A CAMALEOA DOS PEN­TE­A­DOS

Ru­bi Oka­mo­to, de­sig­ner da WH, @ru­bi­o­ka­mo­to

Women’s Health (Brazil) - - Beleza -

Na ado­les­cên­cia, eu usa­va o ca­be­lo sem­pre pre­so, por­que, ape­sar de li­so, ti­nha ver­go­nha do vo­lu­me. Até que com 14 anos re­sol­vi ven­der meus fi­os pa­ra uma ca­be­le­rei­ra que sem­pre apa­re­cia na TV aberta – pa­ga­va su­per­bem por ca­be­lo sem ne­nhum tra­ta­men­to quí­mi­co. Mas eu odi­ei a ex­pe­ri­ên­cia, ela cor­tou mui­to mais do que o com­bi­na­do e o cor­te fi­cou es­tra­nho, mui­ta gen­te acha­va que eu era uma me­ni­no – o que não é exa­ta­men­te o ob­je­ti­vo de uma ado­les­cen­te.

Mas apren­di com es­se even­to pois, até meu ca­be­lo cres­cer no­va­men­te, ti­ve que me vi­rar fa­zen­do pen­te­a­dos em ca­sa – a op­ção mais ba­ra­ta pa­ra mu­dar o vi­su­al. Apren­di as­sis­tin­do a tu­to­ri­ais do YouTu­be que exis­tem jei­tos bem le­gais de mu­dar o vi­su­al com coi­sas sim­ples: quer um lo­ok mais ou­sa­do? Fa­ça um moi­ca­no fa­ke. A fran­ja es­tá com­pri­da? Fa­ça um to­pe­te com vo­lu­me. Can­sa­da do sim­ples ra­bo de ca­va­lo pa­ra ma­lhar? Ten­te tra­ças em­bu­ti­das... Pe­guei ex­pe­ri­ên­cia e ho­je, mes­mo quan­do te­nho fes­tas for­mais, eu me vi­ro em ca­sa. É só fa­zer al­guns tes­tes an­tes pa­ra ga­ran­tir o re­sul­ta­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.