LO­GO APÓS A BRI­GA

Women’s Health (Brazil) - - Você -

1Vol­te à neu­tra­li­da­de Por mais bo­bo que se­ja o mo­ti­vo da dis­cus­são, con­fli­tos au­men­tam o ní­vel de adre­na­li­na e dei­xam os mús­cu­los do cor­po ten­sos. Quan­do is­so acon­te­ce, a pro­ba­bi­li­da­de de a si­tu­a­ção sair do con­tro­le é mui­to mai­or, pois a sua ha­bi­li­da­de de man­ter uma con­ver­sa cal­ma é di­re­ta­men­te afe­ta­da. En­tão, quan­do as coi­sas es­quen­ta­rem de­mais (e não do jei­to bom), se afas­te da fon­te de es­tres­se – seu(sua) par­cei­ro(a) – e es­pe­re pe­lo me­nos 30 mi­nu­tos pa­ra re­to­mar a con­ver­sa. To­me um ba­nho re­la­xan­te ou as­sis­ta a um epi­só­dio de uma sé­rie de co­mé­dia en­quan­to is­so.

Mas não saia da dis­cus­são do na­da – avi­se: “Quero re­sol­ver is­so, mas pre­ci­so de al­guns mi­nu­tos pa­ra me acal­mar”.

2Re­ve­ja a nar­ra­ti­va Sob si­tu­a­ções de es­tres­se, é nor­mal que as pes­so­as se di­vi­dam em cam­pos opos­tos. Pa­ra a psi­có­lo­ga e terapeuta sis­tê­mi­ca Li­e­ne Kre­mer Car­li­ni, de Flo­ri­a­nó­po­lis (SC): “Quan­do há uma dis­cus­são en­tre o ca­sal, cer­ta­men­te ca­da um vai que­rer de­fen­der o seu pon­to de vis­ta e pro­var que es­tá cor­re­to”.

Por is­so a ten­dên­cia é fo­car no que o ou­tro es­tá fa­zen­do de er­ra­do, e não no que pode ser fei­to pa­ra su­a­vi­zar a si­tu­a­ção. Re­a­va­lie o ocor­ri­do co­mo uma ob­ser­va­do­ra, lem­bre-se das ve­zes em que vo­cê te­ve ati­tu­des pa­re­ci­das e ten­te en­xer­gar o ou­tro co­mo aque­la pes­soa que te ama – e não co­mo o(a) ba­ba­ca que te ma­chu­cou.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.