PU­LO DA GATA

Women’s Health (Brazil) - - Primeira Página - Por La­ris­sa Ser­pa

A cor­da é o aces­só­rio per­fei­to pa­ra atin­gir seu ob­je­ti­vo fit­ness

Re­ma­das já não são ape­nas pa­ra re­ma­do­res, bar­ras de dan­ça não são só pa­ra bai­la­ri­nos... O mo­vi­men­to fit­ness

em­pres­ta elementos de di­fe­ren­tes mo­da­li­da­des pa­ra que to­das nós pos­sa­mos co­lher os be­ne­fí­ci­os. En­tão ou­ça bem, bo­xe­a­do­res: es­tá na ho­ra de

em­pres­tar su­as cor­das

No que diz res­pei­to à vi­da co­ti­di­a­na, nun­ca é bom pu­lar as coi­sas. Mas se seu ob­je­ti­vo fit­ness é me­lho­rar o sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar e quei­mar o má­xi­mo de ca­lo­ri­as pos­sí­vel, pu­lar cor­da é al­ta­men­te re­co­men­da­do. “É um mé­to­do óti­mo pa­ra quem quer per­der pe­so e me­lho­rar o con­di­ci­o­na­men­to fí­si­co, pois re­for­ça o sis­te­ma car­di­o­vas­cu­lar e au­men­ta o gas­to ca­ló­ri­co”, diz

Vi­ni­cius Di­as, de São Pau­lo, pro­fes­sor da re­de de aca­de­mi­as Smart Fit. É por is­so que o mo­vi­men­to é co­mum em au­las de cros­s­fit e já é um clás­si­co dos bo­xe­a­do­res, que pre­ci­sam de equi­lí­brio, co­or­de­na­ção e agi­li­da­de no rin­gue.

E um es­tu­do pu­bli­ca­do na in­ter­na­ci­o­nal Re­se­ar­ch Qu­ar­tely for Exer­ci­se and Sport des­co­briu que pu­lar cor­da por 10 mi­nu­tos no dia re­sul­ta nos mes­mos be­ne­fí­ci­os car­di­o­vas­cu­la­res que cor­rer di­a­ri­a­men­te por 30 mi­nu­tos – o que qual­quer cor­re­dor vai te fa­lar que é bas­tan­te tem­po. Além dis­so, é um exer­cí­cio que tra­ba­lha o cor­po to­do. “O mai­or re­cru­ta­men­to de mus­cu­la­tu­ra se dá nas pan­tur­ri­lhas, co­xas e glú­te­os, mas ain­da en­vol­ve a mo­vi­men­ta­ção da cor­da pe­los bra­ços”, ex­pli­ca Vi­ni­cius. O exer­cí­cio tam­bém dá um bo­ost na sua pos­tu­ra, já que exi­ge que vo­cê pu­xe os om­bros pa­ra trás e es­ten­da a co­lu­na.

Quer mais?

Se­gun­do um es­tu­do do in­ter­na­ci­o­nal Jour­nal of Apl­li­ed Phi­si­o­logy, mu­lhe­res que pu­lam cor­da 3 ve­zes por se­ma­na du­ran­te 6 me­ses au­men­tam a den­si­da­de ós­sea dos mem­bros in­fe­ri­o­res, evi­tan­do que te­nham os­te­o­po­ro­se e do­res nas per­nas no fu­tu­ro.

A úni­ca coi­sa no ca­mi­nho en­tre vo­cê e o su­ces­so nas cor­das é vo­cê mes­ma. Mas is­so é com­pre­en­sí­vel, já que é di­fí­cil ini­ci­ar na mo­da­li­da­de sem pi­sar na cor­da – e até cair – al­gu­mas ve­zes. A di­ca de Di­e­go Be­lot­ti, da re­de Bio Rit­mo de São Pau­lo, é co­me­çar com o mais sim­ples: sal­tan­do com os dois pés jun­tos até con­quis­tar ha­bi­li­da­de e pas­sar pa­ra mo­vi­men­tos mais de­sa­fi­a­do­res com o tem­po. E, ape­sar de pa­re­cer con­train­tui­ti­vo, cor­das mais pe­sa­das po­dem fa­ci­li­tar o trei­no pa­ra ini­ci­an­tes, já que, por pe­sa­rem mais, a ro­ta­ção ocor­re mais de­va­gar.

Com trei­no re­gu­lar, a prá­ti­ca vai ser mais fá­cil e vo­cê vai po­der sair sal­ti­tan­do – li­te­ral­men­te – a ca­mi­nho do seu ob­je­ti­vo fit­ness.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.