Dr. Jo­sé Ca­bral de Ma­tos, obrei­ro do Jar­dim Mu­ni­ci­pal

A Verdade - - OPINIÃO - João Baptista Vasconcelos Ma­ga­lhães

Éna­tu­ral que mui­tos mar­co­en­ses e a gran­de mai­o­ria dos fo­ras­tei­ros que pas­sam pe­la Ci­da­de do Mar­co se ma­ra­vi­lhem com o be­lo Jar­dim Mu­ni­ci­pal, que não tem pa­ra­le­lo em be­le­za e di­men­são nos con­ce­lhos vi­zi­nhos. E, ao se de­pa­ra­rem com o bus­to de Adri­a­no Jo­sé de Car­va­lho e Mel­lo jul­guem que foi o fun­da­dor do Con­ce­lho o cri­a­dor des­sa joia ambiental. Na ver­da­de, não é as­sim!

A cri­a­ção do Jar­dim Mu­ni­ci­pal foi obra do Dr. Jo­sé Ca­bral de Ma­tos que ocu­pou a pre­si­dên­cia da Câ­ma­ra en­tre 1949-1953.

Es­ta no­tá­vel per­so­na­gem, mui­to cul­ta e de ho­ri­zon­tes lar­gos, era na­tu­ral de Man­gual­de, on­de nas­ceu no dia 17 de mar­ço de 1902. Li­cen­ci­ou-se em Di­rei­to na Uni­ver­si­da­de de Coim­bra e foi co­lo­ca­do no Mar­co de Ca­na­ve­ses co­mo no­tá­rio. No dia 06 de ja­nei­ro de 1949 to­ma pos­se, por no­me­a­ção (co­mo era pró­prio do re­gi­me da al­tu­ra), co­mo Pre­si­den­te da Câ­ma­ra, su­ce­den­do a Ma­nu­el de Aze­ve­do.

Na ses­são so­le­ne que o in­ves­tiu no car­go, con­for­me re­za a ata da Câ­ma­ra e no­tí­ci­as dos pe­rió­di­cos, o em­pos­sa­do lem­brou que há três anos re­cu­sa­ra o car­go, por­que se sen­tia mais útil a pre­si­dir à Co­mis­são Mu­ni­ci­pal de Assistência, uma ins­ti­tui­ção cri­a­da na Pri­mei­ra Re­pú­bli­ca que ti­nha co­mo ob­je­ti­vo dar assistência aos de­sam­pa­ra­dos e ela­bo­rar pa­re­ce­res so­bre o grau de in­su­fi­ci­ên­cia dos mes­mos. Ago­ra, acei­ta­ra o car­go pe­la per­sis­tên­cia do seu ami­go e co­le­ga na uni­ver­si­da­de, Dr. Antão dos Santos Cu­nha, Go­ver­na­dor Ci­vil do Por­to. Nas in­ter­ven­ções que abri­lhan­ta­ram a ses­são, re­ce­beu os mai­o­res elogios das au­to­ri­da­des ci­vis, re­li­gi­o­sas e fi­gu­ras no­tá­veis do Con­ce­lho.

En­tre os mui­tos dis­cur­sos, o pre­si­den­te do Nú­cleo Con­ce­lhio da União Na­ci­o­nal, Dr. Cris­ti­ni­a­no Bor­ges de Araú­jo, enal­te­ceu o ca­rác­ter, a ca­pa­ci­da­de de tra­ba­lho, o es­pí­ri­to fi­lan­tró­pi­co e o pa­tri­o­tis­mo do no­vo Pre­si­den­te da Câ­ma­ra; o co­man­dan­te da Le­gião, Ten. António de Qu­ei­roz No­vais (que con­ti­nu­a­va vi­ce-pre­si­den­te do Mu­ni­cí­pio), fez idên­ti­cos elogios e ter­mi­nou o seu dis­cur­so, lem­bran­do que se apro­xi­ma­va a cam­pa­nha elei­to­ral pa­ra a Pre­si­dên­cia da Re­pú­bli­ca e que era ne­ces­sá­rio que to­dos ma­ni­fes­tas­sem o seu pa­tri­o­tis­mo, vo­tan­do no can­di­da­to da União Na­ci­o­nal, Ge­ne­ral Car­mo­na. O Se­cre­tá­rio da Câ­ma­ra (um car­go de carreira, mui­to pres­ti­gi­a­do na al­tu­ra por de­le de­pen­der o fun­ci­o­na­men­to da má­qui­na ad­mi­nis­tra­ti­va do Con­ce­lho), Dr. Amé­ri­co da Silva Car­va­lho, te­ceu elogios se­me­lhan­tes aos dos an­te­ri­o­res ora­do­res e as­se­gu­rou ao em­pos­sa­do to­da a co­la­bo­ra­ção e le­al­da­de. Por fim, o Go­ver­na­dor Ci­vil lem­brou que am­bos ti­nham si­do co­le­gas e bons ami­gos em Coim­bra, re­le­van­do o apre­ço que sem­pre te­ve pe­las al­tas qua­li­da­des in­te­lec­tu­ais, mo­rais e pro­fis­si­o­nais do em­pos­sa­do, no­me­a­da­men­te a hon­ra­dez e sen­ti­do de Es­ta­do. Ter­mi­nou o seu dis­cur­so, re­to­man­do o ape­lo do Co­man­dan­te da Le­gião, fri­san­do que 80% dos elei­to­res do Con­ce­lho do Mar­co de Ca­na­ve­ses cos­tu­ma­vam dar o seu vo­to ao can­di­da­to pro­pos­to pe­la União Na­ci­o­nal, es­pe­ran­do que a fas­quia se vi­es­se a re­pe­tir.

