De Ba­ga­gem pe­lo Mun­do: Ani­ta Al­ves sen­te a sau­da­de do Mar­co a par­tir da Aus­trá­lia

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Li­cen­ci­a­da em Tu­ris­mo, Ani­ta Al­ves, de­ci­diu co­lo­car em prá­ti­ca o que apren­deu du­ran­te o cur­so e co­me­çou a vi­a­jar so­zi­nha.

Com um ma­pa na mão pa­ra des­co­brir o lu­gar pa­ra on­de ia vi­a­jar nas su­as fé­ri­as, des­co­briu o des­ti­no que a ia afas­tar de Vár­zea de Ove­lha, em Mar­co de Ca­na­ve­ses, por al­guns di­as.

De­ci­diu es­co­lher a Aus­trá­lia pa­ra des­can­sar e re­car­re­gar ba­te­ri­as. Foi as­sim há se­te anos. Mas aque­las que se­ri­am ape­nas umas fé­ri­as, tor­na­ram-se nu­ma ro­ti­na de vi­da.

Um ano após Ani­ta Al­ves ter vi­a­ja­do so­zi­nha de­ci­diu mu­dar-se pa­ra a Aus­trá­lia pa­ra ten­tar a sua sor­te, já que em Por­tu­gal as opor­tu­ni­da­des pro­fis­si­o­nais es­cas­se­a­vam. “Fe­liz­men­te, as opor­tu­ni­da­des sur­gi­ram”. Ar­ran­jou emprego e aca­bou por fi­car por lá. Já per­ma­ne­ce jun­to dos aus­tra­li­a­nos des­de 2011.

Se­te anos já se pas­sa­ram mas a ad­mi­ra­ção pe­lo país ain­da per­ma­ne­ce. Des­de que pas­sou fé­ri­as na Aus­trá­lia que Ani­ta per­ce­beu que se tra­ta­va de um país agra­dá­vel e bo­ni­to. E es­sa ideia não se al­te­rou com o pas­sar dos anos.

O tem­po mu­dou a sua pro­fis­são. Per­ma­ne­ceu qua­tro anos na ho­te­la­ria – pro­fis­são que de­sem­pe­nha­va an­tes de par­tir pa­ra ‘o ou­tro la­do do mun­do’, en­quan­to fun­ci­o­ná­ria nos cru­zei­ros que ha­bi­tu­al­men­te so­bem o rio Dou­ro. Mas há dois anos de­ci­diu in­ves­tir mais na sua car­rei­ra. Ini­ci­ou no­va­men­te os seus es­tu­dos e ti­rou o Cur­so Téc­ni­co em Con­ta­bi­li­da­de. Dei­xou de par­te o tu­ris­mo e vi­rou-se pa­ra as con­tas. Ho­je é uma con­ta­bi­lis­ta na Aus­trá­lia. Des­de que emi­grou, Ani­ta diz ser uma mulher do sol. Is­to por­que as es­ta­ções do ano são opos­tas en­tre Por­tu­gal e a Aus­trá­lia. Mas dá-se mui­to bem com es­sa mu­dan­ça pois, quan­do vi­a­ja até ao seu país de ori­gem, é ve­rão, en­quan­to na Aus­trá­lia a chu­va mar­ca os di­as.

“Aqui, as es­ta­ções são ao con­trá­rio. Nor­mal­men­te vou a Por­tu­gal no ve­rão quan­do aqui é in­ver­no. Por is­so, vi­ver qua­se sem­pre em mo­do ve­rão pa­re­ce-me bem”, brin­ca com a si­tu­a­ção.

Sem cul­tu­ra de emi­gra­ção na fa­mí­lia, Ani­ta lan­çou-se à aven­tu­ra.

Em­bo­ra ad­mi­ta sen­tir-se re­a­li­za­da, o cer­to é que as sau­da­des do Mar­co de Ca­na­ve­ses, mais pro­pri­a­men­te da sua fa­mí­lia e da gas­tro­no­mia da re­gião, a fa­zem que­rer alar­gar o pe­río­do de vi­si­ta a Por­tu­gal.

“Ge­ral­men­te, es­tou gran­des tem­po­ra­das por ter­ras por­tu­gue­sas, ten­to fi­car en­tre um a dois me­ses e de­pois re­gres­so à mi­nha ro­ti­na”, ex­pli­cou.

A fal­ta de his­to­ri­al de emi­gra­ção na sua fa­mí­lia é um fac­to. Só a ge­ra­ção de Ani­ta Al­ves, atu­al­men­te com 31 anos, é que de­ci­diu par­tir, mo­vi­da pe­lo de­se­jo de um sa­lá­rio mai­or e de em­pre­ga­bi­li­da­de nas áre­as de for­ma­ção.

Por to­da es­ta con­jun­tu­ra, Ani­ta Al­ves vi­veu um pe­río­do de adap­ta­ção que em na­da se tor­nou si­nó­ni­mo da pa­la­vra “fá­cil”. Fa­zer ami­za­des era al­go que no­ta­va que re­que­ria tem­po e, es­se tem­po, tor­nou-se pe­no­so nos pri­mei­ros me­ses co­mo emi­gran­te. “Fa­zia-me fal­ta ter um ‘sup­port network’”, con­fi­den­ci­ou.

Ao mes­mo tem­po, co­mu­ni­car e en­ten­der o aus­tra­li­a­no era tão com­pli­ca­do co­mo fa­zer um ami­go ao vi­rar da es­qui­na. “Ape­sar de fa­lar in­glês há mui­tos anos, o ‘ca­lão’ aus­tra­li­a­no é di­fe­ren­te, e há mui­tas ex­pres­sões que nun­ca ti­nha ou­vi­do”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.