DI­A­BE­TES GESTACIONAL (I)

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES - JORGE DO­RES

O que é?

Di­a­be­tes mel­li­tus é uma doença que se ca­ra­te­ri­za por ní­veis de gli­co­se no san­gue (tam­bém cha­ma­do açú­car no san­gue) au­men­ta­dos. Cha­ma-se Di­a­be­tes Gestacional qu­an­do a di­a­be­tes é des­co­ber­ta pe­la pri­mei­ra vez du­ran­te a pre­sen­te gra­vi­dez. Se an­tes da gra­vi­dez a mu­lher já sa­bia que ti­nha di­a­be­tes, en­tão es­te ti­po de di­a­be­tes não é gestacional mas di­a­be­tes mel­li­tus ti­po 1 ou ti­po 2.

A di­a­be­tes gestacional é um pro­ble­ma que sur­ge na gra­vi­dez com uma frequên­cia va­riá­vel, de­pen­den­do da po­pu­la­ção es­tu­da­da. Em Por­tu­gal, es­te pro­ble­ma afe­ta cer­ca de 7% das mu­lhe­res grá­vi­das.

Es­ta doença sur­ge mais fre­quen­te­men­te na gra­vi­dez, por­que du­ran­te es­ta fa­se o au­men­to de pe­so da mu­lher e o au­men­to da pro­du­ção de hor­mo­nas por um ór­gão exis­ten­te den­tro do úte­ro, a pla­cen­ta, têm ten­dên­cia pa­ra fa­zer su­bir a gli­co­se no san­gue. Em con­di­ções nor­mais, o cor­po da mu­lher não per­mi­te que is­so acon­te­ça por­que o seu pân­cre­as, um ór­gão si­tu­a­do no ab­dó­men, per­to do estô­ma­go, pro­duz uma hor­mo­na cha­ma­da in­su­li­na que neu­tra­li­za es­sa ten­dên­cia pa­ra a su­bi­da da gli­co­se no san­gue. Con­tu­do, à me­di­da que a gra­vi­dez vai avan­çan­do, a pla­cen­ta vai cres­cen­do e pro­por­ci­o­nal­men­te vai pro­du­zin­do ca­da vez mais subs­tân­ci­as que têm ten­dên­cia pa­ra fa­zer su­bir a gli­co­se no san­gue. Ape­sar do pân­cre­as acom­pa­nhar es­se efeito da pla­cen­ta com mai­or pro­du­ção de in­su­li­na, há mu­lhe­res em que a ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção de in­su­li­na adi­ci­o­nal es­tá li­mi­ta­da e en­tão a gli­co­se no san­gue fi­ca de­ma­si­a­do ele­va­da. O ex­ces­so de gli­co­se da mãe é pre­ju­di­ci­al pa­ra o be­bé, pe­lo que é mui­to im­por­tan­te o seu tra­ta­men­to.

Após o par­to, ge­ral­men­te es­te ti­po de di­a­be­tes de­sa­pa­re­ce de­vi­do à saí­da da pla­cen­ta e à re­du­ção do pe­so da mãe. Fa­to­res de ris­co Os fa­to­res de ris­co as­so­ci­a­dos ao apa­re­ci­men­to da di­a­be­tes gestacional es­tão re­la­ci­o­na­dos com:

1 - Si­tu­a­ções que afe­tem a ca­pa­ci­da­de de re­ser­va do pân­cre­as em pro­du­zir mais in­su­li­na 1.1 - Ter fa­mi­li­a­res do pri­mei­ro grau di­a­bé­ti­cos (pais ou ir­mãos com di­a­be­tes) 1.2 - Ter mais de 30 anos de ida­de 1.3 - Ter an­te­ce­den­tes de di­a­be­tes gestacional em gra­vi­de­zes an­te­ri­o­res ou ter ti­do an­tes um be­bé com pe­so ao nas­cer su­pe­ri­or a 4 kgs

2 - Si­tu­a­ções que obri­gam o pân­cre­as a pro­du­zir mais in­su­li­na pa­ra man­ter nor­mais os ní­veis de gli­co­se no san­gue. 2.1 - Ex­ces­so de pe­so an­tes da gra­vi­dez 2.2 - Au­men­to de pe­so ex­ces­si­vo du­ran­te a pre­sen­te gra­vi­dez 2.3 – To­ma de me­di­ca­men­tos que con­te­nham cor­ti­coi­des.

Si­nais e Sin­to­mas

A di­a­be­tes gestacional é uma doença com­ple­ta­men­te as­sin­to­má­ti­ca. Se a gra­vi­dez não for vi­gi­a­da, sem a re­a­li­za­ção de qual­quer aná­li­se, du­ran­te a gra­vi­dez, po­de ocor­rer mai­or frequên­cia de par­tos pre­ma­tu­ros, com be­bés mui­to gor­dos (mais de 4500 gr), po­den­do ocor­rer pro­ble­mas gra­ves du­ran­te o par­to de­vi­do ao ta­ma­nho anor­mal do be­bé. Po­de tam­bém ha­ver ne­ces­si­da­de do be­bé ir pa­ra a in­cu­ba­do­ra por di­fi­cul­da­de em res­pi­rar de­vi­do à ima­tu­ri­da­de pul­mo­nar ou por ní­veis bai­xos de açú­car lo­go após o par­to.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.