VICIADAS EM AMOR

Women’s Health (Brazil) - - Primeira Página - POR FRAN­CI­E­LI HESS E ALIX O’NEILL

Aque­la sua ob­ses­são amo­ro­sa por ou­tra pes­soa po­de pre­ci­sar de tra­ta­men­to

Seu co­ra­ção es­tá ace­le­ra­do, as pal­mas das mãos co­me­çam a su­ar e, de re­pen­te, vo­cê se sen­te meio zon­za. Sem lu­zes pis­can­do, mú­si­ca ou mul­ti­dões – vo­cê es­tá so­zi­nha na ca­ma, às 3h da ma­nhã, in­tei­ra­men­te só­bria, len­do uma men­sa­gem da­que­la pes­soa. Um sor­ri­so es­qui­si­to vai ga­nhan­do for­ma no seu ros­to e vo­cê sen­te que o co­ra­ção es­tá prestes a es­ca­par pe­la bo­ca. Ago­ra é of ici­al: VO­CÊ ES­TÁ APAI­XO­NA­DA.

Quem al­gu­ma vez já sen­tiu aque­las bor­bo­le­tas no estô­ma­go, pre­ci­sou re­cor­rer à sa­be­do­ria co­le­ti­va do seu gru­po de ami­gas pa­ra de­ci­frar uma men­sa­gem su­bli­mi­nar do WHATSAPP ou, ain­da, sen­tiu uma pon­ta­da no co­ra­ção quan­do o(a) par­cei­ro(a) saiu pe­la por­ta no fim da tar­de de do­min­go já ex­pe­ri­men­tou as qua­li­da­des vi­ci­an­tes do amor. Uma gran­de re­vi­são de pes­qui­sas pre­vi­a­men­te pu­bli­ca­das con­fir­mou que a pai­xão po­de le­var pes­so­as a com­por­ta­men­tos drás­ti­cos, da mes­ma for­ma co­mo quan­do agem sob efei­to de ál­co­ol ou dro­gas. E, da mes­ma ma­nei­ra que acon­te­ce com a de­pen­dên­cia quí­mi­ca, al­gu­mas pes­so­as são mais sus­ce­tí­veis ao ví­cio no amor do que ou­tras. WH DESVENDA:

O QUE DIZ A NEUROCIÊNCIA POR TRÁS DES­SA NEUROSE?

AMOR E OU­TRAS DRO­GAS

A equi­pe do Ox­ford Uni­ver­sity Cen­tre for Neu­ro­ethics (In­gla­ter­ra) re­vi­sou 64 es­tu­dos so­bre amor e ví­cio pu­bli­ca­dos en­tre 1956 e 2016 e en­con­trou uma abun­dân­cia de evi­dên­ci­as com­por­ta­men­tais, neu­roquí­mi­cas e de neu­roi­ma­gem pa­ra fun­da­men­tar a ale­ga­ção de que o amor po­de, sim, ser vi­ci­an­te.

Eles iden­ti­fi­ca­ram, es­pe­ci­fi­ca­men­te, dois ti­pos de ví­cio. O pri­mei­ro é o ti­po am­plo, que se en­cai­xa no mes­mo es­pec­tro do amor con­ven­ci­o­nal, mas com de­se­jos mais for­tes. O se­gun­do – e mais pre­o­cu­pan­te – éo ti­po es­trei­to, a for­ma mais ex­tre­ma do ví­cio do amor, que se re­fe­re às pes­so­as que sen­tem de­se­jos tão for­tes em re­la­ção ao ob­je­to de seu afe­to a pon­to de is­so in­flu­en­ci­ar seu com­por­ta­men­to de ma­nei­ra mais drás­ti­ca.

Os pes­qui­sa­do­res per­ce­be­ram, nos dois ti­pos, uma li­ga­ção com um si­nal de re­com­pen­sa ex­cep­ci­o­nal­men­te for­te no cé­re­bro, que le­va a pes­soa a per­se­guir es­sa ex­pe­ri­ên­cia no­va­men­te. “Eu pen­so no ví­cio co­mo par­te em um es­pec­tro am­plo. Em um la­do, vo­cê en­con­tra um apetite nor­mal pe­lo amor e, no ou­tro, há

um de­se­jo por subs­tân­ci­as e com­por­ta­men­tos re­com­pen­sa­do­res que é tão po­de­ro­so a pon­to de se tor­nar um pe­ri­go. Es­tar apai­xo­na­do é gra­ti­fi­can­te pa­ra a mai­o­ria das pes­so­as. Só quan­do vo­cê se com­por­ta de ma­nei­ra pre­ju­di­ci­al, a si mes­mo e aos ou­tros, é que co­me­ça­mos a ter um pro­ble­ma”, diz Bri­an Earp, lí­der do es­tu­do.

