“A GEN­TE NÃO TEM O LI­VRE-ARBÍTRIO DO NOS­SO PRÓ­PRIO COR­PO”

Women’s Health (Brazil) - - Capa -

De que for­ma vo­cê sen­te já ter so­fri­do por ser mu­lher?

Es­sa coi­sa ba­nal de me sen­tir opri­mi­da por an­dar na rua. Sem­pre gos­tei de an­dar na rua, pa­ra mim é uma coi­sa mui­to im­por­tan­te. En­tão, du­ran­te mui­to tem­po, não ti­ve car­ro, fa­zia fa­cul­da­de, pe­ga­va ôni­bus. E é mui­to opres­sor an­dar so­zi­nha na rua. É mui­to lou­co por­que vo­cê an­da agar­ra­da na sua bol­sa, olhan­do pa­ra ver se não tem nin­guém. E cres­ci as­sim. Lem­bro-me de a mi­nha mãe en­si­nar a não an­dar so­zi­nha, pe­dia pa­ra eu não abra­çar as pes­so­as quan­do co­me­cei a ter pei­to. Acho uma per­da de li­ber­da­de, de di­rei­to co­mo ci­da­dã. A gen­te não tem o mes­mo di­rei­to ao es­pa­ço. É o pe­so de uma in­va­são imi­nen­te. A gen­te não tem o li­vre­ar­bí­trio do nos­so pró­prio cor­po. Co­mo se al­guém pu­des­se che­gar e in­va­dir vo­cê. Co­mo as­sim? Es­ta sou eu, te­nho meus li­mi­tes, eu exis­to nes­te cor­po. Cons­truo mi­nhas idei­as, meus pen­sa­men­tos, é meu tra­ba­lho. Al­guém pode ti­rar is­so de mim? Sim. A gen­te é en­si­na­da a ter me­do, co­mo for­ma de pro­te­ção. Não há uma po­lí­ti­ca de edu­ca­ção, de pe­na­li­za­ção pa­ra es­ses ca­ras, uma coi­sa nas es­co­las pa­ra se en­si­nar. Não tem co­mo a gen­te di­zer que não exis­te uma cul­tu­ra do es­tu­pro. Uma cul­tu­ra em que a mu­lher é agre­di­da, é hu­mi­lha­da, é ví­ti­ma de pi­a­das. É mui­to as­sus­ta­dor tu­do is­so.

Vo­cê faz te­ra­pia?

Eu des­co­bri a aná­li­se há dez anos. Psi­ca­ná­li­se. Vou du­as ve­zes por se­ma­na, às ve­zes três. Co­me­cei quan­do ti­nha 18. Es­ta­va me sen­tin­do com mui­to me­do na épo­ca. Es­ta­va pres­tes a fa­zer meu pri­mei­ro mu­si­cal e es­ta­va mui­to fe­liz, mas ti­nha uma co­bran­ça pes­so­al, acha­va que não da­ria con­ta. Ob­ser­vei is­so e pen­sei que ti­nha que me cui­dar por­que não que­ria que o me­do me pa­ra­li­sas­se, que­ria avan­çar, me de­sa­fi­ar. Fui pa­ra fa­lar dis­so: do me­do do pal­co, do me­do de não sa­ber can­tar. Aí co­me­ça­mos a tra­ba­lhar mui­to. Acho que to­do mundo de­ve­ria fa­zer aná­li­se. Ela te co­lo­ca de fren­te pa­ra o es­pe­lho. E eu quero me ver. Às ve­zes é mui­to du­ro, mas vou em fren­te. De­ci­di que is­so é uma coi­sa que me faz mui­to bem, que me dá fer­ra­men­tas. A cons­ci­ên­cia é uma gran­de ferramenta pa­ra po­der fa­zer tu­do.

Vo­cê tem uma po­si­ção bem de­fi­ni­da so­bre o abor­to, né?

Tem que ser a fa­vor. Na Ir­lan­da ago­ra foi apro­va­do fa­zer até a 12ª se­ma­na.

Fa­ria um?

[ Sus­pi­ra] Eu quero mui­to ser mãe, mas com o cara que eu qui­ser, no mo­men­to que eu qui­ser. Ho­je em dia es­tou ca­sa­da, é uma si­tu­a­ção di­fe­ren­te, te­nho um cara que me dá um su­por­te. Se ti­ves­se uma gra­vi­dez ines­pe­ra­da, no ca­so de ho­je, do meu re­la­ci­o­na­men­to, se­ria mui­to bem-vin­da. Mas a gen­te pre­ci­sa ter o di­rei­to so­bre o nos­so cor­po. É uma con­di­ção da mu­lher. A gen­te é quem ge­ra. Sexo to­do mundo faz, mas é a mu­lher quem ge­ra, né? Sou a fa­vor da li­ber­da­de de vo­cê fa­zer o que qui­ser, se­guir seu ca­mi­nho.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.