In­de­pen­dên­cia ou in­ter­de­pen­dên­cia?

Valor Econômico - - Opinião - Már­cio Gar­cia

Quan­do cri­an­ças, so­mos de­pen­den­tes, de­pen­dên­cia que di­mi­nui gra­du­al­men­te com o pas­sar dos anos. Quan­do ado­les­cen­tes, afir­ma­mos nos­sa in­de­pen­dên­cia, fre­quen­te­men­te pa­ra de­ses­pe­ro dos pais. Fi­nal­men­te, se con­se­gui­mos ter su­ces­so no ama­du­re­ci­men­to, tor­na­mo-nos adul­tos, vi­ven­do de for­ma in­ter­de­pen­den­te, quan­do há de­pen­dên­cia mú­tua, em prol de um bem co­mum.

O pro­je­to de lei cam­bi­al — que pas­sa­rá a re­gu­lar o mer­ca­do de câm­bio, o ca­pi­tal brasileiro no ex­te­ri­or, o ca­pi­tal es­tran­gei­ro no Bra­sil e a pres­ta­ção de in­for­ma­ções ao BC — di­vul­ga­do es­ta se­ma­na, e que de­ve­rá em bre­ve ser apre­ci­a­do pe­lo Con­gres­so Na­ci­o­nal, re­pre­sen­ta a ri­tu­a­li­za­ção de nos­sa pas­sa­gem pa­ra a vi­da adul­ta, no que tan­ge às prá­ti­cas cam­bi­ais.

Em­pre­sá­ri­os cu­jos ne­gó­ci­os en­vol­vem tran­sa­ções cam­bi­ais cos­tu­mam des­fi­ar um ro­sá­rio de quei­xas so­bre os re­qui­si­tos úni­cos e ar­cai­cos da le­gis­la­ção cam­bi­al bra­si­lei­ra, que im­põem cus­tos pre­ju­di­ci­ais às em­pre­sas bra­si­lei­ras na com­pe­ti­ção in­ter­na­ci­o­nal. A co­me­çar pe­los spre­ads cam­bi­ais (di­fe­ren­ça en­tre a ta­xa de câm­bio de com­pra e de ven­da), mui­to al­tos no Bra­sil, que one­ram, so­bre­tu­do, pes­so­as fí­si­cas e pe­que­nas e mé­di­as em­pre­sas.

Des­bu­ro­cra­ti­zar e tra­zer mai­or com­pe­ti­ção ao mer­ca­do cam­bi­al são pas­sos im­por­tan­tes pa­ra re­du­zir o cus­to de ca­pi­tal, im­pul­si­o­nar o in­ves­ti­men­to, o cres­ci­men­to e a ge­ra­ção de em­pre­gos, e fa­ci­li­tar e ba­ra­te­ar a vi­da do ci­da­dão co­mum. Tal co­mo o spre­ad do cré­di­to ban­cá­rio, o spre­ad cam­bi­al po­de ser al­ta­men­te no­ci­vo ao cres­ci­men­to e ao bem-es­tar.

Nos­sos re­pre­sen­tan­tes em Bra­sí­lia de­ve­rão so­pe­sar cus­tos e be­ne­fí­ci­os da me­di­da. Os be­ne­fí­ci­os de me­no­res cus­tos e me­nor bu­ro­cra­cia pa­ra em­pre­sas e pes­so­as são cla­ros. Mas quais se­ri­am os su­pos­tos cus­tos da li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al?

Um ar­gu­men­to con­trá­rio à li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al es­tá re­la­ci­o­na­do aos ris­cos de uma even­tu­al do­la­ri­za­ção da nos­sa eco­no­mia. Quan­do, há al­guns me­ses, o mi­nis­tro da Eco­no­mia men­ci­o­nou o ob­je­ti­vo de tor­nar o re­al con­ver­sí­vel, hou­ve di­ver­sas crí­ti­cas nes­se sen­ti­do. Lem­bro-me de um pro­gra­ma de TV no qual di­ver­sos jor­na­lis­tas co­men­ta­ram que se­ria um ab­sur­do que ban­cos bra­si­lei­ros pu­des­sem ofe­re­cer con­tas em dó­lar, pois, se­gun­do eles, to­dos iri­am ime­di­a­ta­men­te con­ver­ter su­as con­tas pa­ra dó­lar.

Tal te­mor não tem fun­da­men­to. Con­tas ban­cá­ri­as em mo­e­da es­tran­gei­ra no Bra­sil só se­ri­am van­ta­jo­sas pa­ra qu­em tem ne­gó­ci­os em mo­e­da es­tran­gei­ra. Se a in­ten­ção é pro­te­ger pa­trimô­nio, já é pos­sí­vel cons­ti­tuir pa­trimô­nio no ex­te­ri­or le­gal­men­te, e vá­ri­as fa­mí­li­as mais ri­cas e em­pre­sas o fa­zem há tem­pos. O pro­je­to de lei não in­tro­duz ne­nhu­ma mu­dan­ça ra­di­cal nes­te as­pec­to, ape­nas am­plia a lis­ta das em­pre­sas que já po­dem ter con­tas de mo­e­da es­tran­gei­ra no Bra­sil.

