NO­VAS TEC­NO­LO­GI­AS

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES - LEONILDE MA­CHA­DO

As no­vas tec­no­lo­gi­as fa­zem par­te das nos­sas vi­das e da vi­da das nos­sas cri­an­ças. Nes­te mo­men­to são ine­gá­veis as van­ta­gens do aces­so fá­cil a uma re­de enor­me de co­nhe­ci­men­to, de in­for­ma­ção e co­mu­ni­ca­ção bem co­mo os be­ne­fí­ci­os da uti­li­za­ção de apps no de­sen­vol­vi­men­to cog­ni­ti­vo, na re­a­bi­li­ta­ção e na edu­ca­ção, no en­tan­to es­te aces­so sim­ples não nos de­ve fa­zer bai­xar a gu­ar­da re­la­ti­va­men­te aos ris­cos as­so­ci­a­dos à sua uti­li­za­ção…

Des­de ce­do as cri­an­ças apre­sen­tam cu­ri­o­si­da­de e uma gran­de ca­pa­ci­da­de pa­ra li­dar com es­tes dis­po­si­ti­vos “pa­re­ce até que já nas­cem en­si­na­das”. Ape­sar de ain­da nin­guém sa­ber qual o re­fle­xo des­te uso de­sen­fre­a­do das no­vas tec­no­lo­gi­as no de­sen­vol­vi­men­to pes­so­al e so­ci­al das nos­sas cri­an­ças nin­guém tem dú­vi­das que ele exis­te e se vai co­me­çar a ma­ni­fes­tar con­so­an­te elas cres­cem. Es­tá de­mons­tra­do em vá­ri­os es­tu­dos que a ex­po­si­ção ex­ces­si­va às no­vas tec­no­lo­gi­as é ca­paz de cau­sar le­são es­tru­tu­ral e fun­ci­o­nal ce­re­bral prin­ci­pal­men­te num cé­re­bro em de­sen­vol­vi­men­to. As le­sões ocor­rem em di­fe­ren­tes áre­as ce­re­brais e em al­gu­mas de­las a sua es­tru­tu­ra só es­tá com­ple­ta no iní­cio da ida­de adul­ta. A ex­po­si­ção ex­ces­si­va a tec­no­lo­gi­as es­tá as­so­ci­a­da a um dé­fi­ce das fun­ções exe­cu­ti­vas e de aten­ção, al­te­ra­ções do de­sen­vol­vi­men­to mo­tor fi­no e per­ce­ção vi­su­o­es­pa­ci­al, atra­so do de­sen­vol­vi­men­to da lin­gua­gem, per­tur­ba­ções do com­por­ta­men­to, per­tur­ba­ções do so­no en­tre ou­tras.

A Aca­de­mia Ame­ri­ca­na de Pe­di­a­tria re­co­men­da que cri­an­ças dos 0 aos 2 anos não se­jam ex­pos­tas a ne­nhu­ma tec­no­lo­gia e que o seu uso se­ja li­mi­ta­do a uma ho­ra por dia a cri­an­ças dos 2 aos 5 anos e a du­as ho­ras por dia dos 6 aos 18 anos. A So­ci­e­da­de Por­tu­gue­sa de Of­tal­mo­lo­gia re­co­men­da a im­por­tân­cia de fa­zer pau­sas a ca­da 20 mi­nu­tos.

De­no­ta-se de fac­to que o tem­po acon­se­lha­do é fa­cil­men­te ul­tra­pas­sa­do e dis­cre­pan­te com a re­a­li­da­de com con­sequên­ci­as pa­ra a saú­de. Tal co­mo Jenny Ra­desky dis­se: “O mais im­por­tan­te é os pais acom­pa­nha­rem os fi­lhos, pa­ra en­si­ná-los a usar a tec­no­lo­gia co­mo uma fer­ra­men­ta pa­ra cri­ar e apren­der”. Ca­be-nos a nós tal co­mo em ou­tros as­sun­tos ori­en­tar as nos­sas cri­an­ças, a fa­zer as es­co­lhas cer­tas ade­quan­do a au­to­no­mia e re­cur­sos uti­li­za­dos à sua ida­de e ní­vel de de­sen­vol­vi­men­to e aler­tan­do sem­pre dos ris­cos. Pa­ra is­so e uti­li­zan­do uma re­gra cha­ve é ser­vir de bom exem­plo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.