APAREÇA!

Não gos­ta de fa­lar so­bre su­as con­quis­tas e ta­len­tos? En­ten­de­mos. Mas a au­to­pro­mo­ção in­te­li­gen­te é o se­gre­do pa­ra uma carreira de su­ces­so e bem-es­tar men­tal. Apren­da a se ga­bar do jei­to cer­to e trans­for­me is­so em uma ferramenta

Women’s Health (Brazil) - - Contents - PorMa­ris­sa Gains­burg e Ca­mi­la Jun­quei­ra

Um guia pa­ra apren­der a fa­lar so­bre su­as con­quis­tas e ha­bi­li­da­des no tra­ba­lho sem que te odei­em

Não há na­da co­mo ro­lar o fe­ed do Ins­ta­gram pa­ra ali­men­tar o abor­re­ci­men­to por ou­tras pes­so­as. Mes­mo sen­do oti­mis­ta e de bem com a vi­da, bas­ta ler um post es­cri­to “Me be­lis­quem, con­quis­tei o em­pre­go dos so­nhos!!!” pa­ra ro­lar os olhos e de­se­jar, pe­lo me­nos por um se­gun­do, que a va­ga não se­ja tão in­crí­vel quan­to su­ge­rem as ex­cla­ma­ções. É um car­ma ruim, mas to­das nós já pas­sa­mos por is­so.

“Quan­do fa­la­mos so­bre o com­por­ta­men­to nas re­des so­ci­ais, nos de­pa­ra­mos com di­ver­sas in­ter­pre­ta­ções, por­que ca­da in­di­ví­duo fil­tra o con­teú­do ba­se­a­do em seus cri­té­ri­os e va­lo­res”, des­ta­ca Mar­ga­ri­da An­tu­nes Cha­gas, psi­có­lo­ga clí­ni­ca de São Pau­lo. Em ge­ral, ga­bar-se de con­quis­tas pes­so­ais não é uma prá­ti­ca bem-vis­ta, mas uma re­a­ção ne­ga­ti­va diz mui­to mais so­bre nós do que so­bre o au­tor da pos­ta­gem em ques­tão.

E pa­re­ce que es­sas re­a­ções são mui­to mai­o­res quan­do a pes­soa que es­tá se van­glo­ri­an­do é uma mu­lher. As que se au­to­pro­mo­vem são vis­tas co­mo me­nos sim­pá­ti­cas do que ho­mens com os mes­mos há­bi­tos, de acor­do com uma pes­qui­sa da Rut­gers Uni­ver­sity (EUA). E um ou­tro es­tu­do da Stan­ford Bu­si­ness Scho­ol (EUA) su­ge­re que evi­tar o tra­ço “mas­cu­li­no” de as­ser­ti­vi­da­de, em vez de ca­na­li­zá-lo, nos aju­da a ser­mos pro­mo­vi­das. Mas ou­tra pes­qui­sa – e mui­tos pro­fis­si­o­nais em co­a­ching de carreira – diz o con­trá­rio. Exi­bir seus pon­tos po­si­ti­vos an­da de mãos da­das com sua no­ção do pró­prio va­lor, al­go que to­das as mu­lhe­res em­po­de­ra­das fa­zem com frequên­cia.

“As pes­so­as usam a re­de so­ci­al pa­ra cons­truir uma re­pu­ta­ção, é on­de vo­cê es­co­lhe qual ver­são de si mes­ma quer nar­rar”, apon­ta Michelle Pra­ze­res, jor­na­lis­ta e pes­qui­sa­do­ra de mí­di­as so­ci­ais e se­mió­ti­ca da PUC-SP. Além dis­so, “va­lo­ri­zar nos­sas con­quis­tas é, aci­ma de tu­do, ex­pe­ri­men­tar a sen­sa­ção gra­ti­fi­can­te que vem de um gran­de es­for­ço”, res­sal­ta Mar­ga­ri­da. Es­sa au­to­con­fi­an­ça é uma ha­bi­li­da­de bem re­qui­si­ta­da no tra­ba­lho.

Acon­te­ce que o tru­que pa­ra con­tar su­as pró­pri­as vantagens sem ir­ri­tar pes­so­as ao seu re­dor (ami­gos, pos­sí­veis che­fes, se­gui­do­res) é sa­ber o jei­to cer­to – e o er­ra­do – de fa­zer is­so. Pa­ra te aju­dar a usar o trom­bo­ne a seu fa­vor, nós mos­tra­mos exa­ta­men­te co­mo se ga­bar.