A ideia do amor co­mo uma pa­to­lo­gia não é na­da no­va. A an­tro­pó­lo­ga bi­o­ló­gi­ca He­len Fisher, do Rei­no Uni­do, li­de­rou um dos pri­mei­ros es­tu­dos pa­ra exa­mi­nar o cé­re­bro de pes­so­as que ti­ve­ram seus co­ra­ções par­ti­dos. Em 2013, ela e seus co­le­gas es­ca­ne­a­ram o cé­re­bro de dez mu­lhe­res e cin­co ho­mens que ha­vi­am vi­vi­do uma se­pa­ra­ção amo­ro­sa. Eles des­co­bri­ram que, quan­do os par­ti­ci­pan­tes olha­vam pa­ra as fo­tos de seus(su­as) an­ti­gos(as) par­cei­ros(as), o sis­te­ma de re­com­pen­sa do cé­re­bro era ati­va­do – es­pe­ci­fi­ca­men­te as vi­as de do­pa­mi­na, as­so­ci­a­das à mo­ti­va­ção, êx­ta­se e sau­da­de.

Cu­ri­o­sa­men­te, as re­giões do cé­re­bro as­so­ci­a­das ao ví­cio em ci­gar­ro e co­caí­na tam­bém fo­ram ati­va­das. He­len afir­ma que es­sa res­pos­ta vi­ci­an­te tem su­as raí­zes na pró­pria evo­lu­ção. “Eu acre­di­to que o circuito ce­re­bral pa­ra o amor ro­mân­ti­co se de­sen­vol­veu mi­lhões de anos atrás, pa­ra per­mi­tir que nos­sos an­te­pas­sa­dos con­cen­tras­sem sua ener­gia de aca­sa­la­men­to em uma pes­soa de ca­da vez”, ex­pli­ca. “Quan­do vo­cê é re­jei­ta­da, per­de o mai­or prê­mio da sua vi­da amo­ro­sa, que é um(a) par­cei­ro(a) pa­ra aca­sa­lar. En­tão o sis­te­ma ce­re­bral pro­va­vel­men­te é ati­va­do pa­ra aju­dar a re­cu­pe­rar aque­la pes­soa. Is­so é co­nhe­ci­do co­mo

‘a fa­se de pro­tes­to’.”

AMOR CONTAMINADO

Por mais re­con­for­tan­te que pos­sa ser cul­par a evo­lu­ção por aque­la men­sa­gem ébria que vo­cê man­dou pa­ra o(a) seu(sua) ex, is­so le­van­ta uma ques­tão: em que pon­to um sim­ples des­li­ze se trans­for­ma em al­go mais pre­ju­di­ci­al? “Em ge­ral, mes­mo so­fren­do com o tér­mi­no, a pes­soa man­tém pre­ser­va­dos o seu in­te­res­se e a re­a­li­za­ção pes­so­al.

A du­ra­ção é li­mi­ta­da e não há in­ter­fe­rên­cia no tra­ba­lho, aten­ção aos fi­lhos, cui­da­dos pes­so­ais e vi­da so­ci­al”, ex­pli­ca a neu­rop­si­có­lo­ga Ra­quel Maia Frei­tas, de São Pau­lo. “Já a pes­soa que apre­sen­ta um com­por­ta­men­to ob­ses­si­vo não con­se­gue en­fren­tar o tér­mi­no, vi­ven­do in­ten­sa­men­te a dor do aban­do­no. Há um com­pro­me­ti­men­to da qua­li­da­de de vi­da, per­da pe­los in­te­res­ses, bai­xa au­to­es­ti­ma, in­se­gu­ran­ça e di­fi­cul­da­des em to­mar al­gu­mas de­ci­sões.”

