NÃO TO­ME O ME­DI­CA­MEN­TO DO VI­ZI­NHO…

A Verdade - - PRIMEIRA PÁGINA -

ISA­BEL EDITE LUÍS

• Far­ma­cêu­ti­ca • Di­rec­to­ra Téc­ni­ca dos Ser­vi­ços Far­ma­cêu­ti­cos e de Apro­vi­si­o­na­men­to da SCMMC

To­dos nós, ao lon­go da nos­sa vi­da, so­mos aco­me­ti­dos por pro­ble­mas de saú­de mais ou me­nos gra­ves. Quan­do nos pa­re­ce que uma doença é gra­ve re­cor­re­mos aos cui­da­dos de um mé­di­co; po­rém, em mui­tas ou­tras si­tu­a­ções de apa­ren­te me­nor gra­vi­da­de fa­cil­men­te nos dei­xa­mos in­flu­en­ci­ar pe­lo “ou­vi di­zer”, pe­las con­ver­sas de vi­zi­nhos e fa­mi­li­a­res ou, pi­or ain­da, pela pu­bli­ci­da­de da TV so­bre de­ter­mi­na­dos pro­du­tos de saú­de.

A AUTOMEDICAÇÃO ca­ra­te­ri­za-se pela in­ges­tão de me­di­ca­men­tos sem o acon­se­lha­men­to e in­ter­ven­ção de um pro­fis­si­o­nal de saú­de qua­li­fi­ca­do. Mes­mo que pen­se que o seu pro­ble­ma de saú­de é um trans­tor­no me­nor e, no ge­ral, tran­si­tó­rio, é im­por­tan­te to­mar me­di­ca­men­tos sob acon­se­lha­men­to e acom­pa­nha­men­to de um pro­fis­si­o­nal de saú­de.

A AUTOMEDICAÇÃO sen­do um fe­nó­me­no co­mum é um gra­ve pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca. Quan­do uma pes­soa, por sua ini­ci­a­ti­va ou por in­fluên­cia de ou­tros, de­ci­de to­mar um me­di­ca­men­to para tra­ta­men­to das su­as quei­xas, po­de­rá con­tri­buir para um agra­va­men­to dos seus pro­ble­mas e com es­se ato po­de ori­gi­nar sé­ri­as con­sequên­ci­as, co­mo:

- to­mar do­ses in­cor­re­tas, o que po­de le­var a um atra­so na re­cu­pe­ra­ção da saú­de; - a uma in­to­xi­ca­ção; - uma re­a­ção alér­gi­ca; - ao de­sen­vol­vi­men­to de efei­tos se­cun­dá­ri­os; - a re­a­ções ad­ver­sas de­vi­do à mis­tu­ra de mui­tos me­di­ca­men­tos;

- per­da de efei­to de an­ti­bió­ti­cos, quan­do o mes­mo é to­ma­do de for­ma abu­si­va e in­dis­cri­mi­na­da.

É sem­pre bom lem­brar que o mes­mo me­di­ca­men­to e na mes­ma do­se, em du­as pes­so­as di­fe­ren­tes mas que pen­sam ter o mes­mo pro­ble­ma, po­de ter re­sul­ta­dos di­fe­ren­tes: po­de ser mui­to efi­caz para uma e pou­co efi­caz para a ou­tra.

O mes­mo se pas­sa com mui­tas me­zi­nhas, chás e ou­tros pro­du­tos na­tu­rais. É vul­gar acre­di­tar-se que o que é na­tu­ral nun­ca faz mal, mas al­gu­mas ge­ne­ra­li­za­ções po­dem pro­vo­car efei­tos no­ci­vos. Não vá nis­so. Há mui­tas plan­tas que in­flu­en­ci­am o efei­to de al­guns me­di­ca­men­tos.

Ou­tro mo­ti­vo que le­va as pes­so­as a au­to­me­di­ca­rem-se re­la­ci­o­na-se com a di­fi­cul­da­de em en­con­trar aces­so a mé­di­cos. E mes­mo com aten­di­men­to em hos­pi­tal ou cen­tro de saú­de, não que­rem dis­por do tempo ne­ces­sá­rio para es­pe­rar por um aten­di­men­to, e re­sol­vem op­tar por uma so­lu­ção mais rá­pi­da e ime­di­a­ta co­mo a automedicação.

Por is­so, se tem um pro­ble­ma de saú­de, não to­me um me­di­ca­men­to por sua con­ta e ris­co…NÃO TO­ME O ME­DI­CA­MEN­TO DO VI­ZI­NHO.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.