Re­so­lu­ção do trân­si­to na Ave­ni­da dos Bom­bei­ros Vo­lun­tá­ri­os “po­de­rá não pas­sar por uma ro­tun­da”

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

ABom­bei­ros­cons­tru­ção da ro­tun­da na li­ga­ção en­tre a Ave­ni­da dos Vo­lun­tá­ri­os de Mar­co de Ca­na­ve­ses e a va­ri­an­te à EN211 foi um dos te­mas de prin­ci­pal en­fo­que na úl­ti­ma Reu­nião Pú­bli­ca de Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, que acon­te­ceu no dia 26 de no­vem­bro.

Re­cor­de-se que no cru­za­men­to des­tas du­as vi­as é ha­bi­tu­al a con­cen­tra­ção de um gran­de nú­me­ro de vi­a­tu­ras, con­ges­ti­o­nan­do aque­la en­tra­da da ci­da­de do Mar­co de Ca­na­ve­ses.

Jo­sé Mo­ta, ve­re­a­dor pe­lo Par­ti­do So­ci­al De­mo­cra­ta, lem­brou que “há mui­to que se fa­la des­ta ques­tão. Es­te as­sun­to tem vin­do a ser dis­cu­ti­do e adi­a­do”, re­cor­dan­do tam­bém que é por aque­le lo­cal “que se pro­ces­sa a en­tra­da e a saí­da de pra­ti­ca­men­te to­do o trân­si­to que per­cor­re a ci­da­de”.

O ve­re­a­dor des­ta­cou a quan­ti­da­de de veí­cu­los pe­sa­dos que, di­a­ri­a­men­te pas­sam por aque­le lo­cal e que, com a cons­tru­ção da ro­tun­da, se­ri­am obri­ga­dos a pa­rar pa­ra dar pri­o­ri­da­de aos veí­cu­los que se en­con­tram a cir­cu­lar. De acor­do com Jo­sé Mo­ta “não vai ser fá­cil” pa­ra os veí­cu­los pe­sa­dos que cir­cu­lam car­re­ga­dos su­bi­rem a Ave­ni­da dos Bom­bei­ros Vo­lun­tá­ri­os de Mar­co de Ca­na­ve­ses se não “vi­e­rem lan­ça­dos da via de cir­cu­la­ção que exis­te até ago­ra”.

“Lem­bro is­to ape­nas por­que es­ta tem si­do a gran­de di­fi­cul­da­de que tem le­va­do à não cons­tru­ção des­ta ro­tun­da”, cons­ta­tou o ve­re­a­dor do PSD, acres­cen­tan­do que “se não for acau­te­la­da a en­tra­da des­se trân­si­to, com uma via pri­o­ri­tá­ria, fi­cam sé­ri­as dú­vi­das quan­to ao in­te­res­se des­sa ro­tun­da”.

Cris­ti­na Vi­ei­ra, pre­si­den­te da Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses, em res­pos­ta a es­tas ques­tões le­van­ta­das pe­lo so­ci­al-de­mo­cra­ta, afir­mou que o le­van­ta­men­to to­po­grá­fi­co já foi fei­to “ten­do em con­ta que a In­fra­es­tru­tu­ras de Por­tu­gal (IP) não ti­nha a opor­tu­ni­da­de de fa­zer com a ce­le­ri­da­de que o mu­ni­cí­pio qu­e­ria”.

De­pois des­te es­tu­do, a IP co­mu­ni­cou à Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses “que a ro­tun­da po­de não ser a res­pos­ta”. “São os en­ge­nhei­ros e os ar­qui­te­tos da IP que es­tão a fa­zer o pro­je­to téc­ni­co”, re­ve­lou a au­tar­ca, acres­cen­tan­do que “vão sal­va­guar­dar to­dos os in­te­res­ses, no­me­a­da­men­te os de se­gu­ran­ça “.

A pre­si­den­te anun­ci­ou ain­da que se­rá fei­to um no­vo es­tu­do “pa­ra ava­li­ar qual é a in­fra­es­tru­tu­ra mais in­di­ca­da pa­ra cons­truir”, re­cor­dan­do a exis­tên­cia, den­tro da IP, da Co­mis­são de Se­gu­ran­ça que va­li­da o pro­je­to. “Só quan­do va­li­da­rem a pro­pos­ta é que po­de­mos di­zer o que vai ser ali cons­truí­do”, dis­se.

Efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca foi te­ma da reu­nião

Na mes­ma reu­nião de câ­ma­ra de 26 de no­vem­bro, Jo­sé Mo­ta ques­ti­o­nou ain­da a pre­si­den­te da au­tar­quia mar­co­en­se re­la­ti­va­men­te à subs­ti­tui­ção das atu­ais lâm­pa­das exis­ten­tes no con­ce­lho pa­ra lâm­pa­das LED. “Gos­ta­ria de per­gun­tar que es­tra­té­gia es­tá a ser se­gui­da, se foi lan­ça­do al­gum con­cur­so pa­ra tal e se es­tá a ser uti­li­za­do al­gum ti­po de fi­nan­ci­a­men­to pú­bli­co, dis­se.