He­len con­cor­da que o amor é um ví­cio na­tu­ral que po­de ser bom ou ruim. “Um ví­cio po­si­ti­vo é quan­do o amor da pes­soa é re­cí­pro­co, não tó­xi­co e apro­pri­a­do (por exem­plo, quan­do ne­nhum(a) dos(as) par­cei­ros(as) é ca­sa­do(a)

com uma ter­cei­ra pes­soa); o ví­cio se tor­na ne­ga­ti­vo quan­do os sen­ti­men­tos do su­jei­to são ina­de­qua­dos, tó­xi­cos, não re­cí­pro­cos ou re­jei­ta­dos. As­sim co­mo acon­te­ce com to­dos os ví­ci­os, aque­les vi­ci­a­dos em amar ge­ral­men­te che­ga­rão a ex­tre­mos na pro­cu­ra do seu pró­xi­mo par – e, sim, is­so po­de en­vol­ver fa­zer coi­sas de­gra­dan­tes ou pe­ri­go­sas pa­ra re­con­quis­tar o ob­je­to da afei­ção ou mes­mo en­con­trar um (a) no­vo(a) par­cei­ro(a).”

Pa­ra a psi­có­lo­ga clí­ni­ca com­por­ta­men­tal Jus­sa­ra Pas­cu­a­lon, de São Pau­lo, o li­mi­ar po­de pa­re­cer bem su­til à pri­mei­ra vis­ta: “O in­te­res­se sau­dá­vel é aque­le no qu­al os dois la­dos se sen­tem bem e li­vres pa­ra se com­por­ta­rem co­mo re­al­men­te são, sem pre­o­cu­pa­ção com a for­ma co­mo o ou­tro gos­ta­ria que vo­cê se com­por­tas­se, res­pei­tan­do os pró­pri­os prin­cí­pi­os de bem-es­tar pes­so­al e do ou­tro”, ex­pli­ca. “Já a ob­ses­são es­tá as­so­ci­a­da ao que­rer es­tar per­to do ou­tro sem res­pei­tar sua von­ta­de, con­tro­lar to­dos os com­por­ta­men­tos da pes­soa de for­ma a fa­zê-la se sen­tir pri­si­o­nei­ra de uma re­la­ção. É ter um ape­go exa­ge­ra­do por uma pes­soa, é pla­ne­jar sua ro­ti­na se ba­se­an­do na do(a) ou­tro(a) de for­ma que ele(a) se­ja o nor­te­a­dor(a) das ati­vi­da­des”.

Es­se é um ce­ná­rio fa­mi­li­ar pa­ra Ká­tia*, 34 anos, uma exe­cu­ti­va sê­ni­or de mar­ke­ting que so­freu com a de­pen­dên­cia emo­ci­o­nal pe­la mai­or par­te da sua vi­da adul­ta.

“As pes­so­as ge­ral­men­te se de­fi­nem pe­lo que fa­zem – elas são es­cri­to­ras, ad­vo­ga­das, mães –, eu cos­tu­ma­va me de­fi­nir co­mo a ‘na­mo­ra­da de fu­la­no’”. Mui­tas ve­zes, ela na­mo­ra­va vá­ri­as pes­so­as ao mes­mo tem­po, no ca­so de uma re­la­ção não dar cer­to.

Em uma oca­sião, de­pois de uma dis­cus­são com um na­mo­ra­do que já ha­via ter­mi­na­do com ela três ve­zes, Ká­tia re­cor­reu a uma si­tu­a­ção drás­ti­ca. “Ele saiu de ca­sa de­pois de uma bri­ga e sim­ples­men­te não vol­tou”, lem­bra. “Ig­no­rou mi­nhas men­sa­gens por uma se­ma­na, mas nós tí­nha­mos a fun­ção de com­par­ti­lhar a lo­ca­li­za­ção nos te­le­fo­nes, en­tão fi­quei de olho nos seus mo­vi­men­tos e, quan­do vi que ele es­ta­va a ca­mi­nho da ca­sa do pai, de­ci­di apa­re­cer de sur­pre­sa. Ele fi­cou re­al­men­te cho­ca­do ao me ver e nos re­con­ci­li­a­mos des­sa vez. Mas não du­rou. Se al­guém que diz me amar tan­to po­de sim­ples­men­te me lar­gar e se afas­tar des­sa ma­nei­ra, es­sa não é uma pes­soa que va­lha a pe­na cor­rer atrás.”

