Ode­bre­cht gas­ta R$ 1,5 bi com de­la­ções de exe­cu­ti­vos

Me­ga-acor­do de co­la­bo­ra­ção en­vol­veu 77 exe­cu­ti­vos

Valor Econômico - - Empresas - Gra­zi­el­la Va­len­ti

Ser au­tor da “de­la­ção do fim do mun­do” te­ve um cus­to fi­nan­cei­ro pro­por­ci­o­nal ao tí­tu­lo. O gru­po Ode­bre­cht, em re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al des­de ju­nho, te­ve de ar­car com uma des­pe­sa de R$ 1,5 bi­lhão pa­ra con­ven­cer 77 exe­cu­ti­vos a se en­tre­ga­rem à Jus­ti­ça pa­ra que a com­pa­nhia pu­des­se ne­go­ci­ar um acor­do de le­ni­ên­cia. Es­sa so­ma re­fe­re-se ape­nas aos gas­tos que o con­glo­me­ra­do te­ve com as pes­so­as fí­si­cas, con­for­me o Va­lor con­fir­mou com fon­tes pró­xi­mas ao te­ma.

O acor­do cor­po­ra­ti­vo da Ode­bre­cht com Bra­sil, Es­ta­dos Uni­dos e Suí­ça, pos­sí­vel de­vi­do aos re­la­tos dos seus exe­cu­ti­vos, fi­cou em R$ 3,83 bi­lhões, com par­ce­las anu­ais até 2040. De for­ma sim­pli­fi­ca­da, se­ria co­mo di­zer que o cus­to fi­nan­cei­ro da La­vaJa­to, sem con­si­de­rar o re­pu­ta­ci­o­nal, foi de R$ 5,3 bi­lhões.

Pro­cu­ra­da a res­pei­to do as­sun­to, a Ode­bre­cht não co­men­tou.

O va­lor gas­to com exe­cu­ti­vos é a so­ma de R$ 530 mi­lhões em mul­tas aos pro­fis­si­o­nais, es­ta­be­le­ci­das pe­lo Mi­nis­té­ri­os Pú­bli­co Fe­de­ral (MPF), mais gas­tos com ad­vo­ga­dos bra­si­lei­ros e ame­ri­ca­nos e in­de­ni­za­ções pa­gas men­sal­men­te por pra­zo igual ao da pe­na re­ce­bi­da.

O to­tal se di­vi­de em 1/3 pa­ra ca­da item ci­ta­do — mul­tas, ad­vo­ga­dos e in­de­ni­za­ções (aqui in­cluí­do o acor­do de Mar­ce­lo Ode­bre­cht, que fez exi­gên­ci­as es­pe­cí­fi­cas, con­for­me Va­lor re­ve­lou em de­zem­bro). Con­si­de­ran­do a multa, Mar­ce­lo re­ce­beu R$ 240 mi­lhões, se­gun­do de­cla­ra­ções do pre­si­den­te do gru­po, Ruy Sam­paio. Es­se pa­ga­men­to se tor­nou al­vo de uma in­ves­ti­ga­ção in­ter­na, ini­ci­a­da em de­zem­bro pe­la com­pa­nhia e que es­tá aos cui­da­dos do es­cri­tó­rio Vei­ra­no Ad­vo­ga­dos.

Em abril de 2019, a em­pre­sa de con­ces­sões ro­do­viá­ri­as CCR, con­tro­la­da pe­los gru­pos An­dra­de Gutierrez, Soares Pe­ni­do e Camargo Corrêa, apro­vou em as­sem­bleia de aci­o­nis­tas um pa­co­te de R$ 71 mi­lhões pa­ra 15 exe­cu­ti­vos que co­la­bo­ram com a Jus­ti­ça, com as mes­mas des­pe­sas que a Ode­bre­cht ar­cou: mul­tas, ad­vo­ga­dos e in­de­ni­za­ções men­sais por cin­co anos.

Da so­ma bi­li­o­ná­ria to­tal, qua­se 95% já fo­ram de­sem­bol­sa­dos, con­for­me fon­tes que co­nhe­cem o te­ma de per­to. Ain­da há al­guns pe­que­nos gas­tos com as in­de­ni­za­ções àque­les exe­cu­ti­vos que ti­ve­ram as pe­nas mais lon­gas.

A Ode­bre­cht ti­nha in­ten­ção de com­pen­sar 50% do “per­di­men­to” dos va­lo­res que es­ta­vam em con­tas fo­ra do Bra­sil pa­ra to­dos os co­la­bo­ra­do­res. Mas, após o gru­po con­sul­tar o MPF a es­se res­pei­to, não ob­te­ve per­mis­são. A con­ta te­ria fi­ca­do en­tre R$ 100 mi­lhões e R$ 200 mi­lhões mais ca­ra com es­se res­sar­ci­men­to.

O úni­co que te­ve com­pen­sa­ção de me­ta­de da per­da foi Mar­ce­lo Ode­bre­cht, que em no­vem­bro de 2016, às vés­pe­ras de as­si­nar o acor­do, fez exi­gên­ci­as à Ode­bre­cht pa­ra ga­ran­tir seu res­sar­ci­men­to. O de­pó­si­to ao exe­cu­ti­vo ocor­reu da ne­ga­ti­va do MPF, con­for­me o Va­lor apu­rou.

