“Raul Mi­nh’Al­ma é um dig­no e o mais no­tá­vel em­bai­xa­dor da li­te­ra­tu­ra do Mar­co”

A Verdade - - MARCO DE CANAVESES -

Ono­vo ro­man­ce de Raul mi­nh’Al­ma foi apre­sen­ta­do no pas­sa­do dia 30 de no­vem­bro no oli­val da Ca­na­na, na fre­gue­sia de Ta­bu­a­do. No even­to es­ti­ve­ram pre­sen­tes de­ze­nas de pes­so­as que fe­li­ci­ta­ram o au­tor pe­la obra “Foi sem que­rer que te quis”.

“Foi in­crí­vel, foi a mi­nha apre­sen­ta­ção mais as­sis­ti­da de sem­pre, nem se­quer no Mar­co foi as­sim”, ex­pli­cou com um bri­lho nos olhos em en­tre­vis­ta ao Jor­nal A VER­DA­DE. O au­tor sen­tiu-se sa­tis­fei­to por ser re­ce­bi­do “com tan­to ca­ri­nho vin­do do po­vo” da sua ter­ra.

Cris­ti­na Vi­ei­ra, pre­si­den­te da Câ­ma­ra do Mar­co, pa­ra­be­ni­zou o au­tor pe­la obra, sa­li­en­tan­do que “es­te é o ver­da­dei­ro em­bai­xa­dor do Mar­co de Ca­na­ve­ses, sem pe­dir na­da em tro­ca, ou se­ja, é o dig­no e o mais no­tá­vel em­bai­xa­dor da li­te­ra­tu­ra do mar­co”.

O au­tor propôs-se, no seu no­vo ro­man­ce, a dar a re­cei­ta pa­ra “ser­mos fe­li­zes no amor” e, du­ran­te a apre­sen­ta­ção, Raul Mi­nh’Al­ma sa­li­en­tou que ten­ta sem­pre dar “um chei­ri­nho da re­cei­ta pa­ra que, ca­so as pes­so­as não le­vem o li­vro pa­ra ca­sa, pos­sam le­var um pou­co de co­nhe­ci­men­to” que o au­tor tem pa­ra par­ti­lhar so­bre o te­ma.

Além de ain­da não ter des­co­ber­to a re­cei­ta do amor, brin­cou Cris­ti­na Vi­ei­ra, o cer­to é que con­si­de­ra o li­vro “o pre­sen­te ide­al pa­ra es­te Na­tal” vis­to que pos­sui uma men­sa­gem im­por­tan­te so­bre o amor. “É uma his­tó­ria de amor on­de os ato­res prin­ci­pais de­ci­dem co­lo­cá-la em prá­ti­ca, e da­qui­lo que Raul Mi­nh’Al­ma trans­mi­te é que de­ve­mos vi­ver a vi­da sem más­ca­ras, co­mo so­mos, de for­ma na­tu­ral e hu­mil­da­de”, ex­pli­cou a au­tar­ca.

Ao mes­mo tem­po, Fer­nan­do Bar­bo­sa, pre­si­den­te da jun­ta de Ta­bu­a­do, fre­gue­sia de on­de é na­tu­ral o au­tor, re­fe­riu a im­por­tân­cia de jo­vens co­mo o Raul, “que le­va o no­me de ta­bu­a­do e do Mar­co, pa­ra fo­ra do nos­so con­ce­lho e até mes­mo in­ter­na­ci­o­nal­men­te, vis­to que o li­vro já foi edi­ta­do no Bra­sil”.

So­bre a pos­si­bi­li­da­de de in­ter­na­ci­o­na­li­za­ção das su­as obras, Raul Mi­nh’Al­ma afir­mou que “es­te se­rá um pas­so a dar ao la­do da edi­to­ra”, mas ad­mi­tiu a pos­si­bi­li­da­de de o fa­zer. Po­rém, ex­pres­sou que a sua mai­or am­bi­ção é con­quis­tar ain­da mais o pú­bli­co por­tu­guês, na mes­ma li­nha edi­to­ri­al, ou se­ja, o ro­man­ce.

A po­pu­la­ção enal­te­ceu o fac­to de o au­tor do ro­man­ce apre­sen­ta­do con­ti­nu­ar a ser uma pes­soa “hu­mil­de”. A obra es­tá à ven­da em li­vra­ri­as.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Portugal

© PressReader. All rights reserved.