SE­XO PLUS 1

Women’s Health (Brazil) - - Primeira Página - Por Mar­jo­rie Zop­pei

Já fan­ta­si­ou com cha­mar ou­tra pes­soa pa­ra se jun­tar a vo­cê e seu (sua) par­cei­ro(a) na ca­ma? Es­sas lei­to­ras co­lo­ca­ram em prá­ti­ca

QUAN­DO O PRA­ZER DE 1 + 1

É IGUAL A MAIS QUE 2

QUAN­DO 1+1=3 EX­PE­RI­ÊN­CIA NE­GA­TI­VA

“A pro­pos­ta de fa­zer um mé­na­ge à trois foi de­le. E o pe­di­do foi que in­cluís­se­mos mais uma mu­lher no se­xo. Eu sou jor­na­lis­ta e ele, pu­bli­ci­tá­rio. Es­tá­va­mos jun­tos ha­via dois anos e, na­que­la noi­te, eu de­sa­bei no cho­ro. Ba­teu a in­se­gu­ran­ça: se­rá que o se­xo co­mi­go era ruim? Se­rá que já es­tá­va­mos cain­do na ro­ti­na? Se­rá que ele ti­nha per­di­do o te­são em mim? Precisei de mui­ta te­ra­pia e con­ver­sas pa­ra en­ten­der o que mo­ti­vou aque­le con­vi­te. Le­vou um tem­po pa­ra cair mi­nha fi­cha de que era pu­ra e sim­ples­men­te uma fan­ta­sia se­xu­al. Mi­nha terapeuta me aler­tou que ele abrir es­sa von­ta­de pa­ra mim sig­ni­fi­ca­va que ele sen­tia con­fi­an­ça na re­la­ção e, me­lhor, na nos­sa in­ti­mi­da­de.

Mes­mo as­sim, de­mo­rei pa­ra dar uma res­pos­ta.

Em uma noi­te em ca­sa, de­pois de al­gu­mas ta­ças de vi­nho, eu dis­se sim. Com­bi­na­mos de fa­zer o ób­vio e en­con­trar al­guém num apli­ca­ti­vo. A gen­te po­de­ria ter acha­do al­gu­ma co­nhe­ci­da que se in­te­res­sas­se – te­nho di­ver­sas ami­gas que já me fa­la­ram ter es­sa von­ta­de – ou al­guém em uma ba­la­da, mas eu não que­ria uma pes­soa com quem ti­ves­se in­ti­mi­da­de. Fo­mos pe­lo app: com­bi­na­mos com a mo­ça o dia e a ho­ra.

O lo­cal mar­ca­do foi a suí­te de um ho­tel na re­gião da ave­ni­da Pau­lis­ta, em São Pau­lo. Con­fes­so que precisei be­ber bas­tan­te an­tes de gi­rar aque­la ma­ça­ne­ta. Mes­mo as­sim, não foi o su­fi­ci­en­te pa­ra con­se­guir dei­xar ro­lar – vi a frus­tra­ção nos olhos do meu na­mo­ra­do, mas ele foi

PO­DE CONFESSAR: VO­CÊ JÁ IMA­GI­NOU CO­MO SE­RIA CON­VI­DAR OU­TRA PES­SOA

PA­RA A CA­MA – OU MES­MO TRO­CAR DE PAR COM

SEU(SUA) PAR­CEI­RO(A).

TRA­ZER MAIS UMA PES­SOA

PA­RA O SE­XO PO­DE SER UMA AVEN­TU­RA PA­RA LÁ DE QUEN­TE, MAS QUE NEM SEM­PRE SAI DA FAN­TA­SIA. WH CON­VER­SOU COM QUA­TRO MU­LHE­RES QUE RE­SOL­VE­RAM CO­LO­CAR A IDEIA EM PRÁ­TI­CA E DES­CO­BRIU CO­MO A EX­PE­RI­ÊN­CIA TRANS­FOR­MOU SEUS RE­LA­CI­O­NA­MEN­TOS

(OU FU­TU­ROS) A PAR­TIR DA­QUE­LA NOI­TE

pa­ci­en­te, en­ten­deu e en­cer­rou a noi­te sem que na­da ti­ves­se ro­la­do.

