AL­GUNS DI­AS DE­POIS

Women’s Health (Brazil) - - Você -

1Acei­te a ofer­ta de paz De for­ma ide­al, as di­cas an­te­ri­o­res, res­pei­tan­do seu tem­po pa­ra res­pi­rar e re­ver as coi­sas, de­vem ser­vir pa­ra que o ca­sal re­sol­va as su­as di­fe­ren­ças. Se es­se não for o ca­so, é ho­ra de fa­zer as pa­zes de qual­quer ma­nei­ra. Es­pe­rar mui­to tem­po pa­ra so­lu­ci­o­nar as coi­sas após uma dis­cus­são dá chan­ce pa­ra que o res­sen­ti­men­to cons­trua uma mu­ra­lha. E pa­rar de fi­car com a cara em­bur­ra­da não sig­ni­fi­ca que vo­cê “dei­xou pa­ra lá”, mas que tem ma­tu­ri­da­de pa­ra dar con­ti­nui­da­de ao re­la­ci­o­na­men­to e re­a­brir a dis­cus­são quan­do os dois es­ti­ve­rem pron­tos.

Ten­te dei­xar a rai­va de la­do e re­to­mar a ro­ti­na de vo­cês nor­mal­men­te. Com is­so, ele(a) pode até se sen­tir mais aco­lhi­do(a) no re­la­ci­o­na­men­to pa­ra fi­nal­men­te se abrir e pro­cu­rar re­sol­ver a si­tu­a­ção.

2De­fi­na no­vas re­gras pa­ra o fu­tu­ro Ago­ra que vo­cês fi­ze­ram as pa­zes, é ho­ra de pre­ve­nir o es­tres­se fu­tu­ro, cri­an­do al­gu­mas di­re­tri­zes a se­rem se­gui­das nas pró­xi­mas dis­cus­sões. Al­gu­mas su­ges­tões: sem xin­ga­men­tos, sem ame­a­ças e na­da de tra­zer si­tu­a­ções já su­pe­ra­das pa­ra den­tro de uma no­va bri­ga. Se vo­cê e o(a) par­cei­ro(a) não con­se­gui­rem con­tro­lar as emo­ções du­ran­te uma dis­cus­são, tal­vez se­ja a ho­ra de pro­cu­rar aju­da pro­fis­si­o­nal pa­ra cons­truir um re­la­ci­o­na­men­to ca­da vez mais só­li­do.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Brazil

© PressReader. All rights reserved.