SIM

PA­RA HA­BI­LI­DA­DES RE­AIS

Pes­so­as que pa­re­cem ar­ro­gan­tes ao fa­la­rem so­bre uma ta­re­fa ten­dem a ser es­co­lhi­das co­mo par­cei­ras de tra­ba­lho – mas só quan­do re­al­men­te pos­su­em ta­len­to pa­ra res­guar­dar tal ati­tu­de, de acor­do com uma pes­qui­sa fei­ta por Liz Ten­ney, pro­fes­so­ra de ad­mi­nis­tra­ção na Utah Uni­ver­sity (EUA). “Agir com con­fi­an­ça ex­ces­si­va pode fa­zer com que sua carreira so­fra um gran­de gol­pe – sen­do ti­ra­da de pro­je­tos, fa­zen­do com que co­le­gas não gos­tem de vo­cê – se vo­cê for des­co­ber­ta”, co­men­ta Liz. Sua me­lhor apos­ta: no es­cri­tó­rio e na in­ter­net, fa­le so­bre seus ta­len­tos só se os ti­ver, se­ja sua gran­de ha­bi­li­da­de com apre­sen­ta­ções de Power Point ou fa­ci­li­da­de em li­dar com seis en­tre­gas de tra­ba­lhos. Mos­tre (em vez de só fa­lar) com­pro­me­ti­men­to ao fi­car em pé, fa­lar com cla­re­za e olhar nos olhos. E te­nha sua fra­que­za em mãos des­de o co­me­ço, com co­men­tá­ri­os co­mo “Eu ado­ra­ria tra­ba­lhar mais pa­ra ter chan­ce de me­lho­rar X”, o que te faz pa­re­cer mui­to mais ho­nes­ta – e hu­ma­na.

NÃO

PA­RA SE CO­LO­CAR PA­RA BAI­XO

Vo­cê co­nhe­ce pes­so­as que cons­tro­em a au­to­es­ti­ma atra­vés de re­cla­ma­ções, cons­tran­gi­men­tos ou au­to­de­pre­ci­a­ções fal­sas? (Exem­plo: “O pneu da mi­nha no­va SUV fu­rou ho­je...”) Um es­tu­do da Har­vard Uni­ver­sity (EUA) de 2017 mos­tra que pes­so­as pre­fe­rem quem é di­re­to ao pon­to. En­quan­to os re­cla­mões se sen­tem bem por não se ga­ba­rem ex­pli­ci­ta­men­te de al­go, quem os es­cu­ta se in­co­mo­da pe­la au­to­pro­mo­ção e a ten­ta­ti­va de dis­far­çá-la. A so­lu­ção? Se­ja cla­ra. Se es­tá pro­cu­ran­do con­se­lhos, tor­ne-o o fo­co da sua pos­ta­gem nas re­des so­ci­ais (“Al­guém tem di­cas so­bre pneus? Os meus fu­ra­ram”). Se vo­cê es­tá mes­mo atrás de elo­gi­os (o que é to­tal­men­te ok), trans­pa­rên­cia é a cha­ve. “Aman­do mi­nha SUV no­va. O que vo­cês acha­ram?” vai fa­zer com pes­so­as se en­ga­jem po­si­ti­va­men­te.

SIM

PA­RA ABRA­ÇAR A MODERAÇÃO

Gran­de par­te de fa­zer uma au­to­pro­mo­ção de su­ces­so é en­ten­der o equi­lí­brio. Em um fenô­me­no cha­ma­do “pa­ra­do­xo da apre­sen­ta­ção”, con­quis­tas são di­mi­nuí­das quan­do apre­sen­ta­das jun­to de ou­tras que não são tão in­crí­veis as­sim. En­tão, se­ja no cur­rí­cu­lo ou na sua pá­gi­na no Fa­ce­bo­ok, se ape­gue às vi­tó­ri­as que se des­ta­cam (e que te dei­xa­ri­am de bo­ca aberta se vi­es­sem de ou­tra pes­soa). E ten­te se­guir ca­da in­te­ra­ção de “Olhem pa­ra mim, eu fiz is­so!” com pe­lo me­nos uma se­ma­na de pos­ta­gens que não têm na­da a ver com su­as con­quis­tas. As pes­so­as vão te olhar co­mo quem tra­ba­lha du­ro pa­ra con­se­guir o que quer e que es­tá or­gu­lho­sa dis­so, em vez de vê-la co­mo um robô nu­ma eter­na bus­ca por elo­gi­os.