Re­mar­ca­mos com a mes­ma ga­ro­ta qua­se dois me­ses de­pois. Re­pas­sa­mos as re­gras, as pro­mes­sas e a pa­la­vra-cha­ve que eu usa­ria ca­so pre­ci­sas­se pa­rar tu­do no meio. Des­sa vez ro­lou. Foi me­lhor do que eu es­pe­ra­va, mas pi­or do que po­de­ria ser. Não go­zei e me sen­tia in­se­gu­ra quan­do a me­ni­na in­te­ra­gia com meu na­mo­ra­do. “Meu, meu, meu!” Foi es­se sen­ti­men­to de pos­se que não per­mi­tiu que che­gas­se lá.

Não sei o quan­to ele cur­tiu a noi­te: per­ce­ben­do que eu não fi­quei con­for­tá­vel, até ho­je ele evi­ta to­car no as­sun­to. Se va­mos re­pe­tir, não sei. Mas al­go mu­dou no meu na­mo­ro: ele es­tá mui­to mais ca­ri­nho­so, pró­xi­mo e dis­pos­to à nos­sa re­la­ção. No fim, de al­gu­ma for­ma, o sal­do foi po­si­ti­vo.”

L.L., 34 anos, jor­na­lis­ta

QUAN­DO 1+1=3

VA­LEU A PE­NA

“Meu ma­ri­do e eu já éra­mos adep­tos do mé­na­ge des­de o co­me­ço do nos­so na­mo­ro. Mas, tal­vez por cul­pa de um ma­chis­mo la­ten­te, era sem­pre com uma mu­lher a mais. Gos­to de tran­sar com ou­tra – sou bis­se­xu­al –, mas nun­ca es­con­di mi­nha frus­tra­ção de não fa­zer com dois ho­mens. Que­ria ser o ob­je­to de de­se­jo e o cen­tro da aten­ção de dois ao mes­mo tem­po.

O mai­or re­ceio do meu ma­ri­do era co­mo es­sa in­te­ra­ção com ou­tro ca­ra de­ve­ria acon­te­cer. Acho que ele pen­sou que te­ria que bei­jar, pe­ne­trar ou até ser pe­ne­tra­do pe­lo ca­ra...

Ele cri­a­va es­sa ima­gem na ca­be­ça e pen­sa­va que po­de­ria in­ter­fe­rir na mas­cu­li­ni­da­de de­le. Bo­ba­gem! Is­so mu­dou no dia que o me­lhor ami­go de­le con­tou que te­ve a ex­pe­ri­ên­cia com a es­po­sa e que fi­cou lou­co de te­são. Se­gun­do o ami­go, ver a pró­pria mu­lher sen­do do­mi­na­da por ou­tro ho­mem en­quan­to ela fa­zia se­xo oral ne­le foi uma aven­tu­ra de ou­tro mun­do. Pron­to, a se­men­te es­ta­va plan­ta­da.

Nu­ma noi­te ale­a­tó­ria, fo­mos a uma ba­la­da li­be­ral. Des­de a en­tra­da, fi­quei de olho em um ga­ro­to que de­ve­ria ter uns dez anos a me­nos que eu. Meu ma­ri­do per­ce­beu meu in­te­res­se e in­cen­ti­vou mi­nha in­ves­ti­da. Na­da acon­te­ceu na ho­ra, mas a quí­mi­ca com aque­le me­ni­no era quen­te e, du­ran­te uma se­ma­na in­tei­ra, ele não me saiu da ca­be­ça. Ben­di­tas se­jam as re­des so­ci­ais! Con­se­gui en­con­trá-lo, pe­di pa­ra adi­ci­o­ná-lo e co­me­ça­mos a con­ver­sar. Os ba­te-pa­pos fi­ca­vam ca­da dia mais pi­can­tes. Sem­pre que eu mos­tra­va o his­tó­ri­co pa­ra o meu ma­ri­do, per­ce­bia que ele sen­tia o mes­mo te­são que eu e co­me­çou a ter o de­se­jo de ver a mu­lher do­mi­na­da por ou­tro.

