­são e re­cu­pe­ra­ção, o viés é ex­pli­ca­do so­men­te pelas fa­ses de re­ces­são e re­cu­pe­ra­ção. Ao apli­car­mos o es­tu­do ao ca­so do Bra­sil cons­ta­ta­mos que o re­sul­ta­do tam­bém se con­fir­ma. Acon­te­ce que ao ana­li­sar gra­fi­ca­men­te as pro­je­ções do PIB, usan­do as previsões do re­la­tó­rio Fo­cus pu­bli­ca­do pe­lo Ban­co Cen­tral do Bra­sil (BCB), no­ta­mos que pa­ra pe­río­dos mais dis­tan­tes os eco­no­mis­tas pro­je­tam uma me­di­da do PIB po­ten­ci­al. Es­sa ten­dên­cia foi do­cu­men­ta­da na dis­ser­ta­ção de mes­tra­do “Viés

nos erros das pro­je­ções de cres­ci­men­to re­al do pro­du­to in­ter­no bru­to con­di­ci­o­na­do pe­lo es­tá­gio do ci­clo econô­mi­co” de Car­los Cas­ta­ne­da Wa­ack de­fen­di­da no Ins­per re­cen­te­men­te.

Os eco­no­mis­tas acham im­por­tan­te ter uma me­di­da do po­ten­ci­al de cres­ci­men­to da eco­no­mia pa­ra ve­ri­fi­car o es­tá­gio que a eco­no­mia se en­con­tra no ci­clo de ne­gó­ci­os. Se há uma impressão que a eco­no­mia es­tá aci­ma do po­ten­ci­al, uma po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria mais du­ra é ne­ces­sá­ria pa­ra evi­tar a inflação. Por­tan­to, ter uma no­ção não só da fol­ga da eco­no­mia atu­al­men­te e mas tam­bém uma leitura so­bre o cres­ci­men­to po­ten­ci­al é im­por­tan­te pa­ra que o BCB e o mi­nis­té­rio da fa­zen­da ca­li­brem as su­as po­lí­ti­cas pa­ra ab­sor­ver o con­tin­gen­te de de­sem­pre­ga­dos, que exis­tem atu­al­men­te no Bra­sil sem in­fla­ci­o­nar a eco­no­mia.

De­pen­den­do de qual método for usa­do pa­ra se es­ti­mar o PIB po­ten­ci­al che­ga-se a di­fe­ren­tes va­lo­res. Ou se­ja, exis­te uma in­cer­te­za a res­pei­to de qual é o ver­da­dei­ro PIB po­ten­ci­al da eco­no­mia bra­si­lei­ra. Os mé­to­dos es­ta­tís­ti­cos mais usu­al­men­te usa­dos são a ten­dên­cia li­ne­ar do PIB, o fil­tro HP e o fil­tro de Kal­man. Há tam­bém ten­ta­ti­vas de se es­ti­mar o cres­ci­men­to do es­to­que de ca­pi­tal e da mão de obra e além de se es­ti­mar a pro­du­ti­vi­da­de da eco­no­mia atra­vés de uma função de pro­du­ção, que da­ria o po­ten­ci­al de cres­ci­men­to com a ple­na uti­li­za­ção dos fa­to­res. Pa­ra di­fi­cul­tar ain­da mais a es­ti­ma­ção te­mos que de al­gu­ma for­ma li­dar com a qu­e­da es­tru­tu­ral que a eco­no­mia apre­sen­tou de­vi­do a pro­fun­da re­ces­são nos anos 2015 e 2016. Co­mo mo­de­lar es­sa que­bra? A in­cli­na­ção da cur­va do PIB po­ten­ci­al mu­dou? Hou­ve um des­lo­ca­men­to do in­ter­cep­to?

Pa­ra re­al­men­te vol­tar pa­ra um cres­ci­men­to aci­ma de 2% do PIB, pre­ci­sa­mos ele­var o mon­tan­te de in­ves­ti­men­tos da eco­no­mia e au­men­tar a pro­du­ti­vi­da­de do tra­ba­lho. Es­ta­mos in­ves­ti­men­to cer­ca de 16% do PIB, mui­to abaixo de que paí­ses com ren­da si­mi­lar. Pa­ra que os em­pre­sá­ri­os vol­tem a apos­tar nos seus ne­gó­ci­os é ne­ces­sá­rio não ape­nas con­fi­an­ça, mas tam­bém financiame­nto. A reforma da pre­vi­dên­cia é con­di­ção ne­ces­sá­ria pa­ra Bra­sil cres­cer, mas não é su­fi­ci­en­te. Ca­so a reforma não se­ja apro­va­da, o país po­de­rá pas­sar por si­tu­a­ção de do­mi­nân­cia fis­cal, e os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos não vol­ta­rão e cré­di­to con­ti­nu­a­rá sen­do só de cur­to prazo ba­si­ca­men­te pa­ra o consumo. Os in­ves­ti­men­tos pú­bli­cos ou pe­lo menos a co­or­de­na­ção pública é fun­da­men­tal pa­ra equa­ci­o­nar os gar­ga­los lo­gís­ti­cos e edu­ca­ci­o­nais que afe­tam a nossa pro­du­ti­vi­da­de.

No ca­so de se equa­ci­o­nar o nó fis­cal e tam­bém se hou­ver tran­qui­li­da­de no front ex­ter­no, uma aju­da adi­ci­o­nal a re­cu­pe­ra­ção po­de vir pe­lo la­do da po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria. Tan­to a inflação co­mo a ati­vi­da­de de­man­dam ju­ros ain­da mais es­ti­mu­la­ti­vos. Em ter­mos con­cre­tos, os ju­ros de um ano a fren­te es­tão ao re­dor de 6,50%, e a ex­pec­ta­ti­va de inflação 12 meses à fren­te em 3,83%, por­tan­to os ju­ros re­ais ex-an­te es­tão ao re­dor de 2,6%. Su­pon­do que os ju­ros neu­tros es­te­jam abaixo de 4% (que po­de bai­xar ain­da mais com a apro­va­ção da pre­vi­dên­cia), não é uma di­fe­ren­ça as­sim tão con­si­de­rá­vel pa­ra es­ti­mu­lar a eco­no­mia e o em­pre­go. Além disso, da­do que a eco­no­mia internacio­nal es­tá di­mi­nuin­do o pas­so na nor­ma­li­za­ção fi­nan­cei­ra, is­so po­de abrir abre ca­mi­nho pa­ra o BCB vol­tar a fle­xi­bi­li­zar a po­lí­ti­ca mo­ne­tá­ria a partir do se­gun­do se­mes­tre.

Con­cluin­do, te­mos a impressão que as ex­pec­ta­ti­vas de cres­ci­men­to anu­al do PIB es­tão re­cor­ren­te­men­te mais oti­mis­tas nos pró­xi­mos anos ba­se­a­das em es­ti­ma­ti­vas ro­mân­ti­cas do PIB Po­ten­ci­al. Se muita coi­sa positiva não acon­te­cer, re­for­mas es­tru­tu­rais en­tre ou­tras, as chan­ces de ter­mos no­va­men­te um cres­ci­men­to frus­tran­te ao re­dor de 1% não é des­pre­zí­vel e por não di­zer mais pro­vá­vel.

Se muita coi­sa positiva não acon­te­cer, as chan­ces de ter­mos um cres­ci­men­to frus­tran­te não é des­pre­zí­vel

FREEIMAGES

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.