GD Ma­nhun­ce­los e ADRC SANDE em des­ta­que

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Sande com o ob­je­ti­vo de me­lho­res re­sul­ta­dos

Pe­lo ter­cei­ro ano con­se­cu­ti­vo a par­ti­ci­par na Li­ga Mar­co­en­se de Futebol Amador, a As­so­ci­a­ção Des­por­ti­va, Re­cre­a­ti­va e Cul­tu­ral de Sande am­bi­ci­o­na por me­lho­res re­sul­ta­dos.

Com a mes­ma es­tru­tu­ra da épo­ca pas­sa­da, a prin­ci­pal al­te­ra­ção cen­trou-se na mu­dan­ça de trei­na­dor. O ca­pi­tão da equi­pa do ano pas­sa­do, Pe­dro Car­do­so, as­su­miu o con­tro­lo. No que res­pei­ta a jo­ga­do­res man­te­ve-se uma gran­de par­te. “Te­mos jo­ga­do­res de fo­ra da fre­gue­sia, mas são to­dos do con­ce­lho do Mar­co de Ca­na­ve­ses”, ex­pli­cou An­tó­nio Pin­to, pre­si­den­te do Sande.

De acor­do com o di­ri­gen­te, o sonho pas­sa sem­pre “por ven­cer o cam­pe­o­na­to”, no en­tan­to es­se não é o prin­ci­pal ob­je­ti­vo. “O que é mais im­por­tan­te é par­ti­ci­par e pro­mo­ver a prá­ti­ca des­por­ti­va. Que­re­mos que a nos­sa ju­ven­tu­de par­ti­ci­pe e te­nha há­bi­tos sau­dá­veis”, avan­çou.

Pa­ra An­tó­nio Pin­to o es­pí­ri­to de gru­po e o con­ví­vio são fun­da­men­tais pa­ra o bem-es­tar do clu­be. “So­mos cam­peões no es­pí­ri­to de gru­po e is­so é o mais im­por­tan­te”, des­ta­cou.

No que res­pei­ta a ne­ces­si­da­des, o pre­si­den­te afir­ma que as mo­ne­tá­ri­as são as que mais se des­ta­cam. “Não é mui­to fá­cil so­bre­vi­ver nes­ta com­pe­ti­ção, con­tra tu­do e con­tra to­dos te­mos de vi­ver do sub­sí­dio de­pen­dên­cia”, la­men­tou, acres­cen­tan­do que há a ne­ces­si­da­de das en­ti­da­des pú­bli­cas olha­rem pa­ra a LIMFA.

Ape­sar das di­fi­cul­da­des, o Sande con­ta com a aju­da de pa­tro­ci­na­do­res que, se­gun­do An­tó­nio Pin­to, têm res­pon­di­do sem­pre afir­ma­ti­va­men­te quan­do so­li­ci­ta­dos.

A ade­são dos adep­tos aos jo­gos “é re­du­zi­da”, no en­tan­to o pre­si­den­te ex­pli­ca que “é nor­mal fa­ce aos re­sul­ta­dos”. “Se che­gar­mos a uma fa­se fi­nal, co­mo acon­te­ceu no ano pas­sa­do na Ta­ça do Mu­ni­cí­pio, te­mos mui­ta gen­te, mas nos jo­gos do cam­pe­o­na­to não há gran­de as­sis­tên­cia”, re­ve­lou, es­pe­ran­do que com os bons re­sul­ta­dos es­ta re­a­li­da­de se al­te­re.

Com o sonho de bons re­sul­ta­dos, a As­so­ci­a­ção Des­por­ti­va, Re­cre­a­ti­va e Cul­tu­ral de Sande con­ti­nua o seu per­cur­so no cam­pe­o­na­to da LIMFA.

Gru­po Des­por­ti­vo de Ma­nhun­ce­los com no­va equi­pa téc­ni­ca

O Gru­po Des­por­ti­vo de Ma­nhun­ce­los ini­ci­ou a épo­ca des­por­ti­va 2018/2019 com o prin­ci­pal ob­je­ti­vo da con­quis­ta do tí­tu­lo.

O no­vo trei­na­dor da equi­pa é Jor­ge No­guei­ra. De­pois de es­tar na di­re­ção à cer­ca de 10 anos, as­su­miu o con­tro­lo da equi­pa téc­ni­ca com a am­bi­ção de bons re­sul­ta­dos. “A prin­ci­pal al­te­ra­ção foi es­sa. No ano pas­sa­do era jo­ga­dor, fi­ze­ram-me o con­vi­te pa­ra di­ri­gir a equi­pa e não pen­sei du­as ve­zes, acei­tei lo­go”, re­ve­lou, acres­cen­tan­do que a mu­dan­ça es­ten­deu-se a to­da a equi­pa téc­ni­ca.

O plan­tel tam­bém so­freu al­gu­mas al­te­ra­ções “en­tre qua­tro a cin­co jo­ga­do­res di­fe­ren­tes”, sen­do que são qua­se to­dos de fo­ra da fre­gue­sia, si­tu­a­ção que o trei­na­dor la­men­ta. “Gos­tá­va­mos que os jo­vens de Ma­nhun­ce­los ade­ris­sem mais ao futebol. A prá­ti­ca des­por­ti­va é mui­to im­por­tan­te”, sa­li­en­tou.

No que res­pei­ta a ob­je­ti­vos, Jor­ge No­guei­ra afir­ma que, quan­do as­su­miu a res­pon­sa­bi­li­da­de co­mo trei­na­dor jun­to dos jo­ga­do­res, o prin­ci­pal fo­co foi a vitória no cam­pe­o­na­to da LIMFA. “O nos­so ob­je­ti­vo é o pri­mei­ro lu­gar, mas se não for pos­sí­vel que­re­mos con­se­guir me­lhor do que no ano pas­sa­do”, afir­mou, re­fe­rin­do-se ao quar­to lu­gar al­can­ça­do na épo­ca 2017/2018.

Jor­ge No­guei­ra apon­ta co­mo prin­ci­pais di­fi­cul­da­des a ques­tão a ní­vel mo­ne­tá­ria, que acre­di­ta ser trans­ver­sal à mai­o­ria dos clu­bes. De acor­do com o trei­na­dor, “os apoi­os são pou­cos, tor­na-se um pou­co com­pli­ca­do fa­zer a ges­tão de um cam­pe­o­na­to que fi­ca tão ca­ro”.

A ní­vel do apoio dos adep­tos, o téc­ni­co afir­ma que “a cla­que acom­pa­nha sem­pre a equi­pa”, ape­sar de con­fi­den­ci­ar que é di­fí­cil ter a ca­sa cheia. “Te­mos sem­pre mui­tos adep­tos, mes­mo quan­do os jo­gos são fo­ra o gru­po ha­bi­tu­al acom­pa­nha-nos”, des­ta­cou.

Com a vitória no cam­pe­o­na­to co­mo me­ta, o Gru­po Des­por­ti­vo do Ma­nhun­ce­los vai con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar pa­ra atin­gir to­dos os ob­je­ti­vos que a no­va equi­pa téc­ni­ca de­li­ne­ou no iní­cio da épo­ca.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.