MI­GUEL CAR­VA­LHO

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

Es­te pro­ble­ma de saú­de po­de ser iden­ti­fi­ca­do pe­lo pró­prio, pe­la fa­mí­lia e pe­lo Mé­di­co que ha­bi­tu­al­men­te se­gue o do­en­te de acor­do com a evo­lu­ção da do­en­ça. As­sim, nu­ma pri­mei­ra fa­se, só o pa­ci­en­te no­ta; os sin­to­mas tra­du­zem-se nu­ma di­fi­cul­da­de na me­mó­ria; es­ta não responde, o do­en­te tem lap­sos da mes­ma fi­can­do an­si­o­so e de­pri­mi­do. Nu­ma se­gun­da fa­se, os er­ros tor­nam-se ma­ni­fes­tos, as fa­lhas de me­mó­ria são evi­den­tes e há o re­co­nhe­ci­men­to pe­la fa­mí­lia; au­men­ta a ta­xa de es­que­ci­men­to, per­da das me­mó­ri­as re­cen­tes, man­ten­do as an­ti­gas, o dis­cur­so é va­go, e o do­en­te tem di­fi­cul­da­de em en­con­trar as pa­la­vras cer­tas. Em re­gra, é nes­ta fa­se que a mai­o­ria das pes­so­as pro­cu­ra aju­da. Nu­ma ter­cei­ra fa­se, exis­te um agra­va­men­to sig­ni­fi­ca­ti­vo da clí­ni­ca, na qual os do­en­tes co­me­tem er­ros fla­gran­tes, de­so­ri­en­ta­dos, per­dem-se com fa­ci­li­da­de, em­bo­ra ain­da con­si­gam man­ter as su­as prá­ti­cas so­ci­ais.

Nu­ma quar­ta fa­se, há uma de­te­ri­o­ra­ção gra­ve da per­so­na­li­da­de, dei­xan­do de re­co­nhe­cer fa­mi­li­a­res e ami­gos, e de iden­ti­fi­car os am­bi­en­tes; têm um dis­cur­so po­bre, po­den­do ter alu­ci­na­ções, pa­ra­nói­as e se­rem agres­si­vos.

Nu­ma quin­ta fa­se, os pa­ci­en­tes dei­xam de se ves­tir so­zi­nhos, per­dem os mo­dos de co­mer, e co­me­çam a ter in­con­ti­nên­cia dos es­fínc­te­res. Uns man­têm-se cal­mos, dó­ceis, ou­tros tor­nam-se mui­to in­qui­e­tos (hi­pe­rac­ti­vi­da­de sem fi­na­li­da­de).

Nas fa­ses se­guin­tes, em mui­tos o so­no é in­ter­rom­pi­do por epi­só­di­os con­fu­si­o­nais, al­guns têm ata­ques epi­lé­ti­cos. A in­con­ti­nên­cia dos es­fínc­te­res é cons­tan­te, pos­te­ri­or­men­te per­ma­ne­cem sen­ta­dos e nu­ma úl­ti­ma fa­se aca­mam, al­tu­ra em que al­guns ado­tam uma pos­tu­ra com os mem­bros su­pe­ri­o­res e in­fe­ri­o­res em fle­xão, ne­ces­si­tam de in­tu­ba­ção na­so­gás­tri­ca, gas­tros­to­mia ou so­ros pa­ra se­rem ali­men­ta­dos e hi­dra­ta­dos e es­tão in­con­ti­nen­tes.

Os do­en­tes aca­bam por mor­rer­na sequên­cia de uma in­ter­cor­rên­cia, em re­gra um pro­ces­so in­fe­ci­o­so na mai­o­ria dos ca­sos res­pi­ra­tó­rio.

A es­pe­ran­ça de vi­da des­tes pa­ci­en­tes va­ria, sen­si­vel­men­te, en­tre 3 a 20 anos, de­pen­den­do da evo­lu­ção e, so­bre­tu­do, do con­tro­lo da do­en­ça e dos seus ris­cos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.