A per­sis­tên­cia de Ká­tia é um si­nal clás­si­co da de­pen­dên­cia emo­ci­o­nal. Ou­tros si­nais in­clu­em se tor­nar emo­ci­o­nal­men­te co­nec­ta­da a pes­so­as sem nem ao me­nos co­nhe­cê-las, ter pou­cos li­mi­tes, re­tor­nar re­pe­ti­da­men­te pa­ra re­la­ções do­lo­ro­sas e des­tru­ti­vas e se sen­tir va­zia ou in­com­ple­ta quan­do so­zi­nha.

O es­pe­ci­a­lis­ta em te­ra­pia cog­ni­ti­va com­por­ta­men­tal

Dei­ver Gre­boggy, de Cu­ri­ti­ba (PR), aler­ta que nem sem­pre é pos­sí­vel iden­ti­fi­car a raiz do pro­ble­ma sem apoio. “Nor­mal­men­te, as mu­lhe­res tra­zem uma quei­xa de des­con­for­to quan­to ao re­la­ci­o­na­men­to, mas não al­go di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­do a ‘amar de­ma­si­a­da­men­te’.

Aos pou­cos, elas vão des­co­brin­do que a for­ma de­las de amar é dis­fun­ci­o­nal, tan­to pa­ra elas co­mo pa­ra o(a) par­cei­ro(a), e que es­se fa­to re­quer mai­or aten­ção por ser um pro­ble­ma.”

RO­MAN­CE DO MAL

O in­ci­den­te com o ras­tre­a­dor re­al­men­te le­vou Ká­tia a pe­dir aju­da. Se­guin­do os con­se­lhos do seu terapeuta, ela rom­peu qual­quer for­ma de con­ta­to com o ex e en­trou em um hi­a­to de re­la­ci­o­na­men­tos no ge­ral.

Du­ran­te o pe­río­do de abs­ti­nên­cia ini­ci­al, ela usa­va um elás­ti­co no pul­so pa­ra pu­xar na ho­ra em que se sen­tis­se com­pe­li­da a en­trar em con­ta­to com o ex – a ideia é re­e­du­car o cé­re­bro a pa­rar de as­so­ci­ar o pen­sa­men­to na­que­la pes­soa a uma re­com­pen­sa, mas a uma sen­sa­ção ruim, uma tá­ti­ca que de­ve ser dis­cu­ti­da com seu terapeuta an­tes (quem tem ten­dên­cia à au­to­mu­ti­la­ção, por exem­plo, po­de ter con­sequên­ci­as pi­o­res com es­sa téc­ni­ca). Pos­te­ri­or­men­te, Ká­tia fez ses­sões de psi­co­te­ra­pia pa­ra des­co­brir a cau­sa prin­ci­pal do seu ví­cio.

Ela acre­di­ta que os seus pro­ble­mas amo­ro­sos se

A OB­SES­SÃO ES­TÁ AS­SO­CI­A­DA AO QUE­RER ES­TAR PER­TO DO (A) OU­TRO (A), MAS SEM RES­PEI­TAR A SUA VON­TA­DE.

de­vem à re­la­ção di­fí­cil que tes­te­mu­nhou en­tre os pais, al­go que mui­tas viciadas em amar pos­su­em em co­mum.

De acor­do com

Ra­quel, en­tre os even­tos trau­má­ti­cos que po­dem de­sen­ca­de­ar com­por­ta­men­tos ob­ses­si­vos na vi­da adul­ta, es­tão a vi­o­lên­cia fa­mi­li­ar, ne­gli­gên­cia, abu­so ou pais de­pen­den­tes de dro­gas e/ ou ál­co­ol, fa­zen­do com que o in­di­ví­duo en­tre em um ci­clo vi­ci­o­so de de­se­jo, re­com­pen­sa e de­pen­dên­cia emo­ci­o­nal. “Uma fa­mí­lia de­sa­jus­ta­da, com pais dis­tan­tes fí­si­ca e emo­ci­o­nal­men­te, não for­ma o la­ço afe­ti­vo ade­qua­do e ne­ces­sá­rio na in­fân­cia. A cri­an­ça de­sen­vol­ve uma ca­rên­cia des­se su­por­te afe­ti­vo e nu­tre o me­do de ser aban­do­na­da pe­los pais e o sen­ti­men­to de re­jei­ção, ali­e­na­ção e au­to­de­pre­ci­a­ção”, aler­ta a neu­rop­si­có­lo­ga. “O re­fle­xo ne­ga­ti­vo po­de­rá apa­re­cer na vi­da adul­ta.”