A pro­pos­ta de tra­zer o ra­paz pa­ra a nos­sa ca­ma foi de­le, e eu nem acre­di­tei que es­se mo­men­to ti­nha che­ga­do. No dia, fi­quei su­per­ner­vo­sa: me­do de não en­trar no cli­ma, de não go­zar ou de um dos dois bro­char. Mas não acon­te­ceu na­da de er­ra­do. Pe­lo con­trá­rio, as sen­sa­ções fo­ram mui­to mai­o­res do que eu ima­gi­na­va. Meu ma­ri­do ain­da não con­tou a nin­guém o que acon­te­ceu. Eu tam­bém não pre­ci­so que ele ex­po­nha es­sa ex­pe­ri­ên­cia. Só pre­ci­so que ele to­pe mais ve­zes!”

T.C., 33 anos, ad­vo­ga­da

QUAN­DO 1+1=4

SUR­PRE­SA!

“No meio da tar­de, re­ce­bi a men­sa­gem: ‘Va­mos fa­zer al­go di­fe­ren­te ho­je’. Não era uma per­gun­ta. Com­bi­na­mos o ho­rá­rio que ele me bus­ca­ria e pas­sei o res­tan­te do dia ima­gi­nan­do o que vi­ria.

Ele era um ami­go com quem eu tran­sa­va. No dia, ele che­gou com aque­le sor­ri­so sa­fa­do, me bei­jou com te­são e se­gui­mos em di­re­ção a um bair­ro ba­ca­na de São Pau­lo. Só no ca­mi­nho con­tou o des­ti­no: ‘Nos­sa noi­te se­rá em uma ca­sa li­be­ral. Tu­do lá é per­mi­ti­do e na­da é obri­ga­tó­rio’. Fi­quei apre­en­si­va, mas com ele ao la­do eu sa­bia que ia me dar bem.

Na por­ta do lo­cal, en­con­tra­mos um ca­sal de ami­gos de­le que eu não co­nhe­cia. Nós nos cum­pri­men­ta­mos e en­tra­mos na ca­sa. Um lo­cal dis­cre­to, com apa­rên­cia de ba­la­da e pes­so­as de to­das as ida­des. An­tes de des­bra­var o lo­cal, pe­di uma cai­pi­ri­nha. Tu­do aqui­lo era mui­to se­du­tor. No an­dar de ci­ma ti­nha uma me­sa de bi­lhar e al­guns dar­kro­oms.

O meu ami­go não ti­ra­va os olhos de mim. Eu usa­va um ves­ti­do cur­to, que va­lo­ri­za­va mi­nhas cur­vas. Po­dia sen­tir o te­são de­le por mim. En­tão era ho­ra de atra­ves­sar­mos a tal por­ta do la­bi­rin­to: de­pa­rei-me com um sa­lão es­cu­ro e re­ple­to de sa­li­nhas. Em uma des­sas, um ca­sal tran­sa­va vi­go­ro­sa­men­te, e os ge­mi­dos da mu­lher me pa­ra­li­sa­ram. Nes­se mo­men­to, meu ami­go sus­sur­rou no meu ou­vi­do:

‘Is­so dá te­são?’. Era inex­pli­cá­vel o que sen­tia, des­co­bri ali que sou voyeur. En­quan­to as­sis­tia ao ca­sal tran­san­do, pu­de sen­tir to­da a mi­nha cal­ci­nha mo­lha­da.