A pre­si­den­te Cris­ti­na Vi­ei­ra re­cor­dou que hou­ve a ce­le­bra­ção de um con­tra­to, que foi apro­va­do por una­ni­mi­da­de, pa­ra a im­ple­men­ta­ção de me­di­das de efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca no sis­te­ma de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca, no en­tan­to a EDP Dis­tri­bui­ção im­pug­nou es­se con­tra­to. “Es­ta­mos a tra­ba­lhar com a em­pre­sa pa­ra ver se es­se pro­ces­so ul­tra­pas­sa a im­pug­na­ção pa­ra se po­der de­ci­dir al­gu­ma coi­sa”, avan­çou.

No se­gui­men­to des­ta si­tu­a­ção, a au­tar­ca trans­mi­tiu que a Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal de Mar­co de Ca­na­ve­ses es­tá a es­tu­dar a pos­si­bi­li­da­de de, no con­cur­so da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca da Co­mu­ni­da­de In­ter­mu­ni­ci­pal do Tâ­me­ga e Sou­sa (CIM do Tâ­me­ga e Sou­sa), in­te­grar a ilu­mi­na­ção pú­bli­ca.

“As nos­sas can­di­da­tu­ras das es­co­las, no âm­bi­to da me­di­da da efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca, não têm os re­qui­si­tos que a CIM e a CCDRN en­ten­dem pa­ra se­rem vá­li­das”, acres­cen­tan­do que é um pro­ble­ma trans­ver­sal a to­dos os mu­ni­cí­pi­os que in­te­gram a co­mu­ni­da­de in­ter­mu­ni­ci­pal.

“Es­ta­mos a es­tu­dar o re­for­ço do pla­no de in­ves­ti­men­to nu­ma ou­tra me­di­da, se o Mi­nis­té­rio da Eco­no­mia não al­te­rar a fór­mu­la va­mos ter de mu­dar es­te in­ves­ti­men­to pa­ra a efi­ci­ên­cia ener­gé­ti­ca e aí sim al­te­ra­re­mos as lu­mi­ná­ri­as do con­ce­lho pa­ra lu­mi­ná­ri­as LED”, in­di­cou a pre­si­den­te.

Câ­ma­ra Mu­ni­ci­pal al­te­rou fór­mu­la de cál­cu­lo pa­ra atri­bui­ção de sub­sí­di­os a as­so­ci­a­ções des­por­ti­vas

Foi apre­sen­ta­da na reu­nião de câ­ma­ra mu­ni­ci­pal de 26 de no­vem­bro a no­va for­ma de cál­cu­lo pa­ra atri­bui­ção de sub­sí­di­os às as­so­ci­a­ções que di­na­mi­zam mo­da­li­da­des des­por­ti­vas co­le­ti­vas fe­de­ra­das no con­ce­lho, no­me­a­da­men­te futebol, fut­sal, an­de­bol, hó­quei em pa­tins e pa­ti­na­gem ar­tís­ti­ca.

De acor­do com o ve­re­a­dor com o Pe­lou­ro do Des­por­to, Pau­lo Cou­to, es­ta é uma for­ma “de in­cen­ti­var a pro­mo­ção do des­por­to”, on­de a câ­ma­ra mu­ni­ci­pal “apoi­a­rá as as­so­ci­a­ções des­por­ti­vas, de­fi­nin­do um va­lor anu­al por épo­ca des­por­ti­va a atri­buir por atle­ta fe­de­ra­do não pro­fis­si­o­nal, pa­ra ca­da mo­da­li­da­de”.

As prin­ci­pais al­te­ra­ções cen­tram-se na su­bi­da de 10% fa­ce à an­te­ri­or for­ma de cál­cu­lo. “Al­te­rá­mos a for­ma de atri­bui­ção. Na épo­ca pas­sa­da pa­gá­va­mos um má­xi­mo de jo­ga­do­res por equi­pa, por exem­plo a uma equi­pa de futebol co­lo­ca­vam um te­to má­xi­mo de 22 jo­ga­do­res, e ha­via equi­pas que ti­nham 25, 28 ou 30 jo­ga­do­res. Es­ta épo­ca va­mos fa­zer o pa­ga­men­to por atle­ta, des­ta for­ma va­mos ser mais jus­tos e trans­pa­ren­tes”, su­bli­nhou o ve­re­a­dor.

Tam­bém a re­pre­sen­ta­ti­vi­da­de do con­ce­lho tem des­ta­que nes­ta no­va fór­mu­la de cál­cu­lo, is­to é, as equi­pas que re­pre­sen­tam o mu­ni­cí­pio a ní­vel na­ci­o­nal re­ce­bem um sub­sí­dio mai­or. “Au­men­ta­mos pa­ra dois mil e qui­nhen­tos eu­ros o sub­sí­dio das equi­pas que re­pre­sen­tam o mu­ni­cí­pio na pri­mei­ra di­vi­são na­ci­o­nal, no­me­a­da­men­te a equi­pa sé­ni­or da ARCA e uma equi­pa da Ca­sa do Po­vo de Vi­la Boa do Bis­po de Hó­quei em Pa­tins fe­mi­ni­no”, ex­pli­cou.

Es­te va­lor atri­buí­do às equi­pas do con­ce­lho des­ti­na-se à com­par­ti­ci­pa­ção pe­los va­lo­res gas­tos pe­las as­so­ci­a­ções/clu­bes des­por­ti­vos, no­me­a­da­men­te: nas ta­xas de ins­cri­ção, se­gu­ros, car­tão de atle­ta, or­ga­ni­za­ção de jo­gos, equi­pa téc­ni­ca, ser­vi­ços mé­di­cos, ins­ta­la­ções e trans­por­tes.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.