A mai­o­ria dos te­ra­peu­tas es­pe­ci­a­li­za­dos em dis­túr­bi­os da in­ti­mi­da­de con­cor­da que as te­ra­pi­as de fa­la e vi­su­a­li­za­ção

(co­mo ima­gi­nar a sua vi­da sem aque­la pes­soa) são a me­lhor abor­da­gem. No en­tan­to mui­tas viciadas cre­di­tam o su­ces­so da sua re­cu­pe­ra­ção ao que­brar o cír­cu­lo do ví­cio. O MADA (Mu­lhe­res que Amam De­mais Anô­ni­mas) é um dos pro­gra­mas que aju­dam mu­lhe­res a se re­cu­pe­ra­rem da de­pen­dên­cia de re­la­ci­o­na­men­tos des­tru­ti­vos, fa­zen­do com que apren­dam a se re­la­ci­o­nar de for­ma sau­dá­vel con­si­go mes­mas e com os ou­tros.

O gru­po foi cri­a­do com ba­se no li­vro Mu­lhe­res que Amam De­mais (Edi­to­ra Roc­co), de 1985, da au­to­ra Ro­bin Norwo­od. Psi­có­lo­ga e terapeuta fa­mi­li­ar, ela es­cre­veu o li­vro com ba­se na sua ex­pe­ri­ên­cia e na vi­vên­cia de mu­lhe­res en­vol­vi­das emo­ci­o­nal­men­te com de­pen­den­tes quí­mi­cos. No Bra­sil, o pri­mei­ro MADA foi cri­a­do em São Pau­lo no ano de 1994, se ex­pan­din­do pa­ra ou­tras ca­pi­tais.

O pro­gra­ma de re­cu­pe­ra­ção é ba­se­a­do nos 12 pas­sos, adap­ta­dos do AA (Al­coó­li­cos Anô­ni­mos), e é di­re­ci­o­na­do pa­ra re­la­ci­o­na­men­tos des­tru­ti­vos. São re­a­li­za­das reu­niões em di­ver­sas ci­da­des bra­si­lei­ras (vo­cê po­de con­fe­rir pe­lo si­te gru­po­ma­da­bra­sil.com.br), e o gru­po tam­bém de­sen­vol­ve en­con­tros on­li­ne.

Pa­ra Jus­sa­ra, a re­cu­pe­ra­ção de­ve ser tra­ba­lha­da pa­ra­le­la­men­te em gru­pos de apoio e tam­bém com o au­xí­lio pro­fis­si­o­nal. “Nos gru­pos de apoio, a pa­ci­en­te com­par­ti­lha su­as ex­pe­ri­ên­ci­as e en­tra em con­ta­to com ou­tras his­tó­ri­as se­me­lhan­tes às su­as, se sen­tin­do par­te de um con­jun­to de pes­so­as que com­pre­en­de co­mo ela se sen­te e per­ce­ben­do que não é a úni­ca que tem a ne­ces­si­da­de de es­tar em um re­la­ci­o­na­men­to pa­ra se sen­tir com­ple­ta e fe­liz”, pon­de­ra a es­pe­ci­a­lis­ta, que acres­cen­ta: “Já as­pec­tos mais es­pe­cí­fi­cos de ca­da ca­so, co­mo de­sen­vol­vi­men­to emo­ci­o­nal na in­fân­cia, in­te­ra­ções fa­mi­li­a­res, re­la­ci­o­na­men­tos amo­ro­sos pas­sa­dos, au­to­es­ti­ma e o pa­pel que a pa­ci­en­te en­ten­de co­mo sen­do da mu­lher na so­ci­e­da­de, ne­ces­si­tam ser abor­da­dos in­di­vi­du­al­men­te, em um es­pa­ço ape­nas de­di­ca­do às di­fi­cul­da­des da­que­la pes­soa, sem in­ter­rup­ções.”