Além da per­da dos re­cur­sos que ti­nham fo­ra do Bra­sil, fru­to de bô­nus re­ce­bi­dos com cai­xa 2 da em­pre­sa (re­cur­sos não de­cla­ra­dos à Re­cei­ta Fe­de­ral), os exe­cu­ti­vos fi­ca­ram com o sa­lá­rio fi­xo co­mo in­de­ni­za­ção — mas sem es­ses ex­tras dos bô­nus, que eram a mai­or par­te de su­as re­mu­ne­ra­ções anu­ais.

Es­se foi o ca­mi­nho pa­ra con­ven­cer ra­pi­da­men­te e ao mes­mo tem­po 76 pes­so­as — além de Emí­lio Ode­bre­cht — a con­fes­sar seus cri­mes de cor­rup­ção. Ini­ci­al­men­te, qu­an­do op­tou pe­la co­la­bo­ra­ção pre­mi­a­da, o gru­po ofe­re­ceu apro­xi­ma­da­men­te 20 exe­cu­ti­vos. O nú­me­ro era pou­co su­pe­ri­or ao to­tal de pro­fis­si­o­nais que fo­ram pre­sos ou al­vos di­re­tos de ope­ra­ções da Po­lí­cia Fe­de­ral.

Emí­lio Ode­bre­cht de­ci­diu de for­ma de­fi­ni­ti­va que bus­ca­ria a co­la­bo­ra­ção com o MPF após as fa­ses Xe­pa e Aca­ra­jé, exe­cu­ta­das pe­la Po­lí­cia Fe­de­ral (PF) em fe­ve­rei­ro e mar­ço de 2016, res­pec­ti­va­men­te. A com­pa­nhia era al­vo cen­tral da Ope­ra­ção La­va-Ja­to des­de ju­nho de 2015, qu­an­do ocor­reu a pri­são do en­tão pre­si­den­te Mar­ce­lo Ode­bre­cht.

Pa­ra de­ter­mi­nar quem se­ria co­la­bo­ra­dor, o MPF es­ta­be­le­ceu três cri­té­ri­os — ter ne­go­ci­a­do o pa­ga­men­to de pro­pi­nas, apro­va­do ou exe­cu­ta­do o pa­ga­men­to. Quem cum­pris­se dois que­si­tos, ti­nha de se tor­nar de­la­tor.

A Ode­bre­cht só acei­tou par­tir pa­ra os acor­dos após a PF ter al­can­ça­do a se­cre­tá­ria Ma­ria Lú­cia Ta­va­res, que es­ta­va com a lis­ta dos ape­li­dos da­que­les po­lí­ti­cos e au­to­ri­da­des que re­ce­bi­am os pa­ga­men­tos de pro­pi­na da com­pa­nhia, e tam­bém os sis­te­mas de tec­no­lo­gia que re­gis­tra­vam as tran­sa­ções, Drousys e MyWebDay.

Com dí­vi­das de R$ 55 bi­lhões em re­ne­go­ci­a­ção, den­tro um pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção com R$ 98 bi­lhões de com­pro­mis­sos lis­ta­dos, a Ode­bre­cht se man­te­ve ar­can­do com des­pe­sas, cus­tos, in­ves­ti­men­tos mí­ni­mos nos di­ver­sos ne­gó­ci­os, sem ter aces­so a no­vas li­nhas de cré­di­to des­de ju­nho de 2015. A úni­ca cap­ta­ção ocor­reu em maio de 2018, no va­lor de R$ 2,6 bi­lhões, com os ban­cos Itaú e Bra­des­co.

Nes­ses qu­a­tros anos, a com­pa­nhia pa­gou um to­tal de R$ 13 bi­lhões em amor­ti­za­ção de dí­vi­das e ju­ros. Es­tão in­cluí­das nes­se to­tal, as dí­vi­das que acom­pa­nha­ram ati­vos ven­di­dos no pe­río­do e ti­ve­ram a ti­tu­la­ri­da­de trans­fe­ri­da.

Ao lon­go dos úl­ti­mos qua­tro anos, a com­pa­nhia pro­mo­veu di­ver­sas re­ne­go­ci­a­ções in­ter­me­diá­ri­as, an­tes de par­tir pa­ra a re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. Nes­sas re­es­tru­tu­ra­ções, qua­se to­das pa­ra alon­ga­men­to de pra­zo, o gru­po am­pli­ou os avais e ga­ran­ti­as con­ce­di­dos aos ban­cos pa­ra dí­vi­das an­ti­gas. Com is­so, ce­deu em ali­e­na­ção fi­du­ciá­ria as ações das con­tro­la­das Bras­kem, Ocyan e 70% da At­vos.

A Ode­bre­cht es­tá pró­xi­ma de um acor­do com cin­co dos principais ban­cos cre­do­res. Um dos te­mas mais de­li­ca­dos no fi­nal das ne­go­ci­a­ções são os cré­di­tos de aci­o­nis­tas no pro­ces­so de re­cu­pe­ra­ção ju­di­ci­al. Há qua­se R$ 2 bi­lhões em com­pro­mis­sos com aci­o­nis­tas atu­ais e ex-exe­cu­ti­vos. As ins­ti­tui­ções que­rem que os aci­o­nis­tas fi­quem su­bor­di­na­dos a to­dos os de­mais — a exem­plo do que ocor­re­ria em uma fa­lên­cia. A pró­xi­ma as­sem­bleia de cre­do­res es­tá pre­vis­ta pa­ra dia 29.

FER­NAN­DO LE­MOS/AGÊN­CIA O GLOBO

Mar­ce­lo Ode­bre­cht é al­vo de in­ves­ti­ga­ção que apu­ra re­ce­bi­men­to de R$ 240 mi­lhões pa­ra as­si­na­tu­ra de de­la­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.