Ema­nu­el Ro­chi­nha so­nha re­pre­sen­tar Por­tu­gal nu­ma pro­va in­ter­na­ci­o­nal

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Foi há dois anos que Ema­nu­el Ro­chi­nha co­me­çou a sua aven­tu­ra pe­lo cul­tu­ris­mo. Atle­ta des­de a ado­les­cên­cia, ini­ci­ou o seu per­cur­so no futebol, sen­do pro­fis­si­o­nal no Ce­lo­ri­cen­se Futebol Clu­be.

De­pois de ar­ran­jar emprego na sua ci­da­de Na­tal em Mar­co de Ca­na­ve­ses, o jo­vem ain­da con­se­guiu con­ci­li­ar a pai­xão com o futebol du­ran­te al­gum tem­po. No en­tan­to te­ve de de­sis­tir. “Foi mui­to di­fí­cil aban­do­nar aque­le des­por­to por­que eu ado­ra­va futebol”, ad­mi­tiu.

Sem dei­xar de pra­ti­car des­por­to, Ema­nu­el Ro­chi­nha de­ci­diu de­di­car-se ao gi­ná­sio, on­de des­co­briu a no­va pai­xão, o cul­tu­ris­mo. “De­pois de dois anos no gi­ná­sio sur­giu a von­ta­de de me tor­nar atle­ta pro­fis­si­o­nal”, con­fi­den­ci­ou. Ini­ci­ou en­tão o seu per­cur­so nes­te no­vo des­por­to, on­de já con­quis­tou vá­ri­os pré­mi­os a ní­vel na­ci­o­nal. De acor­do com o atle­ta o mais di­fí­cil é a pre­pa­ra­ção que “pre­ci­sa­mos de mui­ta for­ça psi­co­ló­gi­ca. A ali­men­ta­ção é mui­to ri­go­ro­sa e é cru­ci­al pa­ra atin­gir­mos os ob­je­ti­vos pre­ten­di­dos. E a par­te mais di­fí­cil, mas tam­bém a mais im­por­tan­te”, ex­pli­cou. Qu­es­ti­o­na­do so­bre o que o fas­ci­na nes­te des­por­to, Ema­nu­el Ro­chi­nha não tem dú­vi­das e apon­ta a evo­lu­ção e os re­sul­ta­dos. “Es­ta­mos vá­ri­os me­ses pa­ra nos pre­pa­rar, no úl­ti­mo mês es­ta­mos mais for­tes e es­sa é a par­te que mais gos­to”, re­al­çou. Ape­sar de ser um apai­xo­na­do por es­te des­por­to, o atle­ta mar­co­en­se re­cor­da que há a ne­ces­si­da­de de ha­ver um ti­ming pa­ra o cor­po. “O nos­so cor­po pe­de pa­ra des­can­sar, sen­ti­mos es­sa ne­ces­si­da­de. Te­mos de o fa­zer se­não um dia mais par­te po­de­mos pa­gar um pre­ço mui­to al­to”, re­fe­riu.

Com uma no­va épo­ca a ini­ci­ar, Ema­nu­el Ro­chi­nha tem co­mo prin­ci­pal ob­je­ti­vo par­ti­ci­par nu­ma pro­va in­ter­na­ci­o­nal, em In­gla­ter­ra. “Pri­mei­ro te­nho os na­ci­o­nais em Lis­boa, mas o meu sonho é ir a In­gla­ter­ra re­pre­sen­tar Por­tu­gal, vai ser a pri­mei­ra pro­va in­ter­na­ci­o­nal que vou par­ti­ci­par”, des­ta­cou.

No que res­pei­ta à in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção, o cul­tu­ris­ta men­ci­o­nou a ne­ces­si­da­de de aju­das e pa­tro­cí­ni­os pa­ra a con­cre­ti­zar. “É um des­por­to mui­to ca­ro, pre­ci­so de aju­das. Con­to com aju­das de vá­ri­os pa­tro­cí­ni­os mas te­nho de con­se­guir mais pa­ra es­ta pro­va”, su­bli­nhou, acres­cen­tan­do a ne­ces­si­da­de de man­ter, ou até me­lho­rar, a con­di­ção fí­si­ca da pro­va de Lis­boa pa­ra a de In­gla­ter­ra.

A trei­nar to­dos os di­as, Ema­nu­el Ro­chi­nha pro­me­te le­var o no­me de Mar­co de Ca­na­ve­ses ca­da vez mais al­to, quer a ní­vel na­ci­o­nal, quer a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.