A im­pren­sa lo­cal, ”O Mar­co­en­se”, e até os jor­nais “Re­pú­bli­ca”, “Co­mér­cio do Por­to”, “Jor­nal de No­tí­ci­as e “Diá­rio da Ma­nhã” no­ti­ci­a­ram a to­ma­da de pos­se, com ele­va­dos en­có­mi­os ao no­me­a­do.

Um dos pri­mei­ros pro­ble­mas que Ca­bral Ma­tos te­ve de re­sol­ver foi o do fe­ri­a­do Mu­ni­ci­pal. A da­ta que ha­via si­do es­co­lhi­da de 28 de maio, ti­nha si­do re­cu­sa­da ao abri­go do artº 49, pa­rá­gra­fo 13, que proi­bia fe­ri­a­dos con­ce­lhi­os nes­se dia de “or­gu­lho” na­ci­o­nal. Foi en­tão es­co­lhi­do o dia 08 de se­tem­bro por coin­ci­dir com a Fes­ta do Cas­te­li­nho, já que o Con­ce­lho ti­nha si­do con­sa­gra­do a Nos­sa Se­nho­ra do Cas­te­li­nho. Não per­deu tem­po, em em­pe­nhar, tan­to quan­to lhe era pos­sí­vel, a sua sen­si­bi­li­da­de, o seu sa­ber e a sua ca­pa­ci­da­de de in­fluên­cia no de­sen­vol­vi­men­to do Con­ce­lho, em­bo­ra com cons­tran­gi­men­tos que, ho­je, nos cus­ta a per­ce­ber.

Por es­sa oca­sião, as li­mi­ta­ções fi­nan­cei­ras e de ca­pa­ci­da­de de de­ci­são dos au­tar­cas eram imen­sas. Qua­se tu­do pre­ci­sa­va de ser su­jei­to à apre­ci­a­ção do go­ver­no cen­tral ou dis­tri­tal que con­tro­la­va gas­tos e im­pu­nha re­gras ri­go­ro­sas. Mui­tas ini­ci­a­ti­vas, que não eram co­ber­tas pe­los ma­gros or­ça­men­tos, só po­di­am ser re­a­li­za­das com a ge­ne­ro­si­da­de das boas von­ta­des, co­mo acon­te­ceu com a cons­tru­ção de al­guns fon­te­ná­ri­os, de es­tra­dões e até de uma es­co­la em Ma­gre­los, pa­ra a qual con­tri­buiu com 200 mil cruzados o be­ne­mé­ri­to mar­co­en­se, António Nunes de Pai­va, emi­gra­do no Bra­sil.

Ca­bral de Ma­tos pro­cu­rou, des­de o iní­cio do seu man­da­to, pri­vi­le­gi­ar a eco­no­mia de cus­tos e o mais alar­ga­do in­te­res­se pú­bli­co, em vez de sa­tis­fa­zer cli­en­te­las ou res­pon­der às pres­sões dos ca­ci­ques que, sen­do apa­ni­gua­dos do re­gi­me (tal co­mo ho­je acon­te­ce nos par­ti­dos), se acha­vam com o di­rei­to de co­brar fa­vo­res. Qu­an­do o Fu­te­bol Clu­be do Mar­co lhe so­li­ci­tou um sub­sí­dio pa­ra a cons­tru­ção de um bal­neá­rio, lo­go in­de­fe­riu o pe­di­do, co­mo cons­ta da ata da reu­nião da Câ­ma­ra do dia 15 de mar­ço do ano em que to­mou pos­se, por achar que eram ur­gen­tes ou­tras ini­ci­a­ti­vas de in­te­res­se mais ge­ral. E en­tre os di­fe­ren­tes me­lho­ra­men­tos que con­se­guiu no Con­ce­lho, sa­li­en­ta­mos o me­lho­ra­men­to das con­di­ções de tra­ba­lho dos fun­ci­o­ná­ri­os da Câ­ma­ra; o abas­te­ci­men­to de água à Vi­la: o abai­xa­men­to do pre­ço da ele­tri­ci­da­de; a ce­le­bra­ção de um con­tra­to com a Elé­tri­ca Du­ri­en­se pa­ra abas­te­cer de ener­gia as fre­gue­si­as do Con­ce­lho, sen­do a pri­mei­ra a be­ne­fi­ci­ar des­sa ini­ci­a­ti­va Vár­zea de Ove­lha e Ali­vi­a­da; a cri­a­ção de um pos­to da GNR, a fim de pro­mo­ver um sen­ti­men­to de se­gu­ran­ça nas po­pu­la­ções; o es­ta­be­le­ci­men­to de uma ta­ri­fa única de for­ne­ci­men­to de água pa­ra a in­dús­tria, vi­san­do es­ti­mu­lar o seu de­sen­vol­vi­men­to; a do­ta­ção de pos­tos es­co­la­res nas fre­gue­si­as, pa­ra alar­gar a es­co­la­ri­da­de e di­mi­nuir o anal­fa­be­tis­mo; a cons­tru­ção de fon­te­ná­ri­os, etc. Anuiu, ain­da, a uma pro­pos­ta do Sr. Artur Al­ber­to de Bar­ris e Castro de cri­ar um mu­seu mu­ni­ci­pal.