Sem­pre va­lo­ri­ze quem te aju­dou a al­can­çar o su­ces­so

NÃO

PA­RA A HIPOCRISIA

Nós cos­tu­ma­mos nos dei­xar fora do gan­cho quan­do se tra­ta de re­des so­ci­ais. Das pes­so­as que pos­tam sel­fi­es (sim, elas são uma for­ma de au­to­pro­mo­ção), 77% ten­dem a achar as fo­tos dos ou­tros me­nos au­tên­ti­cas e mais egoís­tas do que as pró­pri­as, se­gun­do um es­tu­do. “Fa­la­mos o que gos­ta­ría­mos que sou­bes­sem de nós, mas, ao mes­mo tem­po, en­quan­to re­cep­to­res do con­teú­do, nós jul­ga­mos. É uma re­la­ção con­tra­di­tó­ria”, res­sal­ta Michelle. O au­tor do post pode es­tar se­gu­ran­do um ca­chor­ri­nho res­ga­ta­do nu­ma ten­ta­ti­va de in­cen­ti­var a ado­ção de ani­mais, por exem­plo, en­quan­to tu­do o que vo­cê vê é um de­se­jo de aten­ção. Ten­te se lem­brar do que te ins­pi­ra ao se apre­sen­tar, mas sai­ba que nem sem­pre sua in­ten­ção pode es­tar cla­ra. E fa­ça o que pu­der pa­ra dar um re­tor­no po­si­ti­vo aos ou­tros.

SIM

PA­RA A AUTENTICIDADE

Vo­cê de­ve mos­trar seu “ver­da­dei­ro eu”. Se vo­cê já cor­tou a au­to­de­pre­ci­a­ção do re­per­tó­rio, es­tá qua­se lá. Ago­ra ima­gi­ne que vai a um en­con­tro ou en­tre­vis­ta con­si­go mes­ma. Ba­se­a­da na pró­pria ima­gem que vo­cê apre­sen­tou pre­vi­a­men­te nas re­des, vo­cê fi­ca­ria de­sa­pon­ta­da em se co­nhe­cer? Se sim, tal­vez se­ja a ho­ra de fa­lar me­nos. “Dei­xe seu or­gu­lho brilhar, mas lem­bre que di­va­gar so­bre si pode in­co­mo­dar até ami­gos”, re­for­ça Mar­ga­ri­da. Men­ci­o­ne obs­tá­cu­los que en­fren­tou e o que aque­la vi­tó­ria sig­ni­fi­ca pa­ra vo­cê. As pes­so­as ten­dem a se iden­ti­fi­car com o sen­ti­men­to de con­quis­ta quan­do ela vem com tra­ba­lho du­ro.

NÃO

PA­RA SER O CEN­TRO DAS ATENÇÕES

Por mais que a gen­te ten­te, a mai­o­ria das nos­sas con­quis­tas não vem de um es­for­ço in­di­vi­du­al: há sem­pre um men­tor, co­le­ga ou ami­ga que te aju­dou ao lon­go do ca­mi­nho. A me­lhor coi­sa a fa­zer é agra­de­cê-los. Além dis­so, as mu­lhe­res po­dem ser pe­na­li­za­das por não re­co­nhe­cer os co­le­gas de tra­ba­lho, já que, evo­lu­ti­va­men­te fa­lan­do, nós so­mos su­pos­ta­men­te o sexo com mai­or es­pí­ri­to de equi­pe. Quan­do per­gun­ta­da so­bre aque­le au­men­to que vo­cê me­re­ceu, va­lo­ri­ze quem te aju­dou a al­can­çar o su­ces­so. Vo­cê nun­ca sa­be quem es­ta­rá ou­vin­do. E, além de tu­do, é um bom car­ma. •

SUA HO­RA DE BRILHAR

AS LUZES ES­TÃO EMVO­CÊ

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.