“Com­prar um ca­baz com pro­du­tos lo­cais é fo­men­tar o emprego na re­gião”

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Ofe­re­cer pre­sen­tes di­fe­ren­tes e com per­so­na­li­za­ção tem vi­ra­do uma ten­dên­cia ca­da vez mais cres­cen­te. A Dolmen tem se­gui­do es­ta ten­dên­cia e, por is­so, há se­te anos que lan­ça, nes­ta épo­ca na­ta­lí­cia, os seus ca­ba­zes com pro­du­tos oriun­dos dos seis mu­ni­cí­pi­os que per­ten­cem à re­gião Dou­ro Ver­de.

Ama­ran­te, Baião, Cin­fães, Mar­co de Ca­na­ve­ses, Pe­na­fi­el e Re­sen­de pro­du­zem pro­du­tos dis­tin­tos, mas que re­ve­lam a iden­ti­da­de e as tra­di­ções de pro­du­ção que re­me­tem di­re­ta­men­te pa­ra ca­da re­gião. Nos ca­ba­zes da Dolmen é pos­sí­vel ofe­re­cer um pou­co de ca­da mu­ni­cí­pio.

Os ca­ba­zes vão dos 10 aos 100 eu­ros. A Dolmen já pos­sui ca­ba­zes com pro­du­tos va­ri­a­dos de ca­da re­gião, co­mo com­po­tas, vi­nhos, es­pu­man­tes e ain­da o fu­mei­ro.

“Ao lon­go do ano fo­mos per­ce­ben­do que ha­via uma gran­de pro­cu­ra pe­la di­fe­ren­ci­a­ção, as­so­ci­an­do a uma ima­gem iden­ti­fi­ca­ti­va de um pa­tri­mó­nio, há ca­ba­zes com fi­gu­ras li­te­rá­ri­as, co­mo Cár­men Mi­ran­da, ou até de pai­sa­gens das re­giões do Dou­ro Ver­de”, dis­se El­sa Pi­nhei­ro, co­or­de­na­do­ra ge­ral da Dolmen.

Po­rém, El­sa Pi­nhei­ro afir­mou que as pes­so­as ten­dem a fa­zer os seus pró­pri­os ca­ba­zes, co­mo for­ma de in­cu­tir no pre­sen­te o seu cu­nho pes­so­al e ofe­re­cer con­so­an­te os gos­tos dos pre­sen­te­a­dos.

Além dos pro­du­tos agro­a­li­men­ta­res há ain­da mui­tos ou­tros pro­du­tos su­ge­ri­dos pe­la Dolmen pa­ra ofe­re­cer. É o ca­so do ar­te­sa­na­to lo­cal. “Ven­de-se mui­to bem ou­tras coi­sas, co­mo os piões pa­ra as cri­an­ças, os sa­qui­nhos bor­da­dos à mão, en­tre ou­tros”, sa­li­en­tou El­sa Pi­nhei­ro.

“As pes­so­as po­dem pe­gar nas nos­sas em­ba­la­gens e se­rem elas a da­rem for­ma e a com­po­si­ção do seu ca­baz, con­so­an­te as su­as pos­si­bi­li­da­des fi­nan­cei­ras”, acres­cen­tou.

Ofe­re­cer es­tes ca­ba­zes é mui­to mais do que ofe­re­cer um me­ro pre­sen­te. Is­to por­que, se­gun­do a Dolmen, o ob­je­ti­vo da cri­a­ção dos ca­ba­zes pren­de-se com o fac­to de “aju­dar os pro­du­to­res, cri­an­do con­di­ções pa­ra que aque­les que tra­ba­lham na re­gião te­nham con­di­ções pa­ra aqui per­ma­ne­ce­rem”.

“Quan­do com­pra­mos um ca­baz com pro­du­tos lo­cais es­ta­mos a aju­dar a que ha­ja cri­a­ção de emprego e sa­be­mos que nos ter­ri­tó­ri­os ru­rais há que ha­ver re­si­li­ên­ci­as pa­ra se con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar”, con­cluiu El­sa Pi­nhei­ro.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.