TEIA DE SAN­GUE

Women’s Health (Brazil) - - Primeira Página - Por Mar­jo­rie Zop­pei

A en­do­me­tri­o­se atin­ge mi­lhões de bra­si­lei­ras. E vo­cê po­de ser uma ví­ti­ma sem sa­ber

Uma em ca­da dez mu­lhe­res em ida­de re­pro­du­ti­va so­fre com a en­do­me­tri­o­se, uma do­en­ça qui­e­ta e es­pi­nho­sa. Sen­do tão co­mum quan­to as­ma ou di­a­be­tes, por que elas de­mo­ram tan­to pa­ra pro­cu­rar tra­ta­men­to?

WH in­ves­ti­ga

27 anos,

sol­tei­ra, bem-su­ce­di­da na car­rei­ra, vi­da so­ci­al efer­ves­cen­te, boa for­ma fí­si­ca e se­xu­al­men­te mais ati­va do que nun­ca. Es­ta era mi­nha his­tó­ria em 2011. Ti­ran­do um epi­só­dio de can­di­día­se e ou­tro de HPV, a do­en­ça mais gra­ve que ti­ve em to­da mi­nha vi­da foi uma ca­ta­po­ra aos 7 anos de ida­de. Ga­ro­ta exem­plar, eu man­ti­nha meus exa­mes gi­ne­co­ló­gi­cos de ro­ti­na re­li­gi­o­sa­men­te em dia.

Mi­nha re­cla­ma­ção em re­la­ção ao meu apa­re­lho se­xu­al pa­re­cia não ser na­da tão gra­ve: sim, as có­li­cas mens­tru­ais me fa­zi­am sen­tir a apro­xi­ma­ção da mor­te a ca­da mês e o in­ten­so flu­xo tam­bém já me fez pas­sar mui­ta ver­go­nha (rou­pa, ban­co do car­ro e len­çóis en­san­guen­ta­dos). Ha­via tam­bém uma di­ar­reia sem ex­pli­ca­ção du­ran­te os di­as de mens­tru­a­ção e, nos ou­tros, lon­gos pe­río­dos com pri­são de ven­tre. Ti­ran­do is­so, o ci­clo sem­pre se man­te­ve re­gu­lar por cau­sa do an­ti­con­cep­ci­o­nal.

Até que o pri­mei­ro des­con­for­to du­ran­te uma tran­sa acon­te­ceu. Não le­vei a dor a sé­rio – achei que eu não es­ta­va re­la­xa­da o su­fi­ci­en­te, ou mal po­si­ci­o­na­da, ou, vo­cê sa­be, o ins­tru­men­to era meio gran­di­nho. Mas o des­con­for­to veio de no­vo, e de no­vo, e de no­vo. Pre­o­cu­pa­da, pro­cu­rei meu ginecologista, que me vi­rou do aves­so, mas não con­fir­mou ne­nhum di­ag­nós­ti­co. Pro­cu­rei uma se­gun­da e uma ter­cei­ra opi­nião – es­ta úl­ti­ma me re­cei­tou uma po­ma­da pa­ra me­lho­rar a flo­ra va­gi­nal e um lu­bri­fi­can­te pa­ra o se­xo.

En­tão, em uma fa­tí­di­ca ma­nhã, sen­ti uma dor que me ras­ga­va ao meio. Sen­ta­da no va­so sa­ni­tá­rio, eu sim­ples­men­te não con­se­guia fa­zer cocô. Lem­bro que me fal­tou o ar e eu cho­rei. Pas­sei aque­le dia pes­qui­san­do na in­ter­net so­bre meus sin­to­mas – o que nem sem­pre é re­co­men­da­do – e che­guei à pá­gi­na da So­ci­e­da­de Bra­si­lei­ra Pa­ra Es­tu­do da Dor (Sbed). Ape­nas um si­nal eu não con­se­guia de­tec­tar: in­fer­ti­li­da­de. Os ou­tros pa­re­ci­am um en­cai­xe per­fei­to pa­ra en­do­me­tri­o­se.

