Li­vro de Fer­nan­do Cou­to Ri­bei­ro é “qua­se um diá­rio dos sen­ti­men­tos do dia-a-dia”

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Fer­nan­do Cou­to Ri­bei­ro vai apre­sen­tar, no pró­xi­mo dia 25 de no­vem­bro, o seu li­vro, no qual a po­e­sia trans­pa­re­ce os sen­ti­men­tos do au­tor vi­ven­ci­a­dos ao lon­go de cer­ca de um ano.

O li­vro in­ti­tu­la-se “Os Di­as As­sim” e vai ser apre­sen­ta­do à co­mu­ni­da­de no Centro Pa­ro­qui­al da Igre­ja de San­ta Ma­ria. Pe­las 15ho­ras, o au­tor vai con­tar um pou­co da­qui­lo que o seu li­vro fa­la, con­tan­do com a atu­a­ção da “Ar­tâ­me­ga” e, ain­da, do gru­po “Trou­pe de Pa­la­vras Vi­vas” que vai re­ci­tar al­guns po­e­mas do li­vro.

“Os Di­as As­sim” foi es­cri­to por Fer­nan­do Cou­to Ri­bei­ro em 2016 mas só ago­ra o au­tor ga­nhou co­ra­gem pa­ra o pu­bli­car. Ad­mi­te sen­tir-se mais “ali­vi­a­do” por par­ti­lhar o seu tra­ba­lho com o pú­bli­co, já que “é com as crí­ti­cas po­si­ti­vas e ne­ga­ti­vas que se vai cres­cen­do”.

O li­vro de Fer­nan­do Cou­to Ri­bei­ro é “qua­se um diá­rio dos sen­ti­men­tos do dia-a-dia” do au­tor que fo­ram des­cri­tos atra­vés da po­e­sia.

“Nós não con­tro­la­mos aqui­lo que sen­ti­mos, às ve­zes acor­da­mos e sen­ti­mo-nos in­flu­en­ci­a­dos por coi­sas do pas­sa­do, mes­mo que na­da es­te­ja atu­al­men­te mal, po­de­mos es­tar tris­tes”, ex­pli­cou, adi­an­tan­do que o li­vro pre­ten­de mos­trar a “cons­tân­cia e in­cons­tân­cia que sen­ti­mos di­a­ri­a­men­te”.

Ao mes­mo tem­po, Fer­nan­do Cou­to Ri­bei­ro pre­ten­de que o li­vro “Os Di­as As­sim” se­ja o pri­mei­ro de uma tri­lo­gia que já tem em men­te.

“Es­te pri­mei­ro li­vro des­cre­ve o tem­po con­tí­nuo, ou se­ja, é o re­sul­ta­do do so­ma­tó­rio dos di­as e seus sen­ti­men­tos, on­de ten­to per­ce­ber co­mo fun­ci­o­nam di­a­ri­a­men­te os nos­sos sen­ti­men­tos. O se­gun­do li­vro, se­rá o mo­men­to on­de ten­to per­ce­ber o tem­po cir­cu­lar, ou se­ja, os sen­ti­men­tos de da­tas que acon­te­cem to­dos os anos, co­mo o nos­so ani­ver­sá­rio”. So­bre o ter­cei­ro li­vro o au­tor tem ide­a­li­za­do que o mes­mo fa­le so­bre o “tem­po em as­cen­são”, is­to é, as vi­vên­ci­as e sen­ti­men­tos que nos fa­zem cres­cer. “O tem­po an­da às vol­tas e nós cres­ce­mos no meio das vol­tas que o tem­po dá”, es­cla­re­ce.

O au­tor, que já es­cre­ve “des­de que fez uma qua­dra no 7.º ano de es­co­la­ri­da­de”, es­pe­ra que a po­pu­la­ção “tam­bém gos­te do li­vro”, as­sim co­mo Fer­nan­do Cou­to ad­mi­te ter gos­ta­do du­ran­te a es­cri­ta do seu li­vro de po­e­sia.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.