CON­VER­SA COM BETH SI­QUEI­RA

PRO­FES­SO­RA DE ME­DI­TA­ÇÃO TRANS­CEN­DEN­TAL DE GI­O­VAN­NA AN­TO­NEL­LI, DO RJ

Women’s Health (Brazil) - - Capa -

O que é a me­di­ta­ção trans­cen­den­tal (MT)?

Ela é uma téc­ni­ca sim­ples, que aqui­e­ta a men­te e a faz ex­pe­ri­men­tar ní­veis mais su­tis do pen­sa­men­to. Ela é pra­ti­ca­da de 15 a 20 mi­nu­tos, du­as ve­zes ao dia, sen­ta­do con­for­ta­vel­men­te e de olhos fe­cha­dos. Não é re­li­gião, fi­lo­so­fia nem en­vol­ve es­ti­lo de vi­da, ou se­ja, qual­quer pes­soa po­de pra­ti­cá-la. A MT é uma téc­ni­ca ci­en­tí­fi­ca, com mais de 380 tra­ba­lhos pu­bli­ca­dos em re­vis­tas in­ter­na­ci­o­nais, com­pro­van­do seus be­ne­fí­ci­os em di­ver­sas áre­as, co­mo po­ten­ci­al men­tal, saú­de e re­la­ci­o­na­men­tos.

De que for­ma ela se di­fe­ren­cia das ou­tras téc­ni­cas de me­di­ta­ção?

Ela é di­fe­ren­te de to­das as ou­tras téc­ni­cas por­que não en­vol­ve con­cen­tra­ção nem con­tem­pla­ção e não há ne­nhum ti­po de con­tro­le men­tal du­ran­te a prá­ti­ca. É com­pro­va­do que na MT as pes­so­as al­can­çam um es­ta­do de re­pou­so pro­fun­do, há uma mai­or or­dem no fun­ci­o­na­men­to ce­re­bral, fa­zen­do com que as pes­so­as fi­quem mais sau­dá­veis, fe­li­zes, mo­ti­va­das e cri­a­ti­vas.

Qu­al a “do­se” de me­di­ta­ção re­co­men­da­da pa­ra ca­da pes­soa?

O fí­si­co e fun­da­dor da me­di­ta­ção trans­cen­den­tal, Maha­rishi Yo­gi, per­ce­beu que o tem­po ide­al da prá­ti­ca de MT na vi­da mo­der­na é de 15 a 20 mi­nu­tos, du­as ve­zes ao dia. Fa­ze­mos um mer­gu­lho nes­se cam­po de paz, ener­gia e cri­a­ti­vi­da­de e, de­pois da me­di­ta­ção, saí­mos “mo­lha­dos” des­sas qua­li­da­des de paz, ener­gia e cri­a­ti­vi­da­de. Com o tem­po, en­fren­tan­do as di­fi­cul­da­des da vi­da, va­mos per­den­do es­sa paz, en­tão é ne­ces­sá­rio fa­zer um no­vo “mer­gu­lho” nes­se cam­po de paz, ou se­ja, me­di­tar de no­vo. Me­di­ta­mos du­as ve­zes ao dia por­que es­sa al­ter­nân­cia per­mi­te que as qua­li­da­des des­se cam­po aqui­e­ta­do da men­te se­jam in­te­gra­das à nos­sa fi­si­o­lo­gia e ao sis­te­ma ner­vo­so. Is­so quer di­zer que, com es­sa al­ter­nân­cia, va­mos pas­san­do ca­da vez mais tem­po de­pois da me­di­ta­ção com es­sa sen­sa­ção de paz. É co­mo um re­mé­dio que tem seu efei­to por al­gu­mas ho­ras e de­pois vai pas­san­do. Só que com a prá­ti­ca re­gu­lar o efei­to do re­mé­dio, da me­di­ta­ção trans­cen­den­tal, vai du­ran­do ca­da vez mais!

Quem são as pes­so­as que mais po­dem se be­ne­fi­ci­ar da MT?

O es­tres­se é o gran­de vi­lão dos di­as de ho­je. Ter uma téc­ni­ca que nos dá re­pou­so pro­fun­do, dis­sol­ven­do nos­so es­tres­se e, além dis­so, dan­do uma blin­da­gem aos no­vos es­tres­ses é al­go ma­ra­vi­lho­so. Ou se­ja, to­dos po­de­mos nos be­ne­fi­ci­ar. De­pois da prá­ti­ca as pes­so­as sa­em com a men­te mais aqui­e­ta­da, um cé­re­bro mais or­de­na­do, com mais fo­co e, as­sim, na­tu­ral­men­te, têm um me­lhor de­sem­pe­nho na vi­da. A MT traz um re­sul­ta­do fan­tás­ti­co pa­ra ca­sos de pes­so­as an­si­o­sas, me­dro­sas, de­pri­mi­das e com com­por­ta­men­to re­a­ti­vo. Há ain­da uma pes­qui­sa que mos­tra que o pra­ti­can­te des­sa me­di­ta­ção pos­sui uma re­du­ção sig­ni­fi­ca­ti­va nas con­sul­tas mé­di­cas e hos­pi­ta­li­za­ções.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.