AMOR NO TIN­DER

A in­ter­net po­de trans­for­mar qual­quer uma de nós em stal­ker pro­fis­si­o­nal. Si­tes e apps de na­mo­ro es­tão sem­pre ali, nos lem­bran­do que o amor ver­da­dei­ro po­de es­tar à dis­tân­cia de um cli­que.

Um nú­me­ro de es­pe­ci­a­lis­tas che­gou a afir­mar que o Tin­der mo­no­po­li­za o cen­tro de pra­zer do cé­re­bro da mes­ma for­ma que os vi­de­o­ga­mes, dan­do um au­men­to de do­pa­mi­na a ca­da par­ti­da bem­su­ce­di­da, o que tor­na o jo­go da pa­que­ra ain­da mais vi­ci­an­te.

Mas se­rá que o amor mo­der­no es­tá nos trans­for­man­do, ca­da vez mais, em vi­ci­a­dos?

“Es­sa fa­ci­li­da­de de ob­ter con­ta­to ad­vin­do da ‘vir­tu­a­li­za­ção’ dos re­la­ci­o­na­men­tos traz con­si­go vá­ri­as in­com­pa­ti­bi­li­da­des que, so­ma­das ao es­ta­do de saú­de men­tal das pes­so­as na atu­a­li­da­de, não mos­tra uma pers­pec­ti­va mui­to po­si­ti­va quan­to a co­mo ire­mos nos re­la­ci­o­nar da­qui a dez anos” ex­pli­ca Dei­ver. “Os apli­ca­ti­vos dei­xam as pes­so­as que já são ca­ren­tes mui­to de­pen­den­tes. A bus­ca de apro­va­ção pe­los li­kes se tor­nou tão gran­de que a ca­da no­va apro­va­ção é ge­ra­do um re­for­ço do com­por­ta­men­to. A ca­rên­cia pro­duz uma pers­pec­ti­va que mui­tas ve­zes não é cor­res­pon­di­da, ge­ran­do frus­tra­ção e fa­zen­do com que as pes­so­as vol­tem a re­a­li­zar es­se ci­clo no­va­men­te, vá­ri­as e vá­ri­as ve­zes ao dia, se tor­nan­do viciadas.”

A IN­TER­NET PO­DE TRANS­FOR­MAR

QUAL­QUER UMA DE NÓS EM UMA STAL­KER PRO­FIS­SI­O­NAL

LUZ NO FIM DO TÚ­NEL

Amo­ro­sa­men­te “só­bria” há 120 di­as, Ká­tia ain­da fre­quen­ta a te­ra­pia re­gu­lar­men­te e vol­tou a sair em en­con­tros – des­sa vez, con­si­go mes­ma. “Pa­re­ce cli­chê, mas, no fim das con­tas, o amor pró­prio é a cha­ve pa­ra ven­cer o ví­cio”, afir­ma. “Du­as se­ma­nas atrás, eu ti­ve um do­min­go sem pla­nos, en­tão saí pa­ra na­dar, fiz um pi­que­ni­que e sen­tei no par­que com a com­pa­nhia ape­nas de um li­vro. Gos­tei tan­to da ex­pe­ri­ên­cia que aca­bo de re­ser­var um fe­ri­a­do só pa­ra mim. Vai ser a pri­mei­ra fol­ga que eu ti­ro sem a com­pa­nhia de um ho­mem. Is­so é al­go mui­to gran­de pa­ra mim. Eu só que­ria não ter de­mo­ra­do tan­to tem­po pa­ra che­gar até aqui.” •

NÃO ES­TA­MOS FA­LAN­DO DE MÚL­TI­PLOS PAR­CEI­ROS SE­XU­AIS, MAS, SIM, DE UM DE­SE­JO PRO­FUN­DO E DES­TRU­TI­VO POR UMA DAS EMOÇÕESMAIS FOR­TES QUE EXIS­TEM. NO­VAS PES­QUI­SAS RE­VE­LAM O LA­DO MAIS SOM­BRIO DA PAI­XÃO, E WH CON­TA TU­DO PA­RA VO­CÊ

PÍ­LU­LAS DE AMOR: CUI­DA­DO COM A DO­SE

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.