JOSÉ FERNANDO RAMOS

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

No con­tex­to de uma era ten­den­ci­al­men­te a ca­mi­nhar pa­ra a mai­or sim­pli­ci­da­de e efe­ti­vi­da­de dos pro­ce­di­men­tos ci­rúr­gi­cos e igual­men­te com­pe­ti­ti­va do pon­to de vis­ta la­bo­ral on­de lon­gos pe­río­dos de re­cu­pe­ra­ção são ca­da vez me­nos acei­tá­veis, a ci­rur­gia por in­su­fi­ci­ên­cia ve­no­sa su­per­fi­ci­al (va­ri­zes) tem tam­bém evo­luí­do de for­ma mui­to sig­ni­fi­ca­ti­va. Al­gu­mas mu­dan­ças im­por­tan­tes do pon­to de vis­ta con­ce­tu­al as­so­ci­a­das a ino­va­ções tec­no­ló­gi­cas fo­ram o mo­tor des­sa mu­dan­ça e re­sul­ta­ram em so­lu­ções mi­ni­ma­men­te in­va­si­vas.

Com o sur­gi­men­to da ra­di­o­frequên­cia e do la­ser vá­ri­os con­cei­tos bas­tan­te en­rai­za­dos mu­da­ram:

A ne­ces­si­da­de de in­ci­são na vi­ri­lha pa­ra la­que­a­ção e re­mo­ção das vei­as sa­fe­nas.

O des­can­so após ci­rur­gia e rei­ní­cio da ati­vi­da­de pro­fis­si­o­nal ape­nas vá­ri­as se­ma­nas após in­ter­ven­ção

A in­dis­pen­sa­bi­li­da­de de anes­te­sia ge­ral ou lo­co-re­gi­o­nal (ra­qui ou epi­du­ral)

Es­tas me­lho­ri­as re­sul­tam do fac­to de que es­tas no­vas téc­ni­cas, fun­ci­o­nam por oclu­são das vei­as sa­fe­nas (prin­ci­pais vei­as da cir­cu­la­ção su­per­fi­ci­al dos mem­bros in­fe­ri­o­res) e a sua não re­mo­ção (prin­ci­pal fa­tor de in­va­si­bi­li­da­de ci­rúr­gi­ca) que tor­na a in­ter­ven­ção bas­tan­te mais su­a­ve.

O en­tan­to, ou­tros as­pe­tos não mu­da­ram tan­to, co­mo o uso da meia elás­ti­ca no pós-ope­ra­tó­rio ime­di­a­to e a ne­ces­si­da­de de fol­low-up mes­mo que mui­to es­pa­ça­do, uma vez que em al­guns ca­sos es­ta pa­to­lo­gia tem ca­rá­ter re­ci­di­van­te. Es­ta úl­ti­ma si­tu­a­ção ocor­re prin­ci­pal­men­te em ca­sos me­nos co­muns de his­tó­ria fa­mi­li­ar de in­su­fi­ci­ên­cia ve­no­sa exu­be­ran­te e mui­to fre­quen­te na fa­mí­lia. Nes­ses ca­sos e em pro­fis­sões em que o pa­ci­en­te te­nha que per­ma­ne­cer mui­tas ho­ras de pé, com pou­ca mo­bi­li­da­de e/ou am­bi­en­tes mui­to quen­tes, o uso com­ple­men­tar da meia elás­ti­ca po­de ser re­co­men­da­do.

Ou­tros as­pe­tos são tam­bém re­le­van­tes nes­ta pa­to­lo­gia co­mo se­jam:

-Ne­ces­si­da­de de ade­quar o tra­ta­men­to à fa­se evo­lu­ti­va da pa­to­lo­gia, as­sim co­mo ade­quar as ex­pec­ta­ti­vas do pa­ci­en­te à fa­se em que se en­con­tra. Nu­ma fa­se mui­to avan­ça­da os ob­je­ti­vos são di­fe­ren­tes dos de uma fa­se ini­ci­al, sen­do que nes­ta úl­ti­ma, além das ques­tões de saú­de e bem es­tar, os pa­ci­en­tes po­dem ter tam­bém le­gí­ti­mas ex­pec­ta­ti­vas cos­mé­ti­cas.

-Ne­ces­si­da­de de com­ple­men­tar com es­cle­ro­te­ra­pia (se­ca­gem das vei­as) de for­ma a man­ter o es­ta­do cir­cu­la­tó­rio ade­qua­do e nu­ma mai­o­ria dos ca­sos co­mo com­ple­men­to es­té­ti­co .

-Ne­ces­si­da­de de con­tro­lo ade­qua­do do pe­so por cons­ti­tuir um fa­tor de ris­co im­por­tan­te.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.