Ro­da­mos por ou­tras sa­li­nhas, até que che­ga­mos nu­ma sa­la com uma ca­ma re­don­da. Na­que­la ho­ra, sen­ti von­ta­de de tran­sar. En­quan­to al­guns ca­sais da­vam uns amas­sos, ou­tros tran­sa­vam em vol­ta da ca­ma. Eu con­se­guia sen­tir o te­são da­que­las pes­so­as – e is­so au­men­ta­va o meu. Foi quan­do aque­le ca­sal de ami­gos che­gou até nós: to­mei uma pas­sa­da de mão de­le e ela bei­jou meu par. Fi­ca­mos na­que­la sa­ca­na­gem de­li­ci­o­sa, até que meu ami­go me vi­rou de cos­tas... Sen­ti que os olhos de to­dos que es­ta­vam na sa­la se vol­ta­ram pa­ra nós. Ele le­van­tou meu ves­ti­do e me pe­ne­trou com to­do te­são. Ao mes­mo tem­po, a ami­ga me bei­ja­va e es­ti­mu­la­va meu cli­tó­ris. Go­zei rá­pi­do. Lo­go em se­gui­da, tro­ca­mos de ca­sal e o te­são con­ti­nu­ou nas al­tu­ras.

Foi uma noi­te e tan­to! Man­ti­ve pou­co con­ta­to com meu ami­go de­pois da­que­la ex­pe­ri­ên­cia, mas cer­ta­men­te ir ao swing me fez des­co­brir mui­tas coi­sas so­bre meus gos­tos e pra­ze­res.”

F.P., 40 anos, ana­lis­ta de RH

QUAN­DO 1+X= IN­FI­NI­TAS POS­SI­BI­LI­DA­DES

“Sou de São Pau­lo, mas mo­ro na Ca­li­fór­nia (EUA) há dois anos, on­de atuo co­mo mo­de­lo. Por cau­sa do meu tra­ba­lho, co­nhe­ço gen­te com di­nhei­ro, que gos­ta de fes­tas on­de é proi­bi­do o uso de ce­lu­lar.

De­pois de uma ses­são de fo­tos, uma mo­ça – que se di­zia tra­ba­lhar com cas­ting – pe­diu meu te­le­fo­ne. Dois di­as de­pois, meu ce­lu­lar to­cou: ela me ofe­re­cia US$ 1.000 pa­ra ir a uma fes­ta. E dei­xou cla­ro que eu não pre­ci­sa­va ‘en­trar no jo­go’ se me sen­tis­se des­con­for­tá­vel.

Na ho­ra com­bi­na­da, eu es­ta­va na por­ta do lo­cal. Quan­do en­trei, me sen­ti em um fil­me à la De Olhos Bem Fe­cha­dos: uma man­são era pal­co de cor­pos que se en­tre­la­ça­vam nus. O an­fi­trião veio me re­cep­ci­o­nar com uma ta­ça de cham­pa­nhe. Fui apre­sen­ta­da a al­guns ca­sais na bei­ra da pis­ci­na e con­ver­sei com pou­cos ra­pa­zes. Mas nin­guém me cha­ma­va a aten­ção a pon­to de eu que­rer ‘in­te­ra­gir’. Até que uma mo­ça pu­xou pa­po co­mi­go. Ela e o ma­ri­do es­ta­vam de olho em mim e fi­ca­ram cu­ri­o­sos pa­ra sa­ber da mi­nha his­tó­ria.

Eu não ti­nha in­ten­ção pré­via de fa­zer na­da, mas com o pa­po com aque­le ca­sal eu re­al­men­te fi­quei in­te­res­sa­da, e as ca­rí­ci­as co­me­ça­ram. Não de­mo­rou pa­ra ter­mos mais com­pa­nhia, e me dei­xei le­var por aque­la on­da de te­são. Su­bi­mos até os quar­tos em cin­co pes­so­as. Eu, aque­la mu­lher, o ma­ri­do e mais dois ou­tros ho­mens. Ti­ve mi­nha pri­mei­ra pe­ne­tra­ção du­pla. O te­são tão in­ten­so faz com que a gen­te per­ca as amar­ras mo­rais.

Nun­ca mais par­ti­ci­pei de uma fes­ta pa­re­ci­da, mas vi re­la­ci­o­na­men­tos ma­du­ros ali. Quem es­tá disposta a par­ti­ci­par de aven­tu­ras as­sim pre­ci­sa es­tar mui­to bem es­tru­tu­ra­da emo­ci­o­nal­men­te, sem dei­xar que o ciú­me do­mi­ne a re­la­ção.”

M.W., 26 anos, mo­de­lo

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.