Gra­du­al­men­te, po­de-se vir a am­pli­ar tal au­to­ri­za­ção pa­ra pes­so­as fí­si­cas, mas is­so ain­da de­pen­de de re­gu­la­ção do BC. Se e quan­do fo­rem li­be­ra­das con­tas em mo­e­da es­tran­gei­ra nos ban­cos bra­si­lei­ros, o BC con­ti­nu­a­rá a me­dir a ex­po­si­ção cam­bi­al dos ban­cos, le­van­do de­vi­da­men­te em con­ta os ris­cos pa­ra o sis­te­ma ban­cá­rio.

A pos­si­bi­li­da­de de man­ter con­tas em re­al no ex­te­ri­or tam­bém am­pli­a­rá as pos­si­bi­li­da­des de mui­tas em­pre­sas que fa­zem ne­gó­cio com o Bra­sil. Vá­ri­os pro­du­tos fi­nan­cei­ros im­por­tan­tes pa­ra se re­a­li­zar ope­ra­ções de hed­ge de lon­go pra­zo, co­mo os cross-cur­rency swaps, fun­da­men­tais pa­ra pro­je­tos de in­fra­es­tru­tu­ra, de­pen­dem de se po­der ne­go­ci­ar re­ais no ex­te­ri­or.

Di­ver­sas cri­ses de vi­zi­nhos la­ti­no-ame­ri­ca­nos, co­mo o Mé­xi­co ou a Ar­gen­ti­na, são bran­di­das co­mo exem­plo de di­fi­cul­da­des que a li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al po­de­rá tra­zer. A ideia pa­re­ce ser que te­mos que fa­zer to­das as re­for­mas econô­mi­cas pen­den­tes, pa­ra só en­tão li­be­ra­li­zar o mer­ca­do cam­bi­al.

É bem ver­da­de que um even­tu­al fra­cas­so na ten­ta­ti­va de “fa­zer o go­ver­no ca­ber no PIB”, com a apro­va­ção de uma ver­são ro­bus­ta da re­for­ma da Pre­vi­dên­cia e ou­tras re­for­mas sub­se­quen­tes, po­rá por ter­ra qual­quer es­pe­ran­ça de me­lho­ra econô­mi­ca. Com ou sem mu­dan­ça na le­gis­la­ção cam­bi­al. Pro­va dis­so é que hou­ve tam­bém no Bra­sil vá­ri­os epi­só­di­os de fu­ga de ca­pi­tais e pa­ra­das brus­cas. É até pos­sí­vel que os des­do­bra­men­tos de tais epi­só­di­os ti­ves­sem si­do ain­da pi­o­res com mai­or li­ber­da­de cam­bi­al. Mas não é ób­vio que te­ria si­do o ca­so. E, mes­mo ten­do pas­sa­do ao lar­go da do­la­ri­za­ção, tam­bém ti­ve­mos hi­pe­rin­fla­ção nos anos 80 e 90.

Co­mo men­ci­o­na­do aci­ma, a bu­ro­cra­cia e os cus­tos en­vol­vi­dos com ope­ra­ções cam­bi­ais no Bra­sil one­ram o cus­to de ca­pi­tal e pre­ju­di­cam o in­ves­ti­men­to e o cres­ci­men­to. O me­lhor ca­mi­nho pa­re­ce ser o de avan­çar con­jun­ta­men­te em vá­ri­os fronts. De qual­quer for­ma, a atu­al lei man­tém a pos­si­bi­li­da­de de o BC de­cre­tar a cen­tra­li­za­ção cam­bi­al, co­mo fi­ze­mos em ca­sos ex­tre­mos, pe­la úl­ti­ma vez nos anos 80. Ou se­ja, não pa­re­ce que es­te­ja­mos to­man­do ris­co des­me­su­ra­do pa­ra po­der usu­fruir dos be­ne­fí­ci­os que ad­vi­ri­am da no­va le­gis­la­ção.

O ris­co mai­or pa­re­ce ser ou­tro. Lem­bro-me de um co­le­ga, ex-di­re­tor do BC, que em dé­ca­das pas­sa­das ten­tou ne­go­ci­ar al­gu­ma li­be­ra­li­za­ção cam­bi­al no Se­na­do. O se­na­dor com qu­em ele con­ver­sou, que era ami­go de sua fa­mí­lia, lhe acon­se­lhou, na épo­ca, a não me­xer no as­sun­to, pon­de­ran­do que, se fos­se da­da a opor­tu­ni­da­de de al­te­rar a le­gis­la­ção, o Se­na­do fi­ca­ria ten­ta­do a tor­ná-la ain­da me­nos li­be­ral. Es­se é um ris­co efe­ti­vo com que a equi­pe econô­mi­ca te­rá de li­dar com cui­da­do.

Pa­ra que a eco­no­mia bra­si­lei­ra pos­sa sair do pan­ta­nal no qual a No­va Ma­triz Econô­mi­ca a afun­dou, se­rá pre­ci­so con­ti­nu­ar a le­var à fren­te as re­for­mas pen­den­tes. Vá­ri­as de­las, co­mo é o ca­so da no­va lei cam­bi­al, im­pli­ca­rão abrir mão de su­pos­tas de­fe­sas con­tra cri­ses em prol de mai­or in­ser­ção do país na eco­no­mia mun­di­al. Tal co­mo o ado­les­cen­te que pre­ci­sa tro­car sua so­nha­da in­de­pen­dên­cia pe­la in­ter­de­pen­dên­cia do mun­do re­al, são avanços que o Bra­sil já não po­de pro­cras­ti­nar.

O pro­je­to de lei cam­bi­al ali­nha o Bra­sil com as me­lho­res prá­ti­cas em vi­gor nos paí­ses avan­ça­dos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.