Pro­cu­rei um ginecologista ex­pert em ci­rur­gia ro­bó­ti­ca.

Ele me pe­diu uma ba­te­ria de exa­mes (que in­clu­em di­ver­sos tes­tes de ima­gem com um pre­pa­ro in­tes­ti­nal nem um pou­co dig­ni­fi­can­te) e, BINGO!, a en­do­me­tri­o­se es­ta­va lá – uma con­di­ção que faz o en­do­mé­trio, o te­ci­do que co­bre to­da a pa­re­de in­ter­na do úte­ro, se es­pa­lhar pa­ra fo­ra do ór­gão. Com pres­sa, eu pas­sa­ria por uma vi­de­o­la­pa­ros­co­pia da­li dez di­as.

O pro­ce­di­men­to du­rou seis ho­ras. Além de um es­pes­sa­men­to gran­de na re­gião ex­ter­na do úte­ro, a en­do­me­tri­o­se tam­bém es­ta­va nos ová­ri­os e no in­tes­ti­no.

As­sim co­mo eu, ou­tras 180 mi­lhões de mu­lhe­res no mun­do so­frem com en­do­me­tri­o­se, se­gun­do da­dos da Or­ga­ni­za­ção Mun­di­al da Saú­de (OMS). Só no Bra­sil, são 6 mi­lhões, al­go em tor­no de uma a ca­da

dez mu­lhe­res em ida­de re­pro­du­ti­va. Ape­sar de ser qua­se uma epi­de­mia, a do­en­ça é si­len­ci­o­sa e di­fi­cil­men­te tem um di­ag­nós­ti­co pre­co­ce, o que faz com que elas so­fram anos a fio.

EMARANHADO VI­VO

A ci­ên­cia por trás da en­do­me­tri­o­se é di­fí­cil de ser tra­du­zi­da, e mui­tos dos sin­to­mas são fa­cil­men­te con­fun­di­dos com os de um ci­clo mens­tru­al sau­dá­vel – in­cluin­do a in­ten­si­da­de do flu­xo.

En­do­me­tri­o­se é o que acon­te­ce quan­do o te­ci­do que re­ves­te a ca­vi­da­de in­ter­na do úte­ro, o en­do­mé­trio, se es­pa­lha pa­ra lu­ga­res on­de não de­ve­ria es­tar, co­mo be­xi­ga, in­tes­ti­no, re­to, trom­pas, ová­ri­os... Em uma mu­lher sau­dá­vel, a mens­tru­a­ção sai com­por­ta­da­men­te pe­lo ca­nal va­gi­nal. Em quem tem en­do­me­tri­o­se, o te­ci­do que es­tá fo­ra do úte­ro não pos­sui ro­ta de saí­da.

Sem um ca­mi­nho, es­se san­gra­men­to in­ter­no pro­vo­ca uma in­fla­ma­ção e um au­men­to do es­pes­sa­men­to do en­do­mé­trio, que po­de ex­pan­dir a área afe­ta­da e pro­vo­car ain­da mais dor. “A cau­sa pa­ra a con­di­ção ain­da não es­tá to­tal­men­te es­cla­re­ci­da, mas a te­o­ria mais acei­ta é a da mens­tru­a­ção re­tró­gra­da. A mu­lher não nas­ce com en­do­me­tri­o­se, mas a par­tir do mo­men­to que co­me­ça a mens­tru­ar, au­men­ta a chan­ce de ‘san­grar pa­ra den­tro’ atra­vés das tu­bas ute­ri­nas. Por uma fa­lha no sis­te­ma imu­no­ló­gi­co, o en­do­mé­trio con­se­gue se im­plan­tar no pe­ritô­nio (mem­bra­na que re­co­bre as pa­re­des do abdô­men) e ór­gãos da ca­vi­da­de pél­vi­ca”, ex­pli­ca Ca­ro­li­ne Ale­xan­dra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.