Mas a “joia da co­roa” do seu car­go, foi a cri­a­ção do Jar­dim Mu­ni­ci­pal no sí­tio on­de se re­a­li­za­va a fei­ra de ga­do e mer­ca­do, so­bre­tu­do agrí­co­la, a qual, co­mo ho­je, era uma das mais con­cor­ri­das do Dis­tri­to. A Vi­la (nes­sa al­tu­ra) en­chia-se de ne­go­ci­an­tes e outra gen­te que apro­vei­ta­va a oca­sião pa­ra fa­zer com­pras, ir ao mé­di­co, re­sol­ver pro­ble­mas nas re­par­ti­ções pú­bli­cas e até vi­si­tar ami­gos. Nes­se tem­po, não ha­via a ASAE e os ex­cre­men­tos, mos­cas e maus cheiros, que fi­ca­vam no fim da fei­ra, cri­a­vam pro­ble­mas de in­sa­lu­bri­da­de a que eram in­di­fe­ren­tes os pro­pri­e­tá­ri­os dos res­tau­ran­tes que la­de­a­vam aque­le sí­tio. Es­ta­vam, na­tu­ral­men­te, mais pre­o­cu­pa­dos com o ne­gó­cio do que com a qua­li­da­de do am­bi­en­te. Nem qu­e­ri­am ou­vir fa­lar da al­te­ra­ção do lu­gar da Fei­ra! O pri­mei­ro a ma­ni­fes­tar a ne­ces­si­da­de de al­te­rar es­ta si­tu­a­ção foi Pedro Bra­vo num ar­ti­go que pu­bli­cou no jor­nal “O Mar­co­en­se”. Nes­se tex­to, su­ge­ria uma an­ti­ga as­pi­ra­ção: a de se cri­ar um par­que nes­se espaço e a trans­fe­rên­cia da fei­ra pa­ra ou­tro lu­gar, o que mo­ti­vou a con­tes­ta­ção dos re­fe­ri­dos pro­pri­e­tá­ri­os da res­tau­ra­ção.

Ca­bral de Ma­tos era um ho­mem cul­to e, por is­so, sen­sí­vel aos pro­ble­mas am­bi­en­tais. Tam­bém cons­ci­en­te de que a fei­ra, na­que­le lo­cal, era fon­te de pro­ble­mas pa­ra a saú­de pú­bli­ca pen­sou, em vez da cons­tru­ção de um par­que, apro­vei­tar aque­le sí­tio pa­ra le­var a ca­bo uma obra de fu­tu­ro, que não ti­ves­se um cu­nho ime­di­a­tis­ta, que pro­por­ci­o­nas­se bem-es­tar e fos­se um espaço de aco­lhi­men­to das fa­mí­li­as. Sa­bia que as vi­las, tal co­mo as cidades, pa­ra se­rem sus­ten­tá­veis, obri­ga­to­ri­a­men­te ti­nham de ter um cres­ci­men­to em har­mo­nia com o de­sen­vol­vi­men­to, tor­nan­do pos­sí­vel um equi­lí­brio per­ma­nen­te en­tre o so­ci­al e o ambiental, sem a rutura abrup­ta com o es­pí­ri­to da ru­ra­li­da­de, rutura que pro­vo­ca as “de­se­co­no­mi­as” que tra­zem os in­cha­ços po­pu­la­ci­o­nais trans­for­ma­dos, qua­se sem­pre, em dor­mi­tó­ri­os dos cen­tros in­dus­tri­ais mais pró­xi­mos, sem in­te­res­se tu­rís­ti­co ou ou­tro.

Con­ti­nua na pró­xi­ma edi­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.